quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Soldados pacificadores da ONU investigam surto na fronteira Israel-Líbano

Soldados israelenses perto de obuseiros de artilharia posicionados perto da fronteira libanesa no norte de Israel, em 26 de agosto de 2020. (David Cohen/ Flash90)

Por Judah Ari Gross, The Times of Israel, 26 de agosto de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de setembro de 2020.

O exército libanês diz que os locais bombardeados pelas FDI depois que as tropas foram atacadas pertencem ao "Verde Sem Fronteiras", um grupo ambientalista há muito visto como uma frente do Hezbollah.

A força de paz das Nações Unidas no Líbano, UNIFIL, anunciou na quarta-feira que estava lançando uma investigação sobre uma aparente troca de tiros entre as Forças de Defesa de Israel (FDI) e o grupo terrorista Hezbollah ao longo da fronteira israelense-libanesa na noite anterior.

“Eu lancei uma investigação urgente e peço a ambas as partes que cooperem totalmente com a UNIFIL para ajudar a determinar os fatos”, disse o comandante da UNIFIL, Major-General Stefano Del Col, em um comunicado.

O Major-General Stefano Del Col, do Exército Italiano, cumprimenta o presidente libanês Michel Aoun, 9 de agosto de 2018.

De acordo com a investigação inicial das FDI sobre o incidente, às 22:40h na terça-feira, snipers do Hezbollah dispararam dois tiros com uma arma de portátil contra as tropas da inteligência de combate que operavam perto da comunidade israelense de Manara, perto da fronteira com o Líbano. Os tiros, disparados de 200-300 metros de distância, erraram o alvo, atingindo um objeto próximo.

Em resposta, a artilharia israelense disparou uma série de foguetes iluminativos e granadas de fumaça enquanto as tropas vasculhavam a área em busca de possíveis violações na fronteira. Pouco tempo depois, um avião israelense bombardeou vários postos de observação do Hezbollah perto da fronteira, disseram os militares.

O que pareciam ser os primeiros ataques aéreos israelenses contra alvos do Hezbollah dentro do Líbano desde a Segunda Guerra do Líbano em 2006 tinham o objetivo de indicar ao grupo terrorista que as FDI reagiriam com mais força aos ataques do que têm feito até agora, embora também não respondam tão agressivamente que o Hezbollah seria forçado a retaliar e arriscar uma guerra total.

Os obuses das FDI disparam foguetes iluminativos e granadas de fumaça perto da fronteira com o Líbano em 26 de agosto de 2020. (David Cohen/ Flash90)

“A situação ao longo da Linha Azul voltou a se acalmar e a UNIFIL mantém presença contínua na área em coordenação com as partes”, segundo a UNIFIL.

Em resposta ao ataque dos snipers, o Embaixador de Israel nas Nações Unidas, Gilad Erdan, apresentou um pedido ao Conselho de Segurança da ONU para fortalecer o mandato da UNIFIL, permitindo-lhe aplicar de forma mais eficaz a Resolução 1701 do Conselho de Segurança da ONU, que encerrou a Segunda Guerra do Líbano de 2006 e exigiu que todos os grupos armados, além das forças armadas libanesas, permanecem ao norte do rio Litani. Sob seu mandato atual, a UNIFIL não pode entrar em propriedades privadas sem permissão, o que Erdan disse que torna a força de paz "castrada", já que não é capaz de garantir que o Hezbollah não esteja acumulando armas e forças em casas e terras privadas.

Em seu pedido, Erdan incluiu um mapa do sul do Líbano marcado com locais onde o Hezbollah disparou mísseis guiados antitanque e construiu túneis de ataque transfronteiriços, bem como instalações "Verdes sem Fronteiras" (Green Without Borders, GWB) e áreas onde a UNIFIL foi impedida de inspecionar .

Verdes sem Fronteiras" é um grupo ambiental que há muito tempo é suspeito de ser uma fachada para o braço militar do Hezbollah.

Um mapa das supostas atividades do Hezbollah no sul do Líbano apresentado ao Conselho de Segurança das Nações Unidas pela delegação israelense à ONU em 26 de agosto de 2020, após um ataque do grupo terrorista ao longo da fronteira. (Israel na ONU)

A troca de terça à noite ocorreu em meio a tensões persistentes ao longo da fronteira depois que o Hezbollah no mês passado jurou vingança pela morte de um de seus combatentes em um ataque aéreo fora de Damasco, em 20 de julho, que foi amplamente atribuído a Israel.

Na noite de quarta-feira, as FDI disseram que estavam em alerta máximo após o confronto de fronteira com o Hezbollah.

Na noite de quarta-feira, o Hezbollah não havia comentado sobre o relato do seu ataque de snipers contra as tropas das FDI ou sobre a retaliação israelense. Os analistas de defesa israelenses viram aquele silêncio como uma indicação de que o grupo terrorista não considerou a conta encerrada e planejava realizar novos ataques ao longo da fronteira.

As Forças Armadas Libanesas identificaram alguns dos alvos dos ataques aéreos israelenses como pertencentes ao “Verdes sem Fronteiras”. 

Danos causados no sul do Líbano por um ataque israelense em resposta a um ataque de snipers do Hezbollah ao longo da fronteira em 26 de agosto de 2020. (Forças Armadas Libanesas)

“Helicópteros pertencentes ao inimigo israelense visaram centros do grupo ambientalista 'Verdes sem Fronteiras' dentro dos territórios libaneses, lançando 3 foguetes que visaram a área periférica de Ramya e 8 mísseis que caíram nas cercanias fora da cidade de Aita al-Sha'ab”, disseram as forças armadas libanesas na quarta-feira.

As Forças Armadas Libanesas também disseram que as FDI tinham como alvo um local dos "Verdes Sem Fronteiras" perto de Aitaroun, o que levou a um incêndio na área.

O bombardeio parecia ser o primeiro ataque aéreo israelense contra alvos do Hezbollah dentro do Líbano desde 2006, em meio a tensões crescentes ao longo da fronteira mal delimitada.

Israel há muito acusa os Verdes Sem Fronteiras de servirem como fachada para a ala militar do Hezbollah, construindo postos de observação perto da fronteira que são usados pelos membros do grupo e plantando árvores em locais estratégicos para bloquear câmeras de vigilância israelenses. Embora as Nações Unidas e a UNIFIL não tenham confirmado uma ligação direta entre as duas organizações, eles reconheceram alguma conexão entre elas, incluindo o fato de que um ataque contra Israel pelo grupo terrorista em setembro passado foi aparentemente lançado de um local da GWB no sul do Líbano.

A força de manutenção da paz disse que as FDI informaram que "houve fogo de armas portáteis partindo do Líbano dirigido contra uma patrulha das FDI na área geral de Manara".

Além disso, a UNIFIL disse que seus radares “também detectaram morteiros e projéteis de artilharia, principalmente fumígenos, bem como atividades intensas de UAV” perto da fronteira.

Os restos de um foguete sinalizador israelense que caiu no sul do Líbano após um ataque de snipers do Hezbollah ao longo da fronteira em 26 de agosto de 2020. (Forças Armadas Libanesas)

Os militares libaneses disseram que Israel lançou 117 projéteis sinalizadores e cerca de 100 obuses, alguns deles explosivos e o resto para cortinas de fumaça ao longo da fronteira libanesa. Algumas das granadas, além de provocarem incêndios em florestas da região, causaram danos materiais a uma casa e a um galpão de cabras, segundo as Forças Armadas Libanesas.

As FDI reconheceram disparar dezenas de projéteis de artilharia contra o sul do Líbano tais como sinalizadores e cortinas de fumaça. 

“[Comandante da UNIFIL] Del Col permanece em contato com as partes, pedindo moderação e solicitando que todos os lados evitem qualquer ação provocativa que poderia aumentar ainda mais as tensões e colocar em risco o fim das hostilidades”, disse a UNIFIL.

O chefe do Estado-Maior das IDF, Aviv Kohavi, visitou o Comando do Norte na quarta-feira para discutir a troca de tiros com o Hezbollah, disseram as forças armadas.

Durante a visita, Kohavi se encontrou com o chefe do Comando do Norte das FDI, Major General Amir Baram, e o comandante da Divisão da Galiléia, Brig. Gen. Shlomi Binder, bem como outros oficiais da área. Eles discutiram o que ocorreu durante o confronto, bem como “outros acontecimentos na região norte e a preparação para possíveis cenários”, disse as FDI.

“O chefe do estado-maior ficou impressionado com as capacidades operacionais e de inteligência das tropas em campanha e elogiou o nível de prontidão das tropas”, disseram as forças armadas.

O chefe do Estado-Maior das FDI, Aviv Kohavi, à esquerda, fala com o chefe do Comando do Norte, Major-General Amir Baram (centro-direita), e comandante da Divisão da Galiléia, Brigadeiro-General Shlomi Binder (à direita), na sede do Comando do Norte em Safed em 26 de agosto de 2020. (Forças de Defesa de Israel)

A troca de terça à noite não foi o primeiro incidente ao longo da fronteira libanesa após a morte de um agente do Hezbollah em 20 de julho.

Em 27 de julho, as FDI disseram que frustraram um aparente ataque de snipers do Hezbollah, levando os terroristas de volta à fronteira antes que pudessem abrir fogo contra as tropas israelenses. Nas semanas que se seguiram, os militares também disseram que impediram pelo menos uma outra infiltração e derrubaram um drone do Hezbollah que vôou do Líbano para o território israelense.

Depois de inicialmente se preparar para uma retaliação do Hezbollah com o envio de tropas adicionais ao longo da fronteira, as FDI começaram a reduzir seus reforços após a explosão massiva no porto de Beirute no início deste mês. Os militares acreditavam que o grupo terrorista - um grande mediador de poder na política libanesa - concentraria sua energia nas questões internas do Líbano, em vez de buscar vingança contra Israel, embora o Hezbollah sustentasse que sua retaliação ainda estava por vir.

O confronto da noite de terça-feira também aconteceu exatamente um ano depois que as FDI mataram dois membros do Hezbollah em um ataque aéreo a uma instalação controlada pelo Irã na Síria, que os militares disseram ter sido usada para lançar ataques contra Israel com drones carregados de explosivos.

Em resposta às mortes de dois agentes do Hezbollah, o grupo terrorista conduziu um ataque com mísseis guiados antitanque contra alvos militares israelenses uma semana depois. Um míssil errou por pouco uma ambulância blindada das FDI com cinco soldados dentro.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

As IDF criam comitê para pesar medalha para as tropas que lutaram no sul do Líbano9 de julho de 2020.

Mais de 60.000 assinam petição para a França assumir o controle do Líbano30 de agosto de 2020.

Unidade multidimensional "Ghost" das IDF completa o primeiro exercício19 de agosto de 2020.

Dez milhões de dólares por miliciano: A crise do modelo ocidental de guerra limitada de alta tecnologia23 de julho de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário