quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Síria: forças americanas bloqueiam comboios russos que se dirigem para os campos de petróleo na zona curda


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 5 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de fevereiro de 2020.

Em outubro passado, depois de anunciar a retirada das forças americanas do nordeste da Síria, deixando a Turquia livre para lançar uma ofensiva contra a milícia curda síria [YPG] a fim de estabelecer uma zona de segurança, o presidente Trump havia explicado que pretendia impedir o acesso aos locais de petróleo e gás localizados na zona curda ao Estado Islâmico [EI ou Daesh], mas também às tropas sírias e russas.

As forças americanas manterão o "controle dos campos de petróleo" porque "fornecem uma fonte essencial de financiamento às Forças Democráticas da Síria [FDS, cujo YPG constitui o principal corpo de tropas, nota], o que lhes permite proteger os campos de prisioneiros do EI e de conduzir operações, explicou Mark Esper, o chefe do Pentágono, na época.

Além disso, os Estados Unidos transferiram cerca de 500 soldados nas regiões de Deir ez-Zor e Hassaké, enquanto, ao mesmo tempo, e após um acordo concluído em Sochi por Moscou e Ancara, a fim de pôr um fim à operação turca, as tropas russas tomaram posse das bases abandonadas pela coalizão anti-jihadista [e, portanto, pelas forças americanas] no nordeste da Síria. E isso, a fim de realizar patrulhas conjuntas com seus homólogos turcos nas proximidades da zona de segurança que este acabara de estabelecer com seus auxiliares sírios.

Só que o que tinha que acontecer acabou acontecendo. Assim, foi relatado por jornalistas presentes no local, bem como pelo Observatório Sírio para os Direitos Humanos [OSDH], que as patrulhas russas tentaram, em várias ocasiões, entrar na zona curda, o que forçou as forças americanas a intervirem para impedi-los. Isso às vezes deu origem a tensões.

Em 31 de janeiro, soldados americanos bloquearam uma patrulha russa em direção à fronteira iraquiana. O incidente ocorreu entre as cidades de Tall Tamer e al-Malikiyah [ou Dayrik] na província de Hassaké na rodovia M4, que se tornou uma "linha divisória" entre os dois campos.

Vários incidentes desse tipo, nos quais soldados americanos forçaram as patrulhas russas a voltarem, foram relatados como ocorrendo nos dias anteriores.

O OSDH, que possui uma vasta rede de informantes em campo, a priori documentou um deles. Em 29 de janeiro, as forças americanas teriam bloqueado um comboio russo perto da vila de al-Kharita, no caminho para Hassaké, capital regional. Isso teria dado origem a "altercações verbais".

Três dias antes, o avanço de veículos militares russos no campo de petróleo de Rumeylan [no nordeste de Hassaké] foi supostamente interrompido por uma patrulha americana.


"Soldados americanos interceptam patrulha russa tentando chegar ao campo petrolífero de Rumilan. Parece que o veículo russo bateu no veículo blindado americano."

"Essas ações fazem parte das tentativas norte-americanas de minar o papel da Rússia no nordeste da Síria e de impedir que os russos usem a rodovia M4 na região, exceto quando se dirigem às áreas fronteiriças com a Turquia", afirmou o OSDH.

O último incidente ocorreu em 4 de fevereiro. O mesmo cenário ocorreu nas proximidades da vila de Karki Laki, a leste de Qamichli. Lá, uma patrulha americana interceptou um comboio russo, que tentava alcançar al-Malikiyah novamente.

Paralelamente a esses incidentes, a tensão entre Ancara e Damasco aumentou, enquanto as forças turcas e sírias trocaram tiros mortíferos em 3 de fevereiro na região de Idleb, apesar de seu status de "zona de desescalada".

Parcialmente fora de Damasco, a província abriga várias organizações jihadistas, incluindo Hayat Tahrir Al-Cham [HTS], bem como grupos rebeldes sírios apoiados por Ancara, que instalou 12 "postos de observação" lá.

Há vários meses, as forças do governo sírio, com o apoio da força aérea russa, assumiram várias localidades que até então estavam além de seu controle. Isso criou na Turquia um influxo de refugiados em seu território.

"A Turquia não permitirá que as forças sírias avancem na região de Idleb", alertou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em 4 de fevereiro, antes de afirmar que Ancara levantaria a questão com Moscou "sem raiva".

"Eu disse ao meu homólogo [russo] Sergei Lavrov que o regime está realizando ataques provocativos contra nossos postos de observação em torno de Idleb, que iremos revidar se continuarem e que eles [os russos] devem igualmente parar o regime o mais rápido possível ", disse Mevlüt Cavusoglu, ministro das Relações Exteriores da Turquia, no mesmo dia. "Também não aceitamos a desculpa de que 'não podemos controlar totalmente o regime '", acrescentou.

Neste impasse com Damasco [e Moscou], Ancara pode contar com o apoio de... Washington. “Os Estados Unidos condenam mais uma vez a agressão contínua, injustificável e cruel do povo de Idleb […] Apoiamos nosso aliado da Otan, a Turquia, depois do ataque, que causou a morte de vários funcionários turcos designados para um posto de observação usado para coordenação e remoção da desescalada e apóiam totalmente as reações justificadas de autodefesa da Turquia”, disse Mike Pompeo, chefe da diplomacia americana, via comunicado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário