Mostrando postagens com marcador Reino Unido. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Reino Unido. Mostrar todas as postagens

domingo, 3 de outubro de 2021

França no Pacífico: o que ela tem feito e por que isso é bom para a América


Por Michael Shurkin, 9 Dash Line, 20 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de outubro de 2021.

Na controvérsia em torno do recente acordo de três vias Austrália-Reino Unido-Estados Unidos (Australia-United Kingdom-United StatesAUKUS) para fornecer à Austrália tecnologia de submarino nuclear - ao preço de enfurecer a França ao romper um acordo de mais de US$ 60 bilhões para vender submarinos franceses à Austrália, tem havido uma tendência de ignorar o valor do papel francês no Indo-Pacífico, tanto para a Austrália quanto para os EUA. Só o tempo dirá com que gravidade a atual crise diplomática afetará a política francesa, mas deve ficar claro que alienar a França não faz sentido. Era do interesse da América, da Austrália e até do Reino Unido manter a França ao seu lado e trabalhar para fortalecer seu relacionamento com ela. Talvez a Austrália consiga submarinos melhores no final, mas devemos nos perguntar se, pelo menos, todo o caso poderia ter sido administrado de forma diferente.

Sim, a França é uma potência indo-pacífica


A primeira questão que deve ser abordada é a relevância da França no Indo-Pacífico. Pensamos na França como uma potência exclusivamente europeia, mas graças aos resquícios de seu passado colonial - o que os próprios franceses às vezes chamam cinicamente de “confete do império”, a França pode legitimamente se ver como uma potência do Pacífico e do Oceano Índico. Possui vários territórios no Indo-Pacífico, que abrigam 1,6 milhão de cidadãos franceses e dão à França vastas Zonas Econômicas Exclusivas (ZEE) marítimas que somam 9 milhões de quilômetros quadrados. A França também mantém uma força militar permanente de 7.000 homens e mulheres, o que é único para uma nação europeia. Estes incluem, de acordo com o Ministério das Forças Armadas da França, 2.000 soldados e cinco navios dedicados à “Zona Sul do Oceano Índico”, 1.660 soldados e quatro navios designados para a “Zona de Responsabilidade” da Nova Caledônia, e 1.180 soldados e três navios designados para a zona da Polinésia Francesa. A França também envia rotineiramente navios e aeronaves para águas francesas e internacionais nos dois oceanos para mostrar a bandeira, muitas vezes na forma de seu porta-aviões nuclear e suas escoltas ou um dos grandes navios de assalto anfíbio da classe Mistral da França.

Rejeitando a França como fizeram com o acordo AUKUS, Austrália, EUA e Reino Unido excluíram um aliado ansioso para aumentar seu papel na segurança do Indo-Pacífico e o fizeram de uma maneira que quase inteiramente coincidiu com os interesses americanos e australianos.

No entanto, na última década, e especialmente sob o presidente francês Emmanuel Macron, Paris tem enfatizado ruidosamente sua identidade como uma nação “indo-pacífica” ao estender a mão para outras potências indo-pacíficas para construir relações bilaterais e multilaterais. Diplomatas franceses têm se ocupado em fechar acordos com vários países, como Índia e Indonésia, com o objetivo de fomentar as relações comerciais, bem como a cooperação em defesa e segurança, ou ambos combinados na forma de venda de armas. Em 2018, Macron invocou o surgimento de um “eixo Paris-Délhi-Canberra”, e a França atualizou seu relacionamento com a Austrália e o Japão, bem como com a Índia, Indonésia, Cingapura e Vietnã. O acordo do submarino de 2016 com a Austrália foi um triunfo para o predecessor de Macron, e os dois países recentemente haviam chegado a acordos relacionados ao acesso às bases australianas. A França também tem atuado em instituições e fóruns multilaterais regionais. A participação francesa na Enforcement Coordination Cell (ECC) - uma coalizão naval organizada para fazer cumprir as sanções da ONU contra a Coreia do Norte, que foi descrita como a “joia escondida” da cooperação de segurança Indo-Pacífico - é particularmente digna de nota. No geral, tem havido um claro aumento na atividade militar francesa. Como assinalou o Le Monde, se em dois anos o número de tropas desdobradas para a região não aumentou, o “ritmo de exercícios, missões e intercâmbios diplomáticos” [...] "intensificou-se claramente”.

Presença francesa no Indo-Pacífico.

O governo francês expôs seus motivos em publicações oficiais, como a Estratégia de Defesa Francesa de 2019 no Indo-Pacífico. Isso inclui a defesa de uma “ordem internacional baseada em regras” (que a Casa Branca citou recentemente como o motivo do acordo AUKUS), a preservação e promoção das relações comerciais com as nações do Indo-Pacífico e a proteção das rotas marítimas essenciais para o comércio global. A França vê essas coisas ameaçadas pela proliferação nuclear, pirataria, terrorismo e qualquer coisa que ameace a ordem internacional em larga escala. Finalmente, Paris tem um forte interesse em proteger e aumentar seu já massivo comércio com os países do Indo-Pacífico, onde encontra mercados crescentes para bens e serviços franceses, sem mencionar armamentos franceses de ponta, como caças Rafale e submarinos. As vendas de armas dessa natureza contribuem muito para sustentar as indústrias de defesa da França, que Paris considera necessárias para manter sua autonomia estratégica.

Na verdade, os observadores australianos e americanos podem não reconhecer que o acordo submarino entre a França e a Austrália sempre foi, para a França, mais do que apenas empregos: tratava-se de manter vivas as indústrias de defesa francesas particularmente estratégicas, estratégico aqui se referindo a coisas vitais para a nação e sua habilidade de agir de forma independente no cenário mundial. Mais especificamente, isso se refere a armas nucleares e mísseis, aviões e navios necessários para desdobrá-los, o que também implica em propulsão nuclear. Essa é uma prioridade estratégica para a França e algo que a diferencia da Grã-Bretanha, que se sente confortável em contar com fornecedores americanos para componentes-chave de suas capacidades nucleares, por exemplo. Na verdade, em 1958, o Reino Unido e os EUA assinaram um acordo de compartilhamento de tecnologia nuclear, o fruto do qual inclui grande parte da tecnologia no coração das atuais ogivas nucleares do Reino Unido, bem como os mísseis e submarinos que as lançam. Mais ou menos na mesma época, a França notoriamente tomou outra direção, insistindo em ser capaz de fazer coisas vitais por si mesma, pelo menos porque a Paris do pós-guerra considerou imprudente confiar nos Estados Unidos para garantir sua segurança na era nuclear. O fato de fazer suas próprias coisas também significar empregos é a cereja do bolo.

As visões francesas sobre a China


No topo da lista de ameaças da França à ordem internacional no Indo-Pacífico está a aparente ambição da China de desafiar o domínio americano no Pacífico e sua ameaça à liberdade de navegação no Mar do Sul da China. As opiniões francesas sobre a China não são, portanto, fundamentalmente diferentes daquelas dos Estados Unidos. Deve-se notar também que, enquanto durante a Guerra Fria a França se apresentava como uma terceira via entre os Estados Unidos e a União Soviética, Macron deixou claro que desta vez a França está ao lado da América. Seria “inaceitável”, afirmou Macron, “alegar estar à mesma distância dos EUA que da China”, em grande parte porque a França e a América partilham valores, enquanto a França e a China não. Tecnicamente, Macron estava falando da posição da União Europeia, não da França, mas suas observações contrastam fortemente com os comentários da chanceler alemã, Angela Merkel, enfatizando a distância entre a UE e os EUA sobre a China. Em outras palavras, a visão de Macron era um ponto de vista francês e não europeu genérico. Ele estava falando pela França.

No entanto, há uma diferença significativa na maneira como a França se aproxima da China, ou pelo menos como a França fala sobre a China. A diplomacia francesa se concentra menos em desafiar a China do que em fortalecer os laços bilaterais e multilaterais entre todos aqueles que estão preocupados com a China, tudo em nome de causas genéricas como a defesa da liberdade dos mares e da “ordem baseada em regras” ou o combate à pirataria e proliferação. A França pode ver a China como a maior ameaça na região à liberdade dos mares e à ordem internacional baseada em regras, mas os franceses preferem evitar dizer isso em voz alta. Como explicou Macron em fevereiro, ele quer evitar um cenário em que a União Europeia e a comunidade internacional se unam “todas juntas contra a China”. Isso, ele explicou, tinha o maior potencial possível para conflito e seria “contraproducente” porque “forçará a China a aumentar sua estratégia regional” enquanto a pressiona a “diminuir sua cooperação” em outras questões de interesse global.

Convergência

A abordagem francesa se adapta a um amplo espectro de países, o que lhe confere uma vantagem em relação aos Estados Unidos. A ênfase da França em “valores compartilhados” ressoa com alguns, enquanto outros estão simplesmente com medo da China e desejam proteger o comércio internacional. Para a Austrália e o Japão, o relacionamento próximo da França com os EUA era um pré-requisito para relações mais estreitas com a França. Eles apostaram sua segurança nos Estados Unidos e apreciaram o fato de Paris e Washington DC terem se tornado muito mais próximos em questões de defesa e segurança, o que significa que nunca houve uma escolha entre a França e os Estados Unidos. Para muitos outros, o que importava mais era a distância da França dos EUA, por menor que fosse na prática. A parceria com a França era uma forma de se aproximar dos EUA sem se aliar a eles; isso até fornece uma medida de negação plausível.

Soldados franceses e indianos durante um exercício conjunto na Índia.

A Índia é um exemplo disso. Um relatório publicado pelo Senado francês em 2020 observou que o longo compromisso da Índia com o "não-alinhamento" durante a Guerra Fria significou que ela manteve distância dos EUA ao ser atraída pela França por causa da política francesa de se posicionar como uma terceira via entre os dois superpoderes. No entanto, os interesses indianos e americanos convergiram nos últimos anos. Isso pode ser visto na compra de armamento americano pela Índia, na assinatura de acordos bilaterais de defesa e na participação da Índia em exercícios militares. No entanto, a Índia “não desejava entrar em uma aliança restritiva com os Estados Unidos” e “os indianos não desejam abraçar a política americana em relação à China”. Essa preferência por afirmar a independência, sugere o relatório, é a razão por trás da decisão da Índia de comprar um sistema de defesa aérea russo. Nesse contexto, a França, com suas armas de alta tecnologia e uma política da China próxima da América, mas não idêntica, é um parceiro perfeito para a Índia. Também ajuda que a Austrália - outro parceiro de escolha para a França - esteja se tornando cada vez mais valiosa na estimativa da Índia. O resultado final para a França, de acordo com o relatório, é que o "amadurecimento" da Índia para a parceria com a França representa uma grande oportunidade para a França, não apenas por causa das enormes oportunidades econômicas que a Índia oferece. Além disso, a disposição da França de permitir que a Índia produza itens de defesa franceses na Índia está de acordo com o desejo da Índia de aumentar sua própria base industrial de defesa.

O interesse em uma fonte alternativa de armas ocidentais de ponta está, sem dúvida, ajudando a alimentar o boom das vendas de armas francesas aos países do Indo-Pacífico nos últimos anos: comprar armas de alta tecnologia da França é uma boa maneira de diversificar as fontes de tais itens enquanto evitando a bagagem política associada às armas americanas, chinesas ou russas. O fato das armas francesas não estarem sujeitas aos Regulamentos do Tráfico Internacional de Armas dos Estados Unidos (American International Traffic in Arms RegulationsITAR) também é uma vantagem.

O submarino francês Émeraude (S604) daMarine Nationale em patrulha na costa de Guam em 11 de dezembro de 2020.

A França também presume que sua força militar a torna atraente para os países do Indo-Pacífico, e Paris gosta de telegrafar que tem vontade e capacidade para usar a força na região. A participação francesa em maio deste ano no exercício anfíbio ARC21 envolvendo meios militares dos EUA, Austrália e Japão é um bom exemplo. Isso também ajuda a explicar por que a França tomou a atitude incomum de anunciar que seu submarino de ataque nuclear Émeraude havia visitado o Mar da China Meridional neste inverno, enquanto normalmente tal informação é mantida em segredo. Hugo Decis, um especialista naval do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos que observa as atividades navais francesas no Indo-Pacífico, também observou em e-mails ao autor como era incomum para a França enviar um submarino de ataque nuclear “a leste de Málaca”, em estreita cooperação com os EUA, Japão e Austrália e no Mar da China Meridional. Ele especulou que isso poderia ser uma “amostra do que está por vir para a Marinha francesa no Indo-Pacífico”, ou seja, operações “a leste de Malaca e em estreita cooperação com aliados e parceiros”, o que contrastava com desdobramentos mais típicas na área. No verão, em parte para demonstrar capacidades adicionais, a França desdobrou caças Rafale e aeronaves de apoio em territórios franceses no Pacífico. No final de junho, a mesma aeronave vôou para o Havaí e participou de exercícios de treinamento com aeronaves dos EUA antes de retornar pelo continente americano. Os franceses fizeram questão de parar em Langley, Virgínia, para comemorar o 240º aniversário da vitória franco-americana sobre os britânicos em Yorktown, nas proximidades.

Excluindo um aliado


A França está claramente determinada a ser um jogador importante no Indo-Pacífico, onde se beneficia da força militar e da convergência de interesses com uma ampla gama de parceiros. A França também pode ganhar muito dinheiro com as relações comerciais e vendas de armas que acompanham a melhoria das relações, ao mesmo tempo em que melhora seu perfil global. A França também tem tentado habilmente explorar seu próprio posicionamento cuidadoso em relação aos Estados Unidos, enquanto trabalha para garantir que tenha voz em tudo o que acontece na região e liberdade de manobra suficiente para agir da maneira que achar adequada.

Rejeitando a França como fizeram com o acordo AUKUS, Austrália, EUA e Reino Unido excluíram um aliado ansioso para aumentar seu papel na segurança do Indo-Pacífico e o fizeram de uma maneira que quase inteiramente coincidiu com os interesses americanos e australianos. Na verdade, ambos os países deveriam considerar uma maior integração francesa nos acordos de segurança do Indo-Pacífico como uma prioridade. Afinal, a França, além de seu hard power, pode complementar os EUA diplomaticamente apresentando-se como o não exatamente aliado americano da América, e também pode envolver a União Europeia, que é muito importante para as relações comerciais com a China pelo tamanho da economia europeia. Quanto ao Reino Unido, não está claro como ele ganha com o negócio AUKUS além de impulsionar seu próprio senso de relevância. O fato é que, depois do Brexit, o Reino Unido precisa se preocupar com suas relações com a França mais do que nunca, especialmente se Londres tem alguma preocupação com a segurança dentro e ao redor do continente europeu.

Michael Shurkin é um ex-oficial da CIA e cientista político sênior da RAND. Ele é diretor de programas globais da 14 North Strategies e fundador da Shurbros Global Strategies.

Bibliografia recomendada:

L'emergence d'une Europe de la défense:
Difficultés et perspectives.
Dejana Vukcevic.

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Coréia do Sul lança sistema de artilharia avançado para o Exército Britânico


Por Dylan Malyasov, The Defence Blog, 11 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.

A Hanwha Defense, uma das maiores empresas de defesa da Coréia do Sul, está lançando seu pacote de obuseiro autopropulsado de 155mm para o Exército Britânico.

Na sexta-feira, o comunicado de imprensa da empresa disse que a Hanwha Defense está pronta para exibir sua artilharia avançada e sistemas terrestres não-tripulados, incluindo o moderno obuseiro autopropulsado K9 Thunder, na exposição Defense and Security Equipment International (DSEI) a ser realizada na ExCel London, em Londres, de 14 a 17 de setembro.

Conforme observado pela empresa, o K9 Thunder 155mm/calibre 52 é o obuseiro AP mais vendido do mundo, já que cerca de 1.700 variantes do K9 estão em serviço em sete países, incluindo Coréia do Sul, Turquia, Polônia, Finlândia, Noruega, Índia e Estônia. A Austrália seria o oitavo cliente da solução K9 com negociações em andamento.

A Hanwha Defense planeja oferecer a última variante do K9, batizada de K9A2, para o programa Plataforma de Fogos Móveis (Mobile Fires Platform, MFP) do Exército Britânico.

A versão do K9 no Reino Unido deve apresentar letalidade, proteção e mobilidade aprimoradas. Equipado com um sistema de carregamento de munição totalmente automatizado, o K9A2 deve ter uma cadência de tiro aumentada para nove tiros por minuto. A nova variante K9 também será equipada com kits de proteção contra minas e lagartas de borracha compostas.

“O Reino Unido é o primeiro mercado internacional para o qual a mais nova variante do K9 SPH está sendo oferecida e esperamos que a indústria de defesa do Reino Unido sirva como base da cadeia de suprimentos para a família global de veículos K9”, disse Sun Wi, Diretor do Programa MFP, Hanwha Defense.

Dylan Malyasov é um jornalista e comentarista de defesa dos Estados Unidos. Fotógrafo de aviação, Dylan lidera a cobertura do Defence Blog de notícias militares globais, com foco em engenharia e tecnologia em toda a indústria de defesa dos EUA.

sexta-feira, 30 de julho de 2021

O Reino Unido busca o novo "Fuzil da Brigada de Operações Especiais do Exército"

Comando do Exército Britânico com uma Carabina L119A1.
(MoD do Reino Unido)

Por Mathew Moss, The Firearms Blog, 30 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de julho de 2021.

A Brigada de Operações Especiais do Reino Unido está em busca de uma nova arma pessoal. Atualmente, elementos das forças especiais do Reino Unido estão equipados com uma mistura de carabinas L119A1/A2 e fuzis L85A2. O novo fuzil provavelmente equipará algumas unidades existentes, mas será predominantemente entregue à nova Brigada de Operações Especiais com quatro batalhões que está sendo criada.

A Brigada de Operações Especiais de Nível 2 consistirá de batalhões menores e será encarregada com funções  de treinamento e aconselhamento em pontos críticos. A brigada será conhecida como The Rangers e contará com tropas de batalhões de infantaria especializados já estabelecidos. Você pode ler mais sobre os Rangers em nosso site irmão Overt Defense.

Em 26 de julho de 2021, o Ministério da Defesa do Reino Unido publicou um concurso para um novo “Sistema de Armamento Individual Alternativo (Alternative Individual Weapon, AIW) duma plataforma do Fuzil Armalite (Armalite Rifle, AR) da Brigada de Operações Especiais do Exército”.

O concurso prevê um "sistema de fuzil que compreende um fuzil e um" sistema de redução de assinatura" - um silenciador, bem como uma óptica adequada. O Sistema de Arma Individual Alternativa (AIW) provavelmente será uma arma padrão AR-15, o termo "Fuzil Armalite" é usado. Este é um termo remanescente para se referir a armas padrão AR-15 que têm sido usadas desde que o Exército Britânico adquiriu seus primeiros fuzis padrão AR-15 e M16 no início dos anos 1960. O termo também abrange os C7 e C8 adquiridos da Diemaco/Colt Canada. O concurso continua explicando que "uma plataforma AR é definida como sendo operada a gás com um ferrolho rotativo e de trancamento". O que, no geral, não é muito específico.

Soldado do pelotão Pathfinder (Precursor) com o fuzil L119A1 equipado com uma armação CQB de 10,5 polegadas, 2018.
(Cabo Jamie Hart /
MoD do Reino Unido)

O fuzil será "otimizado para uso com L15A2, uma munição comum de 62gr em 5,56×45 OTAN, equivalente à munição SS109". Ele não deve ter uma alavanca de manejo recíproca e os controles do fuzil devem incluir: “um retém do carregador, retém  de peças de operação e uma alavanca seletora rotativa que incorpora uma configuração de segurança”. O MoD também deixa claro que o fuzil terá configurações padrão "não-bullpup, com o dispositivo do carregador na frente do guarda-mato do gatilho", enquanto as partes "superior e inferior da arma devem ser combinadas usando pinos de pivô/desmontagem padrão da indústria localizados na frente e traseira da armação inferior”. Não há menção ao comprimento do cano, o inventário atual tem a carabina L119 em dois comprimentos - 15,7" e uma configuração CQB (Close Quarter Battle / Combate Aproximado em Compartimento) de 10,5".

As especificações do concurso concluem dizendo "Como um sistema completo, o sistema AIW deve funcionar de forma consistente, independentemente de sua configuração, ou seja, com ou sem um Dispositivo de Redução de Assinatura (Signature Reduction Device) instalado, em todos os cenários operacionais."

As licitações desse tipo no Reino Unido são especialmente interessantes porque oferecem um vislumbre da doutrina e do pensamento sobre as armas portáteis, já que a substituição do sistema de armas SA80 não está planejada para pelo menos uma década. Será interessante ver o que é enviado e selecionado. As armas que se enquadram nos critérios gerais que podem ser apresentados incluem o HK416, o C8 da Colt Canada, o LWRC IC, o MCX da SIG Sauer ou o LMT MARS, entre outros - incluindo algumas armas de padrão estritamente não AR-15, como o BREN 2 ou o HK433.

Os fornecedores interessados terão até 18 de agosto para manifestar o seu interesse, com o Ministério da Defesa a lançar os editais de licitação ou participação até 10 de setembro. O valor da proposta é colocado em “entre £ 500.000 e £ 90.000.000”, o que pode representar uma categoria arbitrária para os valores da proposta, em vez do valor planejado do contrato AIW final. O MoD espera que entre 3 a 6 fornecedores apresentem propostas. A licitação prevê entre 88 e 528 armas para a fase de trilhas e avaliação e a entrega final de um mínimo de “3.000 sistemas com opções para a Necessidade Total da Frota em torno de 10.000 Sistemas”.

Bibliografia recomendada:

The M16.
Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.







FOTO: Brigada Franco-Alemã, 22 de janeiro de 2020.

FOTO: Hora do chá, 3 de março de 2021.

FOTO: Operador especial ugandense, 10 de julho de 2021.

segunda-feira, 10 de maio de 2021

O Exército Britânico receberá seus primeiros tanques Challenger 3 em 2027 e ficará de olho no projeto MGCS franco-alemão


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 9 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de maio de 2021.

A tão esperada modernização dos tanques Challenger 2 do Exército britânico foi finalmente oficializada em 7 de maio, com a notificação de um contrato no valor de pouco mais de 900 milhões de euros para a Rheinmetall BAE Systems Land (RBSL), uma joint venture formada pela Rheinmetall alemã e BAE Systems Land.

Em termos de modernização, provavelmente seria apropriado falar de um novo tanque. Na verdade, o Challenger 3 terá uma nova torre equipada com um canhão de cano liso L55A1 de 120mm para permitir o uso de munição, o que permitirá o uso de munição padrão da OTAN. O que o Challenger 2 não pôde fazer, pois era o único tanque da OTAN a ser equipado com um canhão raiado de 120mm.


Além de uma nova torre, o Challenger 3 terá blindagem modular, equipamento optrônico de última geração para melhorar as capacidades de mira dia e noite, um dispositivo de proteção ativa, um sistema de detecção e rastreamento automático de alvos e um sistema eletrônico e elétrico de arquitetura revisada. Além disso, a ênfase será no combate colaborativo. No entanto, nada foi dito sobre o sistema de visão distribuída "IronVision" do grupo israelense Elbit Systems, que foi avaliado durante o programa "Streetfighter II".

Do lado mecânico, o Challenger 3 terá motor e suspensão aprimorados, com novo sistema de refrigeração. O Ministério da Defesa Britânico (MoD) especifica que ele será capaz de dirigir à velocidade máxima de 60 milhas por hora (ou seja, 96km/h).


A comunicação britânica em torno do Challenger 3 não ocorre pela metade. Será "o tanque mais letal da Europa", garante o Ministério da Defesa, enquanto apenas 148 exemplares serão encomendados.

O Exército Britânico espera receber seus primeiros Challenger 3 em 2027, com o objetivo de pronunciar sua capacidade operacional total até 2030. Mas eles não devem permanecer em muito tempo em serviço, porquanto sua retirada já foi anunciada para... 2040, ou seja, quando o MGCS (Main Ground Combat System), atualmente desenvolvido no âmbito da cooperação franco-alemã, for concluído.

Além disso, o Exército britânico não esconde suas intenções. O Challenger 3 "fornecerá oportunidades de exportação e apoiará o os argumentos da participação do Reino Unido em qualquer futuro programa internacional de tanques", disse o comunicado.

No entanto, sabemos que Berlim está discutindo com Londres sobre o MGCS. Se ainda é muito cedo para pensar nisso, uma possível participação britânica neste programa poderia colocar em causa o equilíbrio industrial entre a França e a Alemanha.


Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:


FOTO: Brigada Franco-Alemã, 22 de janeiro de 2020.

FOTO: Furão no Golfo, 26 de setembro de 2020.

FOTO: BTR-80A e M2 Bradley na Lituânia20 de fevereiro de 2020.

FOTO: Hora do chá, 3 de março de 2021.


quarta-feira, 3 de março de 2021

FOTO: Hora do chá

A capelã militar pausa para a hora do chá com um tripulante de um Challenger 2, 23 de setembro de 2018.

A Capelã Regimental do Royal Wessex Yeomanry participa do chá da tarde com um reservista em cima do seu blindado Challenger 2, durante um intervalo em um exercício de treinamento na Área de Treinamento da Planície de Salisbury, 23 de setembro de 2018.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


FOTO: Furão no Golfo, 26 de setembro de 2020.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

LIVRO: A mudança da Guarda - O Exército Britânico na Guerra ao Terror

Corações e mentes... um jovem atira uma pedra contra soldados britânicos durante um protesto violento de candidatos a emprego em Basra, março de 2004. (Atef Hassan / Reuters)

Por Jason Burke, The Guardian, 10 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de fevereiro de 2021.

The Changing of the Guard: The British Army Since 9/11, de Simon Akam - a verdade sobre o exército britânico. Uma investigação rigorosa expõe uma instituição com capacidade limitada de mudança - o que significa que as coisas dão muito errado no campo de batalha.

Na Grã-Bretanha, o exército é uma das poucas instituições às quais é quase impossível submeter-se a críticas sérias sem provocar indignação. Uma razão é que qualquer pessoa que levantar a possibilidade de que não seja um campeão mundial corre o risco de acusações de serem antipatrióticos e desrespeitosos para com os bravos homens e mulheres que colocam suas vidas em risco para nos manter seguros.

Outra razão, que o autor Simon Akam explora detalhadamente em seu excelente e valioso livro, é que o exército britânico fez grandes e muitas vezes eficazes esforços para encerrar qualquer crítica, construtiva ou não. A publicação do livro foi repleta de dificuldades à medida que o establishment militar cerrou fileiras. (A editora original foi a Penguin Random House, que colocou o livro em espera, dizendo a Akam que havia um “nível sem precedentes de retirada de apoio e cooperação de fontes múltiplas ao livro”). Isso por si só já ajuda a substanciar a poderosa acusação do autor de que o exército, uma instituição reflexivamente defensiva, instintivamente conservadora e opaca, tem capacidade limitada de adaptação às mudanças, sejam militares, sociais ou políticas. E isso significa que as coisas dão errado.

Nem tudo o que deu tão errado no Iraque e no Afeganistão pode ser convenientemente atribuído aos políticos ou aos mesquinhos mandarins do Tesouro. Como mostra Akam, os oficiais superiores cometeram graves erros de julgamento. Alguns podem ter ficado traumatizados ou exaustos, mas outros podem simplesmente não ter sido particularmente competentes. Há muito material aqui sobre as rivalidades pessoais entre o número relativamente pequeno de soldados seniores do exército relativamente pequeno da Grã-Bretanha.

A narrativa densa e detalhada do livro começa em 2002 com um veterano especialista dando uma exibição virtuosa da guerra blindada em um campo de treinamento canadense. Ele recebe elogios generalizados de seus oficiais superiores, embora este tipo de combate seja inadequado para as guerras que seus companheiros de armas estão prestes a travar - e apesar do uniforme de oficial nazista que ele está usando por baixo do britânico.

Mas isso aparentemente está bem no exército britânico, no alvorecer do novo milênio. Akam nos leva para os quartéis e bases na Alemanha às vésperas da guerra do Iraque. Há oficiais chiques que só bebem champanhe Pol Roger, sessões de cerveja "beba até morrer" para outras patentes, rituais terríveis para humilhar novos recrutas, uma hierarquia inflexível, esnobismo e quase ninguém que tenha realmente lutado. Akam aponta que, ao contrário de quase todas as outras profissões, os soldados podem passar décadas treinando sem realmente fazer o que foram treinados para fazer: combate.


E assim, para a derrocada do exército britânico no Iraque, que veio depois de anos de soldados de alta patente dizendo a jornalistas, políticos e todos os outros que eles enfaticamente não eram como os americanos, porque o Reino Unido tinha visto conflitos de baixa intensidade na Irlanda do Norte, no Iêmen e na Malásia e dessa forma entendiam como “ganhar corações e mentes”. Quando eu estava relatando o conflito, acompanhei patrulhas na cidade de Basra, no sul do Iraque, dadas aos britânicos por planejadores americanos enquanto se dirigiam para o norte, para Bagdá. Os soldados usavam boinas, não capacetes, e eram liderados por sargentos berrando “Salaam alaikum” em fortes sotaques regionais para moradores locais desconcertados.

Dirigi até uma pequena cidade chamada Majar al-Kabir onde, poucos meses após a invasão de 2003, seis policiais militares britânicos em uma missão de treinamento foram linchados. Eu ouvi o que as pessoas tinham a dizer sobre os assassinatos, e ficou claro que a confiança do exército britânico em seu suposto know-how estava totalmente equivocada. No final, os EUA tiveram que intervir. Akam também fez um trabalho minucioso nos alegados abusos cometidos pelas tropas britânicas durante o conflito.

No Afeganistão, a partir de 2006, uma série de outras deficiências foram reveladas. Nunca houve tropas suficientes, nem helicópteros, nem o equipamento adequado. Uma política de rotações de seis meses para as unidades promoveu rivalidades e descontinuidades dramáticas. As cadeias de comando eram incrivelmente complexas. "Pornô de guerra" filmado em smartphones de soldados durante o combate não foi apenas tolerado, mas ativamente disseminado por oficiais, enquanto dezenas de livros cheios de histórias de coragem em batalha foram apoiados por oficiais superiores. Essa cultura de violência de vídeo game e uma perseguição frenética por medalhas tornaram-se o pivô para uma estratégia menos “cinética” muito difícil de executar quando os comandantes decidiram que uma mudança de abordagem era necessária. No Afeganistão, como no Iraque, os militares americanos vieram para terminar trabalhos que os britânicos não conseguiram. Quando as guerras no Iraque e Afeganistão terminaram, houve grandes inquéritos públicos que receberam muita atenção, mas quase nenhum escrutínio sério ou sanção para os soldados de alta patente.

Este é um livro longo. Existem capítulos de investigação útil e rigorosa de alegados abusos cometidos por tropas britânicas em ambos os teatros, e isso pode ter explicado a ira de alguns entrevistados. É impressionante que Akam tenha se dado ao trabalho de entrevistar prostitutas sobre os soldados britânicos assustados que vinham até elas para conversar com tanta frequência quanto para fazer sexo na véspera da guerra do Iraque. O detalhe muitas vezes contribui para episódios individuais emocionantes, mas às vezes obscurece o argumento geral e a narrativa.

Seria injusto esperar mais análises ou relatórios do contexto mais amplo da intervenção britânica no Iraque ou no Afeganistão em uma obra que levou cinco anos para ser escrita. Mas sem ela, o fator mais importante para o sucesso ou fracasso - a política local e regional - é subestimado. Em ambas as guerras, o autoproclamado “melhor pequeno exército do mundo” foi apenas um ator secundário e teve um impacto limitado. Esta é outra verdade amarga que muitos soldados de alta patente têm dificuldade em aceitar. Nisso, pelo menos, o exército é um representante do país pelo qual luta.


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

terça-feira, 15 de dezembro de 2020

FOTO: Assalto aeromóvel a um trem

Imagem rara mostrando operadores do JW GROM e SAS durante um assalto helitransportado em um trem, durante um exercício de treinamento conjunto, início da década de 1990.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

COMENTÁRIO: Uma cultura de apatia e desonestidade dentro do Exército Britânico


Por James Burton, Wavellroom, 9 de dezembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de dezembro de 2020.

[Nota: As opiniões expressas nesse artigo pertencem ao seu autor e não representam, necessariamente, as opiniões do Warfare Blog.]

Escrevo este artigo de opinião a partir de uma posição de fortuna - tenho sorte de estar em um emprego onde trabalho e lidero cerca de cem jovens soldados do Exército Britânico. Esta oportunidade é empolgante e fascinante, no entanto, estou perfeitamente ciente de que faço parte de um sistema que está falhando. Vou passar dois anos pedindo a eles que treinem e potencialmente entrem em guerra com equipamentos que, na melhor das hipóteses, foram adquiridos antes de eu nascer e, na pior das hipóteses, foram adquiridos antes do nascimento de meus pais. Embora isso represente uma manifestação física de uma questão mais ampla, o Exército Britânico se tornou uma organização na qual a atividade, limitada por slogans de adesivos de pára-choque, tem primazia sobre os resultados e efeitos que, por sua vez, gerou uma "lacuna entre dizer e fazer" que está paralisando sua eficácia.

Este artigo tentará explicar por que o Exército Britânico tem uma "lacuna entre dizer e fazer". Por que, quando nossa alta liderança diz que algo é importante, isso é enfrentado por uma incapacidade de cumprir? A lacuna "lacuna entre dizer e fazer" é claramente evidente em como adquirimos "coisas", mas talvez seja mais importante na forma como tratamos nosso povo - ambos serão explorados.


A linguagem do absurdo

Em muitos aspectos, é surpreendente que 53% da população do Reino Unido acredite que o Exército Britânico é "inovador" e "líder mundial", mas talvez nem tanto quando um número tão elevado declara desinteresse por questões militares.[1] No entanto, essa narrativa de ser líder mundial e inovador não é ajudada pela linguagem de mudança do Exército, a qual se tornou cada vez mais impenetrável.[2] O impacto dessa linguagem desconcertante é composto por "presentismo militar" e uma cultura que parece cada vez mais modista em seu tom.[3] Tudo não pode ser adaptativo, inovador, transformador e modernizado... e isso antes de entrarmos nas mudanças de jogo, pivôs inteligentes e tiros para a Lua, ou os conceitos abstratos de vantagem da informação, manobra de informação e guerra de protótipos. Esses chavões de mudança se tornaram uma seleção suspensa nos discursos de nossas altas lideranças, com quase todas as comunicações internas e externas polvilhadas com essa linguagem sem sentido. [4]

[1] YouGov British Army Reputation Tracker Wave8 e MOD e pesquisas de reputação das Forças Armadas entre 2015-2020. Acessado em 15 de julho de 2020.
[2] O Major General Copinger-Symes demonstrando o que acontece quando a linguagem militar encontra a mídia social (link), não obstante, o discurso completo levantou alguns pontos úteis para o projeto de transformação da Defense Digital. (Transcrição completa aqui)
[3] Paul Barnes, ‘NEOPHILIA, PRESENTISM, AND THEIR DELETERIOUS CONSEQUENCES FOR WESTERN MILITARY STRATEGY’ maio de 2020, link.
[4] A robótica do Exército recebeu um aumento de £ 66 milhões, Gov.UK, 5 de março de 2019, link.

Por que isso é um problema? Porque estamos perdendo, e em alguns casos perdemos, a capacidade de comunicar nossa mensagem aos nossos senhores políticos, ao público a quem servimos e à nossa própria equipe. Precisamos ser claros sobre os problemas e ameaças e, se não tivermos credibilidade nessas mensagens, não devemos nos surpreender quando o público-chave simplesmente não entende. Essa linguagem impenetrável é uma barreira, não apenas para a compreensão, mas também para o debate - como podemos esperar que as pessoas discutam, critiquem e desenvolvam essas abordagens se elas nunca são claramente articuladas por aqueles que as defendem, ou entendidas por aqueles que precisam implementá-las? A linguagem do absurdo se tornou nossa cultura e parece que o Exército Britânico atingiu o "pico da besteira",[5] um momento em que a narrativa supera os resultados eficazes. A maior besteira para o Exército é um amálgama de conceitos mal definidos, em que os limites da pós-verdade e das notícias falsas são tão aplicáveis ​​à nossa narrativa quanto à negação russa de atividade. Como um relatório de 2015 sobre a cultura do Exército dos EUA descobriu, "o engano que ocorre na profissão das armas é encorajado" e o Exército Britânico não é diferente.[6]

[5] Evan Davis, ‘Post Truth’, pg. xv.
[6] Wong, Leonard, and Stephen J. Gerras. Relatório. Strategic Studies Institute, US Army War College, 2015 (link). Acessado em 24 de outubro de 2020.

Desonestidade intelectual

O Exército Britânico tem sido fortemente criticado por sua aquisição de veículos blindados. A recente audiência do Comitê de Defesa Selecionada (Defence Select Committee) sobre esta questão foi esclarecedora.[7] Embora seja difícil escapar da "idade crescente e obsolescência" de muitos tipos de equipamentos centrais - observando que estamos passando do status clássico para antigo para alguns recursos - o comitê tentou entenda o porquê.[8] Por que é que, com um orçamento de tanto, recebemos tão pouco?[9] A audiência do comitê não foi esclarecedora por causa das respostas oferecidas, mais ainda por causa da preponderância de linguagem evasiva para se infiltrar em respostas deliberadamente ofuscadas. Era quase como se ninguém fosse o responsável e ninguém tivesse tomado a decisão de assumir o problema de que tanto falamos.

[7] O Comitê de Defesa examina projetos de veículos blindados do Exército Britânico, Parlamento do Reino Unido, 15 de outubro de 2020, link.
[8] Ibid.
[9] Gastos militares do Reino Unido/Orçamento de defesa 1960-2020, Macrotrends, link.

O inquérito Chilcott 2016, que avaliou a decisão do Reino Unido de intervir no Iraque, dirigiu críticas significativas ao Exército Britânico pela decisão de continuar usando Snatch Land Rovers 20 anos atrás em face de uma "ameaça clara e crescente de dispositivos explosivos improvisados".[10] Tinha sido lento, e continua a ser, em compreender as lições e agir de acordo com elas. Lições do conflito na Ucrânia e do recente conflito do Nagorno-Karabakh demonstram que a proliferação de sensores e sistemas de armas interligados, guiados por um sistema de comando bem integrado, reduziu a capacidade de sobrevivência de pessoas e veículos no campo de batalha moderno. A eficácia dessas combinações, filmadas e editadas em clipes de mídia social, demonstrou uma humilhação pública das Forças Armadas da Armênia em tempo real ou quase em tempo real. De forma alarmante, a Armênia, operando perto de seus limites, tem lutado e às vezes foi totalmente derrotada. As táticas, técnicas e procedimentos do Exército Britânico podem ter corrido de alguma forma para corrigir esses problemas, no entanto, seu equipamento envelhecido e obsoleto, juntamente com os indivíduos que os tripulam, estariam em risco significativo. O que é mais preocupante é que as potenciais lições que estão sendo discutidas do conflito do Nagorno-Karabakh deste ano não são novas - elas foram identificadas em 2014 na Ucrânia, usadas em todo o Oriente Médio repetidamente desde então e, agora tendo sido aprimoradas, são mais eficazes do que nunca.

[10] Ben Farmer, ‘Chilcot: MoD and Army too slow on Snatch Land Rovers’, The Daily Telegraph, 17 de junho de 2016, link.

Challenger II desembarcando em Camp Lejeune, NC de um LCU MK10 durante o exercício Aurora 2004.

Nossas plataformas atuais, nem as que entrarão em serviço na próxima década, irão alterar esse dilema de sobrevivência de uma maneira completa. Vender este desafio para meus soldados não é um desafio de liderança, é um desafio moral. O Dr. Jack Watling educadamente sugere que "há uma tendência para os soldados ocidentais rejeitarem o que pode ser aprendido com esses incidentes".[11] Eu iria mais longe e sugeriria que há um nível substancial de arrogância nesta organização, que ignora os fatos com uma presunção de que a competência tática superará a proficiência técnica. Esta é uma suposição perigosa.[12]

[11] Jack Watling, 'The Key to Armenia's Tank Loss: The Sensors, Not the Shooters', RUSI Defense Systems, link.
[12] Ibid.

Como observou recentemente o Prof. Peter Roberts do RUSI (Royal United Services Institute), é raro encontrar alguém na linha de negócios de compras que não esteja "se esforçando para tentar fazer tudo funcionar". Então, onde está dando errado?[13] Desonestidade intelectual do problema é central. A Defesa, e o Exército em particular, prefeririam lançar outra iniciativa para tentar contornar esse processo, em vez de tentar reformar o processo de aquisições e desenvolvê-lo. Seja o Fundo de Transformação da Defesa (Defense Transformation Fund),[14] ou o Fundo de Inovação da Defesa (Defense Innovation Fund),[15] A defesa tem demência nos negócios, ignorando ou esquecendo os problemas reais e tentando estabelecer ainda mais iniciativas que tentam fazer as coisas "de maneira diferente" com pouco ou nenhum foco no núcleo problema. As iniciativas acima, complementadas por atividades admiráveis, como o Experimento de Combate do Exército (Army Warfighting Experiment) ou o financiamento de Inovação e Experimentação do Comandante de Campo do Exército (Commander Field Army’s Innovation & Experimentation) geram atividade, mas não resolvem o problema central sobre como adquirimos "coisas" de maneira oportuna e eficaz. Temos uma cultura em que preferimos arriscar a vida de nossos soldados do que tomar decisões difíceis na aquisição, evitando desafiar o processo e os procedimentos que envolvem essas questões. Há uma percepção de que ninguém tem a capacidade de decidir - com aprovações, comitês, programas e governança de projetos - as responsabilidades são ainda mais ofuscadas, sufocando qualquer oportunidade de adaptação no ritmo ou responsabilização das pessoas. As opções são avaliadas quanto ao risco de fazer algo, ignorando o fato de que o risco de não fazer nada muitas vezes é igualmente significativo. Não é apenas que essa "aversão ao risco está nos exaurindo", mas também alterando nossa capacidade de tomar decisões, gerando uma cultura em que fazer a coisa mais fácil, em vez de fazer a coisa certa, é tão frequentemente escolhida.[16]

[13] Western Way of War: Bad Procurement: A Peculiarly Western Issue? Uma conversa entre o Prof Peter Roberts e o Prof John Louth, podcasts do RUSI, terça-feira, 22 de outubro de 2020, link.
[14] Mobilising, Modernising & Transforming Defence, um relatório sobre o Programa de Modernização da Defesa, link.
[15] Advantage through Innovation The Defence Innovation Initiative, link.
[16] Digital Disruption: Discurso do Major General Copinger-Syme na Conferência Inaugural do Comando Estratégico do Reino Unido no RUSI, link.

Prédio do Quartel-General do Exército Britânico em Londres.

Há uma ironia no fato de que as governanças comercial e outras usadas para garantir valor para o dinheiro dos contribuintes impulsiona tais incentivos perversos que vêem o processo como rei. Por que o Quartel-General do Exército é tão grande? Em parte porque muitas vezes o pessoal do processo é priorizado em relação ao pessoal dos cargos que oferecem qualquer oportunidade real de promover mudanças significativas. Este é um desafio de liderança, mas é marcado por uma cultura que nunca apoiou e aparentemente nunca apoiará pensadores disruptivos ou aqueles com um dom para cumprir. O programa CASTLE tem aspirações louváveis e procura identificar como desenvolvemos e empregamos o nosso pessoal corretamente, tanto para maximizar o seu potencial como para resolver os problemas acima mencionados. Precisamos ser melhores em nossos empregos e o ciclo interminável de empregar amadores talentosos evidentemente não é mais adequado. Ironicamente, mesmo o Programa CASTLE, com apoio direto do topo e em seu terceiro ano, ainda está lutando para implementar algo significativo, e certamente nada que possa diminuir a indecisão crônica no centro de como o Exército Britânico gasta seu dinheiro.

A lacuna entre dizer e fazer

É um clichê dizer que nosso ativo mais importante é nosso pessoal.[17] Um cínico diria que um general não pode falar com um tanque, portanto, é claro que dirá que o "soldado britânico é o melhor equipamento que temos", no entanto, é claro que temos uma "lacuna entre dizer e fazer"... quando as ações não correspondem às palavras, o que por sua vez 'corrói a confiança e a credibilidade' em todos os níveis.[18] O anúncio de 2018 de que as mulheres poderiam se juntar a todas as armas do Exército Britânico foi uma mensagem muito direta e clara de que não apenas apreciamos a igualdade, mas entendemos que as mulheres tornam nossas forças de combate "mais eficazes".[19] Com isso em mente, parece estranho que as mulheres no Exército Britânico ainda não tenham uniforme adequado para elas.[20] O impacto real de fazer as mulheres usarem roupas masculinas pode ser discutível, o "e daí" de não ter um colete de armadura corporal que sirva os corpos das mulheres não. Isso demonstra diretamente que não nos importamos o suficiente. Se nós, como organização, acreditamos nessa mensagem, por que ela não é sustentada por dinheiro e ação? Mensagens claras como esta foram enfrentadas por inação e uma clara incapacidade de entrega e são, portanto, um indicador chave de que o Exército Britânico tem um problema cultural. Isso pode, deveria e deve ser tratado por meio de ações diretas de liderança.

Soldados britânicas com armadura corporal para o biotipo masculino.

[17] In Front, The British Army Newsletter, Vol 3, link.
[18] Mary Foster ‘Relationship Matter. Don’t be a turkey’, outubro de 2020. War Room, US Army War College.
[19] General Patrick Sanders, Comandante do Exército de Campo (Field Army) em 2018.
[20] Kate,’Let’s talk about sex’, 13 de setembro de 2020, link.

Conclusões

O mundo interconectado permite que nosso soldado mais jovem, até nossos generais mais antigos, a oportunidade de se comunicarem com um público cada vez maior, em uma variedade de plataformas. Central para a comunicação é a linguagem - ela deve ser clara, concisa e, o mais importante, devemos entendê-la nós mesmos. Temos um problema cultural em que não estamos dispostos a abordar e enfrentar os problemas reais - esse é o verdadeiro desafio de liderança da nossa geração. Devemos ter clareza sobre os desafios que enfrentamos e nossos planos para enfrentá-los - esses desafios e planos devem ser concisos e devem ser compreendidos. Um foco implacável sobre esses desafios deve ocorrer - eles não podem ser redefinidos, reorientados ou reescritos no capricho de nossos processos ou, como tantas vezes é o caso, de nossos ciclos de postagem. Foi-nos oferecida uma verdadeira "oportunidade de ouro" para realizar uma mudança significativa com o último aumento do anúncio de financiamento, mas devemos nos responsabilizar e a única maneira de fazer isso é parar de confundir a atividade com obter resultados e efeitos adequados.[21] Habilidades relevantes, em todas as áreas críticas de Pessoas, Processos e Tecnologia, serão a chave para o caminho à frente.[22] Resolver este desafio exigirá uma direção compreensível e firme, e até que essa linguagem absurda pare é muito difícil ver como essa cultura de apatia e a desonestidade dentro do Exército Britânico jamais mudará.

[21] Boris Johnson's historic spending increase is a golden opportunity for UK defence, The Telegraph, link.
[22] The British Army’s CIO on the Internet of Things, “Buzzword Bingo”, and True Digital Transformation, link.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


Garands a Serviço do Rei, 18 de abril de 2020.