domingo, 24 de maio de 2020

FOTO: Poloneses bêbados dando uma volta de tanque

T-55 do exército polonês dirigido por dois poloneses bêbados em 2019.

Em 13 de junho de 2019, dois poloneses bêbados roubaram um T-55 do exército polonês e saíram dirigindo na cidade de Pahenchno.



Leitura recomendada:

O tanque britânico Streetfighter II tem visão de raios X e tem tudo a ver com a luta urbana, 14 de maio de 2020.

As forças de tanques da Rússia tiveram um despertar muito rude na Síria7 de fevereiro de 2020.

Uma avaliação francesa do tanque Panther30 de janeiro de 2020.

A China tem um novo tanque: eis o que sabemos sobre o Tipo 1516 de janeiro de 2020.

Tanques russos T-14 Armata estão sendo testados na Síria20 de abril de 2020.

Um tanque durão: por que o Leclerc da França é um dos melhores do planeta21 de fevereiro de 2020.

sábado, 23 de maio de 2020

TAIWAN NA ERA DO MACH 2. O Starfighter em ação!


Por Everton Pedroza.
O Lockheed F-104 Starfighter sempre foi um dos mais polêmicos aviões de caça de todos os tempos. Era polêmico tanto pela forma que foi vendido às nações amigas quanto pelo registro de acidentes e percepção insatisfatória sobre sua atuação no combate aéreo em vários conflitos. Mesmo relegado a segundo plano na USAF, após a Guerra do Vietnã, prestou serviço com alguns países até o início do século XXI. Mas, diferente de grande parte dos aviões de caça americanos que entraram em combate, o F-104 não se destacou por suas atuações em guerras no Oriente Médio: foi nos céus asiáticos que ele se destacou positiva e negativamente, reivindicando, inclusive, o possível abate de algumas poucas aeronaves adversárias sobre Paquistão e Taiwan, nos anos 1960. No caso Taiwanês, a última das dezenas de escaramuças entre aviões chineses e taiwaneses ocorreu em 1967, e foi marcada pelo embate entre caças supersônicos e por um mistério que perdura até os dias atuais.
Caças F-104G Starfighter.

O COMBATE ENTRE SUPERSÔNICOS: A "BATALHA AÉREA 113”
Os tambores de guerra ecoavam no início de 1967. Nove anos após uma série de embates ocorridos entre a ROCAF (Força Aérea da República da China, ou seja, Taiwan) e a PLAAF (Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China), cuja reedição dos embates entre F-86 e MiG-15 (1958) deixou um saldo de mais de uma dezena de aviões abatidos, a tensão entre ambos os países alcançou o ponto mais alto. Temendo um conflito militar, a força aérea taiwanesa intensificou os voos de reconhecimento, a fim de obter fotos da movimentação das tropas da China Continental. 
No dia 13 de janeiro de 1967, uma aeronave RF-104G da ROCAF, pilotada pela tenente-coronel Song Junhua, decolou do 12º SQN (Tao Yuan) para uma missão de reconhecimento na costa da província de Fujian, e rapidamente  “alarmou” uma notícia bastante indigesta: foi verificada a decolagem de dois grupos de 4 aeronaves  J-6 (versão chinesa do caça MiG-19), tendo como destino  o Estreito de Taiwan. Song acionou pós combustão e relatou ao controle de solo o fato de estar sendo perseguido por 2 caças adversários. Diante da performance das aeronaves da China Comunista, os taiwaneses decidiram contrapor a ameaça decolando com 4 de suas novas aeronaves Canadair F-104G “Starfighter”, armadas com mísseis AIM-9B Sidewinder e canhões M61 Vulcan.
Caça chinês J-6, versão local do MIG-19, empregado para interceptar o jato RF-104 de Taiwan.
Por volta das 12:40, 3 das 4 aeronaves decolaram da base aérea de Qingquangang, com uma delas (de matrícula 4344) tendo problemas de motor, vindo a decolar 1 minuto depois.  Após poucos minutos de voo sobre o mar, e com um controle de solo eficiente, os F-104 taiwaneses foram colocados em posição vantajosa, imediatamente atrás de uma das formações com 4 Shenyang J-6. As aeronaves taiwanesas encontraram as chinesas sobre ilha de kinmen (Estreito de Taiwan), onde deu-se início a um combate “dogfight” entre alguns jatos de ambos os “pacotes”. Tomando a iniciativa da batalha, o Ten Cel Xiao Yamin (F-104 #4341) viu um J-6 na mira, mas não conseguiu liberar a trava de segurança do míssil, na hora do disparo. Foi então que o seu ala, o Maj. Shih-lin Hu (F-104G matrícula 4347) “travou” o mesmo J-6 e disparou um míssil AIM-9B, destruindo-o rapidamente. Outro J-6 do grupo logo fez uma manobra de mergulho, tentando escapar dos starfighters, no momento em que Shih-lin Hu iniciou sua perseguição, até vê-lo explodir no ar em sua frente, já com ambas as aeronaves em sobrevoo sobre o mar territorial da China continental. De acordo com a ROCAF, a segunda aeronave teria sido atingida por um míssil AIM-9B disparado pelo F-104G (matrícula 4344) do Cap.  Bei-puo Shi. Com os F-104 voando sobre o território inimigo, o controlador aéreo taiwanês “gritava” na fonia, pedindo o retorno dos 4 pilotos envolvidos na ação.
Aqui podemos ver Shi-Lin Hu e Bei Puo posam ao lado de um F-104G.
Com a formação dispersa, após a batalha aérea, os pilotos rapidamente curvaram suas aeronaves para retornar para suas respectivas bases. Foi então que o líder da missão, o Ten Cel Xiao Yamin pediu que todos os pilotos envolvidos na missão se identificassem via rádio e mantivessem voo a 7 mil pés de altura. Máquinas 1, 2, 3 e 4 a salvo... Porém, a transmissão da aeronave #3 foi interrompida após uma reação assustada (“Hey!”) do seu piloto. O F-104 de matrícula 4353 voado pelo Maj Yang Jingzong desapareceu, e Yang nunca mais foi visto. De acordo com Bei-puo, havia muitas nuvens acima do Estreito, naquele dia, o que poderia ter causado desorientação espacial, culminando num acidente com aeronave de Yang. A China não aceita essa versão, diz que nenhum dos seus J-6 foi perdido e que o F-104 em questão foi abatido por disparos de canhão, enquanto ambas as aeronaves adversárias estavam voando uma de frente para a outra. A tática de ‘’abordar o inimigo pela frente’’ era bastante comum para minimizar a vantagem que os adversários tinham em velocidade e aceleração. De acordo com os chineses, o piloto Hu Shougen, piloto da 24ª Divisão Aérea da PLAAF e o piloto #3 da formação chinesa, teria sido o responsável pelo abate, disparando 48 projéteis, com alguns deles acertando a cabine do F-104. Segundo algumas fontes da China continental, Yang chegou a lançar 2 AIM-9B, mas o Shougen conseguiu “heroicamente” escapar de ambos, ao mesmo tempo que disparava contra o Yang. Em 2002, um pesquisador independente visitou Shougen na China e lá obteve “provas” de que os pilotos Qiao Tianfu(#1), Ye Muyou (#2) , Cheng Guoliang (#4) e os outros 4 pilotos chineses da outra formação que voaram naquela missão estavam vivos. Shougen mostrou, inclusive, fotos de gun câmera (que seriam de seu J-6) captando o momento dos disparos. Porém, logo se constatou que o avião sendo abatido na foto era muito semelhante ao F-104C norte-americano abatido no Vietnã em Setembro de 1965. O Cap. Bei-puo Shi rechaça categoricamente as informações chinesas, ao dizer que “no momento da última transmissão de rádio de Yang (sugestionando estar  a salvo), os F-104 estavam retornando da missão, sem que ninguém relatasse a presença  de caças inimigos nas proximidades e que hipoteticamente ambas as aeronaves estariam voando na faixa dos 600 km/h, uma de frente para a outra , numa aproximação beirando os 1.200 km/h . Pelas distâncias e velocidades nas quais ocorreram os outros combates do dia, o tempo que Shougen teria para atirar seria de 1.1 segundo. Não existe tática para agir em tão pouco tempo. O confronto entre as aeronaves adversárias, caso tivesse acontecido, seria muito curto para a ocorrência de um dogfight tão “dramático”, sem qualquer aviso de Yang’’.  Alguns pesquisadores independentes dizem que Yang pode ter sido abatido por Bei-puo por engano: como o F-104 número 4 atrasou na decolagem e possivelmente disparou um míssil (algo que não foi comprovado) num local onde haviam aeronaves hostis e amigas (tentando acertar um MiG), poderia ter atingido seu próprio colega, visto que a batalha aérea já poderia  estar encerrada, com os caças da PLAAF bem distantes. Bei-puo nega, alegando que seu avião estava à frente do avião de Yang, daí não poderia ter atirado para trás... Segundo Kelly Johnson, que foi um dos projetistas do F-104, os combates de 13 de janeiro de 1967, conhecidos como “A Batalha 113”, apontaram os pontos fracos e fortes da aeronave. “Podíamos manter aceleração forte e altitude constante, mas não podíamos manobrar com eles”, disse Kelly.
O piloto chinês hu Shougen posa ao lado do seu caça.

O FINAL DE CARREIRA.
Devidamente pintado com uma estrela vermelha do lado da cabine, O F-104 “4347” usado por Shih-Lin Hu foi perdido num acidente em 29 de abril de 1971: logo após a decolagem, o piloto relatou problemas e fez um pouso de emergência num campo de golfe. O F-104 4341 de Yamin sofreu um acidente com danos irreparáveis em 19 de julho de 1980. Já o F-104 “4344” utilizado por Bei-puo teve mais sorte: serviu até 12 de fevereiro de 1980 (após 4.635 horas de voo) e hoje encontra-se exposto na Academia de Pilotos da ROCAF , em Okayama, Taipei.
Dos 4 pilotos que participaram da missão, apenas  Bei-puo Shih continua vivo: Hu Shilin faleceu devido às complicações de um câncer e Xiao Yamin foi vítima de um acidente aéreo durante um treinamento em 1989: foi “queimado vivo” no assento traseiro de F-104 que pegou fogo enquanto estava aterrissando. Shi Beibo prestou serviços a ROCAF apenas por 10 anos, saindo da força aérea após várias violações de regras de conduta. Pouco tempo depois de ele “dar baixa”, começou a trabalhar como piloto-chefe na Fuxing Airlines, onde viu eclodir um protesto coletivo de pilotos contra os salários e condições de trabalho. Diante da desorganização do movimento e punição aos envolvidos, Bei-puo não quis retornar ao trabalho, vindo a se arrepender nos anos seguintes, devido à perda dos ótimos salários oferecidos a ele.
O F-104 de numero 4044 usado por Bei-puo está conservado na Academia de Pilotos de Taipei.
Em 27 de janeiro de 2017, passados 50 anos da batalha aérea contra a China (a última escaramuça entre os países que culminou num combate real), o Cap. Bei-puo foi condecorado, recebendo a “medalha de Defesa de Taiwan” do presidente taiwanês Ma Ying-jeou.
De acordo com a ROCAF, as vitórias de 13 de janeiro de 1967 foram as primeiras e únicas obtidas por caças F-104 em todo o mundo. Porém, a PAF (Força Aérea Paquistanesa) reivindica o abate de 2 Folland Gnat da IAF e 1 Mystère (Guerra de 1965), mas em relação aos abates de Gnat existem muitas controvérsias entre as reivindicações paquistanesas e a versão indiana. O F-104 encerrou sua carreira longa na força aérea taiwanesa em 22 de maio de 1998 e foi substituído pelos Mirage 2000-5. Durante os 38 anos de serviço, Taiwan operou 247 Starfighters, provenientes dos EUA, Canadá, Alemanha, Japão, Dinamarca e Bélgica, dos quais 114 aeronaves foram perdidas em acidentes que resultaram na morte de 62 pilotos.
Bei-puo e pres: Bei- Puo recebe medalha do presidente taiwanês em 2017.
Em relação a versão chinesa, devido às restrições de uso da internet, essa carece de fontes relatando os fatos ocorridos na ‘’Batalha 113’’. Poucos livros tratam do assunto.O que sabe-se é que a PLAAF celebra seus J-6 como ‘’aviões imbatíveis’’, que saíram do serviço ativo (2010) com uma folha de serviço sem manchas, no Vietnã e em escaramuças locais. Alegam que seus pilotos de J-6 abateram 26 aeronaves norte-americanas e taiwanesas sem qualquer perda. 
No caso nos combates entre China e Taiwan, existe um fator que atrapalha bastante a pesquisa de qualquer reivindicação, de ambos os lados: vários aviões atingidos acabam caindo no mar, e nunca mais são vistos. Se faltam algumas evidências materiais, o respeito que os chineses têm demonstrado pela ROCAF desde 1967, por si só, evidencia a qualidade e preparo dos pilotos  taiwaneses. Durante muitos anos, o bom treinamento dos pilotos da ilha era suficiente para ‘’igualar’’ a gigante, porém envelhecida e pouco eficaz PLAAF. Contudo, as coisas mudaram: a China hoje dispõe de uma economia que permite gastos militares muito superiores aos de Taiwan, e desenvolve equipamentos de ponta como caças de quinta geração e uma avançada gama de armas locais. A ROCAF, por sua vez, continua dependendo muito dos suprimentos e equipamentos provenientes do exterior. Talvez se um dia o hipotético (mas não impossível) cenário de uma China expansionista for real, Taiwan vai pagar o preço de lutar uma guerra desproporcional, caso não receba ajuda norte-americana.


COMENTÁRIO: Proteger o futuro do empreendimento das forças de operações especiais

O Cmdr. Keith Marinics, oficial comandante do Comando de Treinamento Básico de Guerra Naval Especial (NSW), coloca um brevê de guerra especial (SEAL), conhecido como o Tridente, em um membro da Classe 336 de Treinamento de Qualificação SEAL durante uma cerimônia de graduação no Centro NSW em Coronado, Califórnia, 15 de abril de 2020. (Especialista em Comunicação de Massa de 1ª classe Anthony W. Walker/ US Navy)

Por Michael T. Hall, Military Times, 23 de maio de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de maio de 2020.

A semelhança entre forças de operações especiais (SOF) e Dixie Cups não é imediatamente óbvia, mas é uma comparação que muitos dentro da comunidade de operações especiais fazem com relutância. Os Dixie Cups vêm com um suprimento aparentemente ilimitado, você pode usá-los quando precisar deles - geralmente no último minuto - e depois jogá-los fora. Infelizmente, a falta de investimentos de longo prazo em operações especiais pode parecer o mesmo tratamento.

As SOF foram tipicamente propostas, criadas ou elevadas em tempos de crise. Os líderes governamentais e os serviços militares, em certa medida, apóiam esses períodos de crescimento das SOF em capacidade. Dinheiro, pessoas e equipamentos entram. Mas, inevitavelmente, não são disponibilizados recursos a longo prazo para sustentar, manter e aumentar a nova capacidade. E em algum momento, geralmente gradualmente, a percepção política da gravidade da crise recua. E, como resultado, os recursos direcionados às SOF são facilmente movidos para outras prioridades, principalmente porque raramente incluem investimentos de longo prazo.


As SOF têm sido um objeto brilhante por um tempo, mas seu brilho está diminuindo com a diminuição de forças no Oriente Médio e no Sul da Ásia, nosso foco renovado na “competição de grande potência” e o início de uma pandemia global. Operadores especiais sabem a "verdade das SOF" que SOF competentes não podem ser criadas da noite para o dia. Alguns de nós acreditam que pessoas fora das SOF entendem isso, mas não entendem. Quão terrivelmente trágico seria se, em algum dia e em algum lugar no futuro, nossa nação, mais uma vez, precisar de uma tarefa ousada, difícil e perigosa executada que exija habilidade requintada e solução de problemas incomparáveis - e nossas SOF não possam atender ao chamado por falta de apoio.

Alguns argumentam que os serviços militares podem e devem fazer um trabalho melhor como defensores das operações especiais. Mas as forças, em grande parte, não apreciam o que é necessário para criar um operador especial. De fato, eles não deveriam; não é responsabilidade deles. E é importante lembrar que as decisões de orçamento de defesa são tomadas pelo Congresso. Os membros do Congresso estão servindo os eleitores que os elegeram e recebendo conselhos de nomeados políticos no Departamento de Defesa. Infelizmente, as SOF não compreendem o círculo eleitoral de ninguém. Também não temos um nomeado político na forma de um secretário de força no Pentágono. Portanto, embora as forças armadas uniformizadas possam desenvolver tremendas capacidades dentro de suas fileiras, apenas a liderança civil pode garantir a sustentação dessas capacidades. Os dias de criação de capacidade, conforme necessário, bem a tempo, terminaram há muito tempo.

Estamos vendo o ciclo de aumento e desmanche acontecer agora. É a primeira vez em mais de 18 anos que o orçamento das SOF diminui, mesmo com o aumento das ameaças ao país. Sem um secretária de força ou equivalente próximo, as SOF sempre receberão diretrizes, mas terão pouca ou nenhuma influência nas decisões. Se não houver uma liderança civil forte, as SOF sucumbirão a outras prioridades; sempre foi assim! A menos que uma grande reforma seja empreendida, acredito que a incerteza indesejável de hoje sobre os recursos das SOF não ocorrerá apenas este ano, será repetida no futuro. É a burocracia, com recursos adequados, que pode impedir que os mesmos erros sejam cometidos novamente.

Os comitês de supervisão de defesa no Congresso devem pressionar para elevar o secretário de defesa assistente para operações especiais e conflitos de baixa intensidade (ASD (SO / LIC)) ao nível de subsecretário e nomear adequadamente a agência para refletir as realidades de hoje. O subsecretário de operações especiais, ponto; abandone o apelido de conflito de baixa intensidade, ele não se aplica hoje e não se encaixa em nenhuma estratégia de defesa há décadas.

Vivi os altos e baixos das SOF e das forças armadas do nosso país por quase quatro décadas e meia. Qualquer estudante honesto da história lhe dirá que as SOF desempenharam um papel desproporcional na transformação de nossas forças armadas de seu nadir depois do Vietnã para a força mais respeitada e capaz do mundo. Não podemos tomar isso como garantido. Não podemos tratar esses guerreiros como Dixie Cups.

Mike Hall é sergeant-major reformado e veterano de combate com mais de 34 anos de serviço ao Exército dos EUA e operações especiais. Ele é o único soldado que ocupou o cargo de praça mais antigo no Regimento Ranger, no Comando Conjunto de Operações Especiais (JSOC) e no Comando de Operações Especiais do Exército dos Estados Unidos (USASOC). Ele se reformou em 2008 após 32 anos de serviço e em 2009 foi retirado da reforma para servir como CSM e conselheiro sênior alistado da Força Internacional de Assistência à Segurança no Afeganistão.

Leitura recomendada:

Certos “aspectos culturais” das forças especiais dos EUA explicariam problemas de disciplina7 de abril de 2020.

Alguns soldados estão agora autorizados a usar o novo brevê de selva do Exército Americano

O Tenente-Coronel John Stephenson, Tripler Army Medical Center, Havaí, completou o Curso Executivo de Treinamento de Operações de Selva de cinco dias em Schofield Barracks em janeiro. (US Army)

Por Matthew Cox, Military.com, 20 de maio de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de maio de 2020.

O Exército Americano finalmente aprovou um brevê oficial para soldados que suarem através do Curso de Treinamento em Operações de Selva (Jungle Operations Training Course, JOTC).


Os soldados do Oitavo Exército que servem na área de operações do Pacífico agora estão autorizados a usar o brevê de selva ao se formarem no JOTC de 20 dias, que se concentra em táticas de pequenas unidades, operações aquáticas e sobrevivência nas densas florestas infestadas de insetos do Havaí, de acordo com um comunicado militar de imprensa recente.

Durante a Guerra Fria, o JOTC estava localizado nas selvas do Panamá, mas foi fechado em 1999, quando os Estados Unidos devolveram o terreno ao Panamá. Atualmente, o JOTC - que foi erguido pela 25ª Divisão de Infantaria no quartel de Schofield cerca de sete anos atrás - está aberto a todos os soldados, mas a prioridade é dada às tropas que servem ao Comando do Pacífico do Exército Americano (U.S. Army Pacific Command, USARPAC).

Guarda-bandeira com o distintivo do USARPAC na papada.

O brevê de selva evoluiu a partir de um distintivo de especialista de selva, que mais tarde se tornou o brevê de especialista de selva - ambas as quais viram uso limitado. Os regulamentos de uso para o novo brevê de selva fazem parte de uma política que o general Paul LaCamera, comandante do USARPAC, assinou em fevereiro, de acordo com o comunicado.

A nova política também permite que os soldados que servem na área do Pacífico usem o brevê do Ártico depois de concluir o Curso de Líderes em Clima Frio do Centro de Treinamento em Guerra do Norte (Northern Warfare Training Center's Cold Weather Leaders Course) e o Curso de Orientação em Clima Frio (Cold Weather Orientation Course), afirma o comunicado.

Paraquedistas da Chaos Troop, 1º Esquadrão (Aerotransportado), 40º Regimento de Cavalaria, participam do Exercício Arctic Edge 20 do Comando Norte dos EUA na zona de lançamento Donnelly em Fort Greely, Alasca, em 29 de fevereiro de 2020. (Foto da Força Aérea dos EUA pela Staff Sgt Diana Cossaboom)

De forma semelhante ao brevê Ranger, os brevês de Selva e Ártico serão usadas na manga esquerda do Uniforme de Camuflagem Operacional, diretamente sobre o distintivo da unidade, de acordo com o comunicado. Os brevês não estão autorizadas para uso ao servir em uma tarefa temporária fora da área de operações do USARPAC ou durante desdobramento externo.

Durante o JOTC, os soldados aprendem a viver na selva e a navegar em terrenos íngremes e acidentados sob condições quentes e úmidas.

Cerca de 30 a 40% dos estudantes não terminam o curso, disse o Capitão Matthew Jones, então comandante do curso, em um comunicado de imprensa do Exército de 2017 descrevendo o JOTC.


Os soldados aprendem habilidades básicas de sobrevivência na selva, como construir abrigos a partir de materiais naturais e atravessar obstáculos na água, de acordo com o comunicado de 2017. A vegetação espessa força pequenas unidades a se moverem em fila única, em vez da formação tradicional de cunha.

"Existem longos movimentos em terrenos íngremes", disse Jones no comunicado. "E se você se molhar no primeiro dia, ficará molhado pelos próximos cinco dias. Isso te desgasta. As pessoas desistem."

Leitura recomendada:

Um soldado americano se forma na selva brasileira, 30 de setembro de 2018.

Retorno à Selva: Um renascimento da guerra em terreno fechado17 de julho de 2019.

Membros do 3º Batalhão, Royal 22e Régiment se preparam para a guerra na selva30 de setembro de 2019.

FOTO: Canadenses na Amazônia16 de fevereiro de 2020.

GALERIA: Forças Especiais da PAP chinesa em exercício em floresta montanhosa11 de abril de 2020.

Tiro em Cobertura Rodesiano15 de abril de 2020.

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Como ir além da abordagem do Exército de "culto à carga" para o comando da missão


Por John Bolton, Task&Purpose, 10 de janeiro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de maio de 2020.

Entre as ilhas da Micronésia, um fenômeno estranho ocorreu após a chegada dos primeiros ocidentais. Sem entender como a industrialização havia criado navios, armas e canhões, os ilhéus assumiram uma resposta surpreendentemente semelhante: presumindo que magia deu aos brancos "Carga". Logo, emergentes "cultos à carga"* pregaram uma doutrina de abundância futura, acreditando que, se construíssem os artifícios da "carga", como docas de madeira, estradas de bambu e aeródromos, os produtos retornariam.

*Nota do Tradutor: O culto à carga é um movimento religioso descrito pela primeira vez na Melanésia, que engloba uma série de práticas que ocorrem após o contato de sociedades simples com civilizações tecnologicamente mais avançadas. O nome deriva da crença que começou entre os melanésios no final do século XIX e início do século XX de que vários atos ritualísticos, como a construção de uma pista de pouso, resultariam no aparecimento de riqueza material, particularmente nas tão desejadas mercadorias ocidentais (ou seja, a "carga"), que eram enviadas através de aviões. Hoje, John Frum é uma religião e um partido político com um membro no Parlamento de Vanuatu.


Se, a princípio, tendemos a zombar da ignorância da idade da pedra, devemos considerar que a implementação do Comando da Missão pelo Exército segue um padrão semelhante. Os nativos confundiram os artefatos da "Carga" com o apoio dos seus fatores, processos e sistemas, assim como o Exército dos EUA confunde ordens de missão e iniciativa disciplinada como as ferramentas do Comando da Missão, em vez de uma Cultura alterada.

Conseqüentemente, os Cultistas da Carga fornecem um exemplo de como não implementar mudanças - uma que o Exército deve considerar enquanto luta para tornar o Comando da Missão uma realidade.


Um exército "que opera de acordo com os princípios do Comando da Missão não aparece naturalmente, especialmente em tempos de paz", independentemente das verdades históricas consagradas na Doutrina do Comando da Missão. Somente as mudanças doutrinais são insuficientes para criar as organizações flexíveis e capacitadas que o Comando da Missão prevê. A cultura organizacional do exército também deve sofrer uma transformação - mais do que apenas "declarar isso". Como John Kotter afirmou em Leading Change (Liderando Mudanças, 2011), os resultados "vêm por último, não primeiro". Atualmente, o Exército não fez ajustes sistemáticos necessários em seus programas de desenvolvimento de pessoal e de líderes, enquanto permanece apaixonado pela, e imune às limitações da, tecnologia.


Sistema de Pessoal

O Comando da Missão exige confiança e tempo, dois fatores quase impossíveis pelo Sistema de Pessoal do Exército, que promove uma rotatividade superior a 30% a cada seis meses. Para os oficiais, os cargos rápidos e obrigatórios na KD promovem o carreirismo, mesmo quando a Cultura/Doutrina do Exército o condena. Para os oficiais, a passagem pelo sistema tornou-se um cursus honorum, movendo-se rapidamente através de empregos para atender aos portões de promoção.


A rotatividade é duplamente perniciosa porque gera o inimigo do Comando da Missão: microgerenciamento. Os líderes de curto prazo inevitavelmente se concentram em objetivos de curto prazo, envolvidos em "combate a incêndios", um ciclo de execução de ações triviais e demoradas, em última análise, não-relacionadas ao sucesso da unidade (pense na maioria das métricas associadas ao Sistema de Viagens de Defesa). As práticas de pessoal de curto prazo também criaram uma situação em que o Exército pode inadvertidamente incentivar e sancionar a dissimulação institucional.

Tecnologia

Os Sistemas de Comando de Missão Digitais do Exército (Army Digital Mission Command Systems, DMCS) supostamente criam uma imagem operacional comum (common operational pictureCOP) perfeita. O problema é que essa COP é frequentemente fictícia; o nevoeiro e o atrito não podem ser eliminados, propor o contrário é falácia. Consequentemente, os DMCS inibem a prática do Comando da Missão, porque produzem uma imagem falsa que inibe agudamente a iniciativa subordinada à medida que nos fixamos nos sistemas, e não nas operações. Problematicamente, a COP digital é autorizada de maneiras que um mapa analógico não é. Consequentemente, a disciplina necessária para discordar da COP digital muitas vezes não é realista.

Qualquer domínio tecnológico será passageiro; os adversários procurarão mitigar nossa vantagem por meio de manobras ou incêndios, ou simplesmente operar de maneira a mitigar nossa força. O especialista em gerenciamento Peter Drucker afirmou que "a cultura come estratégia no café da manhã". Isso significa que ethos, valores e ética compartilhados refletem mais as prioridades organizacionais do que documentos oficiais - os economistas chamam isso de preferência revelada. O primado da cultura sobre a tecnologia é precisamente o motivo pelo qual o Exército precisa do Comando da Missão. As práticas de Comando da Missão são mais eficazes que os sistemas de alta tecnologia.

Conclusão: Comando da Missão é o caminho a seguir

A abordagem típica do Exército para gerar mudanças - designar uma prioridade, criar "instrutores-mestres" e adicionar novos requisitos - é "desgastada pelo tempo, simples, previsível" e, por fim, ineficaz. Falhar aqui leva ao Comando da Missão sendo "perdido na transmissão". A mudança organizacional duradoura requer mais do que os PowerPoints, que são "Band-Aids para problemas organizacionais sistemáticos".


A mudança cultural exige uma séria adesão dos líderes e uma mudança proporcional em tudo, desde o recrutamento até a educação, o treinamento em gerenciamento e a condução de exercícios. O Exército deve procurar implementar treinamentos que promovam a iniciativa por meio de cenários desafiadores, focados em decisões, que exigem criticamente que os líderes desobedeçam às ordens. Além disso, o treinamento deve puxar o plugue da tecnologia até mesmo de exercícios em larga escala. Caso contrário, continuará a tendência de centralização e presunção de domínio da informação, ambas perniciosas.

O Exército fez um progresso genuíno na implementação do Comando da Missão - modificar a doutrina é um bom primeiro passo. Mas mudanças marginais são insuficientes. O Exército deve reformular o treinamento de oficiais subalternos para apoiar cenários desafiadores que exijam iniciativa disciplinada com informações incertas, em vez de depender de superiores de longe.

Simultaneamente, o Exército seria sábio em reequipar seu sistema de pessoal para inculcar a iniciativa, reduzindo movimentos e trajetórias de mão única na carreira. Fazer isso engendra líderes comprometidos com o sucesso organizacional e o desenvolvimento de capacidades - o tipo de líder que aproveita a tecnologia, em vez de confiar na tecnologia.

Deixar de fazer as principais mudanças estruturais, organizacionais e de treinamento garantirá que o Comando da Missão continue sendo uma meta e não a realidade, e que o Comando da Missão continue sendo um "Culto à Carga", refletindo simplesmente o artifício, mas não a realidade da iniciativa disciplinada, ordens da missão e execução descentralizada.

Original: https://taskandpurpose.com/thelongmarch/army-mission-command-cargo-cult

John Bolton é o diretor executivo do 2-25 Batalhão de Helicóptero de Assalto. Ele é formado pelo Programa de Acadêmicos da Arte da Guerra da Escola de Comando e Estado-Maior e possui diplomas da West Point e da American Military University. Suas atribuições incluem o 1º Batalhão de Engenheiros, o 1-1 Batalhão de Reconhecimento de Ataque e o IBCT 4/25 (Aerotransportado) com várias missões no Iraque e Afeganistão.

Leitura recomendada:

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

FOTO: Os amotinados e o mistério do FAMAS na Papua Nova Guiné23 de abril de 2020.

A Doutrina estaria afetando a liderança militar?12 de abril de 2020.

Escolhendo Líderes: Selecionando Liderança12 de abril de 2020.

Caráter x Competência: A Equação da Confiança, 25 de fevereiro de 2020.

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Operação Molotov: Por que a OTAN simplesmente entrou em colapso no verão de 2024


Por John T. KuehnTask&Purpose, 27 de novembro de 2018.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de maio de 2020.

Maio de 2024 foi muito parecido com o verão que o precedeu 85 anos antes. Os russos sabiam disso, razão pela qual seu nome secreto para a operação recebeu a alcunha "Molotov".

O pacto público de não agressão China-Rússia no ano anterior entre a República Popular da China (RPC) e Moscou foi outro sinal de alerta, especialmente seu idioma. Os russos (e chineses) estavam contando com o a-historicismo do ocidente (e especialmente dos americanos) para se safar com sua pequena "piada" no uso da linguagem (isto é, a língua do Pacto de Não Agressão Molotov-Ribbentrop). Eles fizeram - e devem ter sorrido o tempo todo enquanto os tanques avançavam em uma ampla frente para avistar o rio Vístula, um corpo de água que a maioria dos americanos não conseguia encontrar em um mapa mesmo que suas vidas dependessem disso.


Os sinais de alerta, como sempre, estavam lá para todos verem. Mas conectar os pontos antes que algo aconteça não é tão fácil. A crescente retórica russa sobre a repressão das minorias étnicas russas nos países bálticos vizinhos no início de 2020 foi a primeira dica. Essa retórica desviou a atenção da OTAN para o norte e causou uma má interpretação do aumento do poder de combate da Rússia em Kaliningrado (antiga Prússia Oriental), presumivelmente focada no norte, não no sul e no oeste. Também permitiu à Rússia chegar a um acordo com o governo da Bielorrússia para uma série de exercícios no local, os quais forneciam uma cobertura para a mobilização secreta da Rússia nas áreas que poderiam facilitar as operações contra a Polônia. 

O segundo sinal de alerta envolveu o acordo com Kiev para um armistício verificável no leste da Ucrânia em 2022, intermediado pela Secretária de Estado dos EUA Nikki Haley. Ao concordar e realmente aderir a este cessar-fogo, os russos levaram a OTAN a uma sensação de falsa segurança que levou sua liderança a aderir ao pedido do Secretário de Defesa John Bolton de mais tropas da OTAN para a missão em andamento de proteger o governo afegão sitiado no Enclave de Cabul. 

O leitor pode querer revisitar as circunstâncias da falha na evacuação de não-combatentes (NEO) das embaixadas americanas e ocidentais quando Cabul quase caiu em uma ofensiva combinada da Al-Qaeda-ISIS (Operação Hattin) em 2021, logo após Donald Trump ter sido reeleito para seu segundo mandato de lavada em 2020. Isso resultou na operação Desperate Resolve (Determinação Desesperada), que recolocou as principais forças de combate da OTAN na missão humanitária de proteger os habitantes do enclave de Cabul de um genocídio prometido pela Frente de Unificação Islâmica (Islamist Unification FrontIUF).


Esse sinal de alerta - o redirecionamento da OTAN para o Afeganistão - foi seguido pelo agora infame Pacto de Não-Agressão China-Rússia de 2023. Como sempre, os americanos escolheram ver isso através de uma lente do Pacífico, em vez de uma lente da Europa, como algo que pudesse dar a Pequim mais liberdade de ação, não como precursor da ação russa no oeste.

Essa paranóia foi alimentada ainda mais pela desorientação russa por meio do que foi relatado no Ocidente como uma campanha cibernética chinesa em favor do presidente Donald Trump e dos republicanos nas eleições parlamentares de 2024, distraindo ainda mais os americanos (e verdade seja dita a maioria dos europeus). Agora está claro que os chineses conspiraram nessa operação e isso pode pressagiar uma cooperação sino-russa adicional para as “apropriações de terras” chinesas em sua esfera de influência.

A retórica pública russa sobre as minorias perseguidas nos países bálticos (e na Finlândia) continuou até a 11ª hora com a OTAN, e seus extensos ativos de inteligência, vigilância e reconhecimento (intelligence, surveillance, reconnaissanceISR) concentraram-se na maciça campanha russa maskirovka (dissimulação) que retratava uma provável invasão da Estônia. Os canhões de agosto não demoraram a chegar. O grande desafio operacional russo envolveu operações simultâneas de Kaliningrado e contra o leste da Polônia. A separação geográfica parecia intransponível para os padrões modernos, mas os russos haviam planejado e preparado, particularmente no centro de estudos secretos de Shaposhnikov, em Moscou.


O componente Kaliningrado da Molotov envolveu operações muito limitadas, mas violentas, especialmente contra Gdansk, a fim de interromper o fluxo rápido de qualquer material de guerra navegando dos EUA ou da OTAN por esse porto. Os russos basearam seu plano no oeste naquele dos egípcios na Guerra do Yom Kipur de 1973. Eles ocupariam o chamado "Corredor Polonês" e Gdansk, ou pelo menos neutralizariam esse porto, e então estabeleceriam um guarda-chuva letal anti-acesso sobre ele com seus sistemas de mísseis S-300 e S-400 e fogos terrestres (artilharia e foguetes) e sistemas anti-tanque. No lado marítimo, eles desdobrariam uma mistura de submarinos nucleares e a diesel e minariam portos alemães e dinamarqueses usando esses submarinos.

A OTAN, após seu choque inicial, reagiu como esperado e concentrou toda a sua atenção no oeste e conduziu, como os israelenses, contra-ataques insensatos para retomar Gdansk e atacar a base de poder russa em Kaliningrado. O massacre resultante trouxe de volta memórias daqueles poucos historiadores que o estudam, das dezenas de milhares de baixas nos primeiros dias da Primeira Guerra Mundial.


As defesas anti-acesso russas (A2) foram letais e abateram 6 dos 7 C-17 dos EUA trazendo elementos da 82ª Divisão Aerotransportada para os aeroportos poloneses, matando centenas de paraquedistas americanos, e chocando os americanos para fora da sua letargia. No entanto, o verdadeiro choque ocorreu quando a reserva de guerra americana, material para toda uma equipe de combate de brigada pesada (cujo pessoal embarcou de suas bases na Alemanha para a Polônia), no USNS Sgt York, USNS Omar Bradley e USNS Harvey Milk sem escolta, foi afundado pelo que os americanos mais tarde estimaram ser um submarino de ataque da classe Akula (Shark).

Ao mesmo tempo, as forças aéreas russas, juntamente com suas forças de defesa aérea (o PVO Strany), estabeleceram o comando local absoluto do ar nas áreas ao redor de Gdansk e Kaliningrado. Mas este foi apenas o aquecimento.


A guerra tinha apenas 10 dias quando o principal esforço eclodiu no leste, saído dos Pântanos de Pripet e diretamente para a Polônia, através de um “corredor” secreto, anteriormente não revelado, pela Bielorrússia. Os ucranianos não puderam ajudar, atrapalhados pelo cessar-fogo e a maioria de suas tropas estava no leste da Ucrânia, observando esse cessar-fogo. Mais chocante ainda, os húngaros se recusaram a honrar seus acordos da OTAN até obterem um acordo para renegociar queixas territoriais de longa data sobre as regiões da Transilvânia e Trans-Dniester.

Esta ação, por sua vez, congelou as forças romenas e viu essas duas nações se mobilizarem umas contra as outras, e não em nome da OTAN. Ao mesmo tempo, a IUF abriu sua campanha de outono contra Cabul com equipamentos que havia obtido clandestinamente dos russos através do Uzbequistão. O escopo global desses esforços coordenados pela Rússia praticamente congelou os tomadores de decisão ocidentais em um ciclo de recriminação e indecisão.

E os tanques russos rolaram as lagartas. No início de outubro, eles atravessaram o sul da Polônia sem esforço e “libertaram” a Cracóvia, ao mesmo tempo em que a Rússia fez uma oferta secreta através da embaixada norte-coreana em Berlim para devolver a Silésia à Alemanha e depois publicou o entretenimento dessa manobra diplomática por um político alemão de extrema-direita na coalizão reinante pós-Merkel através das mídias sociais e da imprensa internacional em todo o mundo. Quando os russos se aproximaram do Vístula, em frente a Varsóvia, estavam prontos para parar. Eles estabeleceram defesas apressadas e estenderam sua cobertura aérea anti-acesso quase até a fronteira alemã. Eles então declararam um cessar-fogo unilateral, convidando todas as partes para uma conferência organizada pela China, que se ofereceu como mediadora imparcial, em Xangai.


A triste história política e diplomática se desenrolou, como todos sabem, para o próximo ano e ainda está se desenrolando no cenário global hoje. No entanto, o que realmente interessa a todos os envolvidos será uma análise do excelente desempenho dos russos em todos os aspectos no domínio militar na condução de operações de combate em larga escala e alta intensidade contra as forças polonesas, americanas e da OTAN. Essas lições mais detalhadas aprendidas serão abordadas em um segundo artigo neste site em um futuro próximo. Especialmente de interesse serão as operações do Kamfgruppe Schmidt alemão, ligado à "brigada" de armas combinadas americana em desdobramento avançado, baseada em Poznan, como parte da divisão provisória da OTAN desdobrada para retomar Gdansk na primeira semana da guerra.

Todo esse cenário, posicionado para muitos anos no futuro, é obviamente ficcional. John T. Kuehn é professor de História Militar e oficial reformado da Marinha dos Estados Unidos.

Bibliografia recomendada:





Leitura recomendada:

Paraquedistas: a arma secreta da Rússia em uma invasão no Báltico26 de janeiro de 2020.

A Batalha pelo Aeroporto de Donetsk - A história por dentro19 de janeiro de 2020.

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?24 de fevereiro de 2020.

COMENTÁRIO: Putin como Líder Supremo da Rússia1º de fevereiro de 2020.

terça-feira, 19 de maio de 2020

À Oeste de Suez para os Emirados Árabes Unidos


Por Alex Mello e Michael Knights, War on the Rocks, 2 de setembro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de maio de 2020.

A Grã-Bretanha retirou-se militarmente das áreas "à leste de Suez" em 1971, levando os Estados Truciais a formar os Emirados Árabes Unidos hoje. Agora, 45 anos depois, este país árabe está cada vez mais focado em projetar poder militar "à oeste de Suez". Eventos como a Primavera Árabe em 2011, a crescente confiança e a fuga das sanções nucleares do Irã, além da ascensão do Estado Islâmico convenceram os líderes dos Emirados a se tornarem mais ativistas no gerenciamento dos riscos enfrentados por sua federação. Mais recentemente, isso resultou nessa pequena nação do Golfo estabelecendo sua primeira base de projeção de poder fora da Península Arábica, no porto eritreu de Assab. No último ano, esse porto foi construído de um deserto vazio para uma moderna base aérea, porto de águas profundas e instalação de treinamento militar.

Militares americanos e emirates no exercício Iron Union 5, nos Emirados Árabes Unidos, em 25 de setembro de 2017.

A progressão das operações expedicionárias dos Emirados é fascinante. Nas décadas de 1980 e 1990, os Emirados enviaram forças de desminagem ao Líbano, soldados da paz na Somália e helicópteros de ataque Apache à intervenção da OTAN no Kosovo. Nos anos 2000, os Emirados Árabes Unidos forneceram helicópteros de ataque totalmente armados ao Líbano e equiparam as forças do governo iemenita com veículos blindados e armas para combater as rebeliões houthis no norte daquele país. Uma força especial dos Emirados e uma força de estabilização passaram 12 anos no Afeganistão como parte da Força Internacional de Assistência à Segurança da OTAN (International Security Assistance ForceISAF).

Após a Primavera Árabe de 2011, os Emirados Árabes Unidos enviaram suas tropas ao lado das forças armadas sauditas para estabilizar a capital do Bahrein, Manama. Paralelamente a uma repressão doméstica aos elementos da Irmandade Muçulmana nos Emirados, suas forças armadas intervieram na Líbia para apoiar milícias nacionalistas e tribais contra o regime de Muammar Qadhafi, militantes salafistas e, mais recentemente, a coalizão islâmica Aurora da Líbia (Lybia Dawn), de Trípoli. Os Emirados Árabes Unidos saudaram o golpe militar de 2013 que despejou o governo da Irmandade Muçulmana no Egito e, desde então, tem trabalhado para estreitar as relações militares com o Cairo, incluindo ataques aéreos conjuntos na Líbia partindo de bases aéreas egípcias, exercícios navais e o fornecimento da aeronave IOMAX AT-802U de contra-insurgência, de propriedade dos Emirados Árabes Unidos, à campanha do Egito contra o Estado Islâmico no Sinai.

No Mar Vermelho: perda do Djibuti, ganho da Eritréia

Em seguida, os Emirados se voltaram para o Chifre da África e o Oceano Índico. Esse processo foi impulsionado pela estridente intervenção no Iêmen, que começou quando o presidente do Iêmen, Abdu Rabu Mansour Hadi, foi expulso de Áden pelos rebeldes houthis e, posteriormente, solicitou intervenção militar citando o artigo 51 (legítima defesa) da Carta das Nações Unidas e também o Carta da Liga Árabe. Em 26 de março, a Arábia Saudita anunciou o início da Operação Tempestade Decisiva, a operação militar pan-árabe para interromper o avanço da milícia houthi no Iêmen.

Soldado emirático guardando um avião dos EAU no Djibouti, 2015.

A Arábia Saudita e os Emirados tentaram inicialmente usar o Djibuti, do outro lado do Golfo de Áden, para apoiar a libertação de Áden, mas uma reviravolta do destino interveio. No final de abril de 2015, uma briga entre o chefe da Força Aérea de Djibuti e diplomatas dos Emirados atrapalhou as relações entre os dois países. Na verdade, houve brigas depois que uma aeronave dos Emirados que participava das operações da Coalizão do Golfo sobre o Iêmen pousou sem autorização no Aeroporto Internacional Djibouti-Ambouli. O vice-cônsul dos Emirados Ali al-Shihi chegou a levar um soco, provocando uma briga diplomática. A disputa aumentou rapidamente devido a tensões pré-existentes relacionadas a uma disputa legal de longa data sobre o contrato do Terminal de Contêineres de Doraleh, o maior porto de contêineres da África, operado pela Dubai Ports World, a operadora portuária dos Emirados com sede em Dubai e um dos maiores ativos de poder brando dos Emirados Árabes Unidos. Em 4 de maio de 2015, Emirados Árabes Unidos e Djibuti romperam formalmente as relações diplomáticas. O Djibuti expulsou as tropas sauditas e emiráticos de uma instalação em Haramous, ao lado de Camp Lemonnier. Este antigo posto avançado da Legião Estrangeira Francesa (usado pelo Comando Africano dos EUA e pela Força-Tarefa Conjunta-Chifre da África) também foi alugado à coalizão do Golfo no início de abril para apoiar suas operações no Iêmen.

Mas a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos tiveram um substituto disponível: a vizinha Eritréia, rival regional do Djibuti, que possui portos rudimentares no Mar Vermelho, a apenas 150 quilômetros ao norte. Em 29 de abril, no mesmo dia em que o Djibuti despejou tropas do Golfo, o presidente da Eritréia, Isaias Afewerki, se encontrou com o rei Salman bin Abdel Aziz da Arábia Saudita e concluiu um acordo de segurança e parceria militar com os estados do Golfo oferecendo direitos básicos na Eritréia. Delegações de alto nível do Conselho de Cooperação do Golfo já haviam se reunido com autoridades da Eritréia naquele ano para discutir o uso da Eritréia como base potencial para operações. Essa apólice de seguro pagou dividendos: o risco estratégico potencialmente prejudicial na campanha anti-houthi - a perda do Djibuti - foi superado com facilidade e em poucos dias.

Organização em Assab

Presidente Isaias Afwerki com o rei Salman bin Abdulaziz Al Saud, 29 de abril de 2015.

Como parte do acordo de parceria, os Emirados Árabes Unidos concluíram um contrato de arrendamento de 30 anos para uso militar do porto de águas profundas novo em folha em Assab e do aeródromo de superfície dura nas proximidades, com uma pista de 3.500 metros capaz de desembarcar grandes aeronaves de transporte, incluindo os enormes transportes C-17 Globemaster pilotados pela força aérea emiráticos. Os estados do Golfo concordaram em fornecer um pacote de ajuda financeira e comprometeram-se a modernizar o Aeroporto Internacional de Asmara, construir nova infra-estrutura e aumentar o fornecimento de combustível à Eritreia.

As primeiras operações em Assab foram precipitadas, mas eficazes. Em 13 de abril, um CH-47 Chinook transportou uma equipe de oito homens de operadores especiais da Guarda Presidencial dos Emirados e Controladores de Ataques de Terminal Conjunto (JTACs) para a península de Little Aden, o local da refinaria de Áden e dos tanques de armazenamento de petróleo. Essas forças convocaram ataques aéreos e missões de fogo navais, permitindo que forças leais ao presidente Abdu Rabu Mansour Hadi e aos comitês populares locais de resistência de Áden se pendurassem em dois bolsões defensivos, de costas para o mar. Os navios de desembarque dos Emirados derrubaram as forças de segurança sauditas e dos Emirados e as milícias locais treinadas pelos EAU montadas nos bolsões defensivos em maio.

Asas paraquedistas emiráticas.

A linha de vida naval sustentada pelo porto e base aérea da Assab permitiu que as forças pró-Hadi retomassem Áden na Operação Flecha Dourada de agosto de 2015. Navios de desembarque emiráticos e navios comerciais fretados fizeram repetidas viagens entre a nova base naval emirática em Fujairah, no Golfo de Omã, e no porto esquelético de Assab. Os C-17 e C-130 da Força Aérea dos EAU também foram vistos no Aeroporto Internacional de Asmara, na capital eritréia.

No final de julho de 2015, a organização no aeródromo de Assab estava completa, com a base servindo como área de apoio logístico e centro de operações para o grupo de batalha blindado emirático do tamanho de uma brigada que lideraria o rompimento do cerco de Áden. Este era composto por dois esquadrões dos tanques principais de batalha Leclerc, um batalhão de veículos de combate de infantaria BMP-3 e duas baterias de obuses G6. Os Emirados também enviaram uma força de ataque de 1.500 homens das tropas iemenitas treinadas pelos EAU e embarcadas em veículos blindados fornecidos pelos EAU depois que eles foram treinados e equipados em Assab.

A milícia do Cinturão de Segurança, apoiada pelos Emirados Árabes Unidos, perto de sua base ao norte de Áden, no Iêmen.

Em meados de julho de 2015, o grupo de batalha emirático começou a desembarcar no terminal de petróleo de Little Aden. Os navios de desembarque da classe Al-Futaisi emiráticos e outras embarcações de desembarque, incluindo o Swift, um antigo navio da Marinha dos EUA, fizeram repetidas viagens entre o porto de Assab e Áden. Em outubro e novembro de 2015, Assab serviu como centro de logística para o desdobramento de três batalhões mecanizados sudaneses de 450 homens em Áden. Os dois batalhões sudaneses realizaram um longo percurso de rota de Kassala, na fronteira entre o Sudão e a Eritréia, até o porto de Assab e foram transportados para Áden por embarcações dos EAU. O porto de Assab também serviu de base para o bloqueio naval do Golfo nos portos do Mar Vermelho de Mokha e Hodeida, com vários navios da marinha emirática, incluindo novas corvetas da classe Baynunah e embarcações de logística da classe Rmah atracando no porto até o final de 2015 e 2016. Desde a ofensiva contra a Al-Qaeda na Península Arábica (Al-Qaeda in the Arabian PeninsulaAQAP) em Hadhramout em abril de 2016, Assab também serviu como um centro de transbordo para navios emiráticos que entregam ajuda humanitária e materiais de reconstrução, incluindo geradores e combustível para Mukalla.

Um importante centro aéreo e base de treinamento

A expansão significativa do aeródromo de Assab transformou o local de um local operacional avançado austero para uma poderosa base expedicionária, o primeiro local de projeção de poder emirática fora da terra natal da federação. As forças emiráticas dobraram o espaço disponível no asfalto do aeroporto e construíram uma torre de controle de tráfego aéreo e novos hangares.

Tropas emiráticas.

No início de 2016, o aeródromo estava hospedando vários helicópteros de ataque Apache do Comando de Aviação Conjunta Emirático, bem como helicópteros Chinook, Black Hawk e Bell 407MRH do Comando da Guarda Presidencial realizando operações no sudoeste do Iêmen. Em novembro de 2015, os turboélices AT-802 de ataque ao solo do Grupo de Aviação 18 do Comando de Operações Especiais dos EAU também começaram a realizar ataques aéreos pelo Assab, através do Estreito de Bab al-Mandeb. Novos pilotos do corpo aéreo iemenita, treinados em aeronaves doadas pelos EAU em Assab, antes de serem transferidas para a Base Aérea de Al-Anad, ao norte de Áden, em outubro de 2015.

Também foram construídas uma enorme cidade de contêineres e barracas, à medida que a base foi desenvolvida para que as forças contra-terroristas do Iêmen fossem treinadas e equipadas pelos Emirados Árabes Unidos para libertar cidades do sul do Iêmen, como Mukalla, detida pela AQAP. Unidades da força contra-terrorista de Áden e da infantaria móvel da Confederação Tribal Hadhramout foram transportadas para Assab para serem treinadas e equipadas pelos Emirados Árabes Unidos. A escala e a velocidade do esforço de treinamento são impressionantes: novas unidades treinadas usando veículos táticos fornecidos pelos EAU, antes de serem transportadas de volta a Áden para a ofensiva anti-AQAP que começou em maio. Um grupo de batalha misto emirático do tamanho de um batalhão permaneceu em Assab durante a primavera e o verão de 2016, permitindo que as tropas emiráticas do grupo de batalha de tamanho semelhante, engajados em operações contra a AQAP no Iêmen, rotacionassem para um local próximo de descanso e recuperação.


No final de 2015, os Emirados Árabes Unidos também começaram a construir novas instalações portuárias em águas profundas na costa diretamente adjacente ao aeródromo de Assab, eliminando a necessidade de comboios militares emiráticos transitarem pela cidade de Assab enquanto viajavam da base aérea para o porto, dez quilômetros ao sul. As embarcações de dragagem da Companhia Nacional de Dragagem Marítima Emirática começaram a trabalhar no final de 2015. Em maio de 2016, um litoral de 60.000 metros quadrados havia sido escavado e dragado, e um píer de 700 metros havia sido construído. As forças emiráticas também estenderam um perímetro de segurança em torno do aeroporto e das instalações portuárias e redirecionaram a rodovia costeira P-6 entre Assab e Massawa em torno do perímetro externo da base.

A crescente pegada dos Emirados Árabes Unidos no Chifre da África

Soldados saudita e emirático no Iêmen.

Embora a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos tenham cooperado em grandes empreendimentos de segurança, como a intervenção de Manama em 2011 e a guerra do Iêmen desde 2015, as duas principais forças militares do Conselho de Cooperação do Golfo também são concorrentes. Em termos de população, produção de petróleo e gastos com defesa, a Arábia Saudita é, em uma margem considerável, o maior dos dois, mas os Emirados estão determinados a competir bem acima do seu peso. No Iêmen, os objetivos dos dois Estados do Golfo estão divergindo lentamente, com os sauditas apoiando milícias islâmicas contra os houthis no norte, enquanto os Emirados Árabes Unidos estão focados em combater a AQAP no sul do país.

Na região do Chifre da África também há sinais de competição. A Arábia Saudita consertou as coisas com o Djibuti até outubro de 2015, com o acesso saudita restaurado no aeroporto de Camp Lemonier e com o Djibuti recebendo barcos-patrulha, helicópteros, armas e ambulâncias doados pela Arábia Saudita. Em março de 2016, estavam em andamento discussões entre Riad e Djibuti para a assinatura de um amplo acordo bilateral de segurança, incluindo o retorno de uma base militar saudita de longo prazo ao Djibuti.

Os Emirados parecem estar adotando uma abordagem mais ampla para as regiões do Chifre da África, da África Oriental e do Oceano Índico. Abu Dhabi tem sido um benfeitor e investidor generoso nos Estados insulares do Oceano Índico, como Seychelles, Maldivas, Maurício, Madagascar e Comores. Nessas áreas, os grandes bancos e fundações de investimento emiráticos apoiaram projetos de turismo, portos e humanitários. Os Emirados Árabes Unidos também estão interessados na África Oriental, com gás natural, portos e segurança alimentar em mente. Para apoiar o desenvolvimento de uma política mais ampla do Oceano Índico e da África Oriental, os Emirados Árabes Unidos estão se envolvendo em relações de cooperação de segurança com vários estados do Chifre da África, com o objetivo de reduzir a instabilidade e o crescimento das milícias islâmicas na região.

A Somália é um exemplo disso. No início de maio de 2015, os Emirados Árabes Unidos expandiram sua parceria de longa duração de treinamento e equipagem com a unidade de contraterrorismo da Somália e a Agência Nacional de Inteligência e Segurança (NISA), abrindo um novo centro de treinamento financiado pelos Emirados Árabes Unidos em Mogadíscio, onde operadores das forças especiais emiráticas treinaram vários unidades de comandos somalianas. No final de maio de 2015, os Emirados forneceram à Administração Interina Jubba em Kismayo um lote de MRAPs RG-31 Mk. V e Land Cruisers Toyota. Estes foram seguidos em junho por uma remessa de veículos blindados de transporte de pessoal Reva Mk. III, caminhões-tanque e motocicletas da polícia para o Ministério de Segurança Interna e Polícia do governo federal somaliano. Em outubro de 2015, os Emirados Árabes Unidos se comprometeram a pagar os salários das forças de segurança do governo federal somaliano por um período de quatro anos.


Os Emirados Árabes Unidos também conquistaram o rival regional da Somália, a região autônoma da Somalilândia. Em maio de 2016, a Dubai Ports World ganhou um contrato de 30 anos para gerenciar o porto de Berbera e expandi-lo para um centro de logística regional, quebrando o monopólio virtual do Djibuti sobre frete etíope através do Terminal de Contêineres de Doraleh através do desenvolvimento conjunto do Corredor de Berbera da Somalilândia e Etiópia como rota logística alternativa. Também é dito que os Emirados Árabes Unidos estão buscando acesso ao porto e à pista de pouso de Berbera para apoiar suas operações no Iêmen e podem fornecer à Somalilândia um pacote de ajuda financeira e um centro de treinamento militar construído pelos Emirados.

Em Puntlândia, uma região autônoma do nordeste da Somália, os Emirados Árabes Unidos também pagaram a criação da Força Policial Marítima de Puntlândia em 2010, com treinamento antipirataria fornecido por uma sucessão de empresas de segurança privadas, motivo de controvérsia. A PMPF opera bases em Bosaso, o principal porto de Puntlândia, na costa do Golfo de Áden, e Eyl, na costa do Oceano Índico. A ala aérea da PMPF opera três aeronaves Ayers S2R Thrush doadas pelos Emirados Árabes Unidos e um helicóptero Alouette III. Os Emirados Árabes Unidos também financiam e treinam a Agência de Inteligência de Puntlândia. Quando o bloqueio naval da Coalizão do Golfo tentou interditar o contrabando de armas iranianas para os houthis, o investimento dos emirático na Puntlândia e Somalilândia parece ter valido a pena, interrompendo pontos de transbordo iranianos tais como Bosaso e Berbera.

A oportunidade "à oeste de Suez" dos Emirados Árabes Unidos?

Em combinação com o desenvolvimento de uma relação militar mais estreita com o Egito e o Sudão, a construção de décadas de uma importante base de projeção de poder Eritréia, dará aos Emirados Árabes Unidos um papel de liderança na proteção nas rotas marítimas de Suez e Bab el-Mandab. Os Emirados Árabes Unidos podem começar a emergir como um ator poderoso no Chifre da África, na África Oriental e no oeste do Oceano Índico. Assim como impérios comerciais anteriores, dos portugueses aos omanitas, os Emirados Árabes Unidos pretendem se tornar um importante ator na costa leste da África, misturando forte poder militar com abordagens de poder brando.

O desenvolvimento de forças iemenitas grandes e bem armadas na base de Assab também aponta para uma segunda maneira pela qual os Emirados Árabes Unidos podem se tornar uma grande influência no equilíbrio de poder local. Em apenas alguns meses, os Emirados Árabes Unidos treinaram e equiparam alguns milhares de soldados de infantaria móvel embarcados em MRAPs e armados com armas antitanques avançadas. Em muitos conflitos regionais, as batalhas são vencidas regularmente por tais forças compactas e coesas, apoiadas pelo poder aéreo externo e forças especiais. Isso pode ter implicações para a luta contra grupos extremistas locais como o Al-Shabab, que os Emirados Árabes Unidos poderão visar no futuro. Outros conflitos regionais e guerras civis podem ser influenciados pela cooperação de segurança emirática, particularmente a capacidade dos Emirados de oferecer um número significativo de veículos e armas modernos a forças substitutas. Os Emirados Árabes Unidos podem começar a desempenhar um papel de eminência parda em toda a região.

Formatura emirática no Iêmen.

Uma implicação final poderia ser o fortalecimento da postura de dissuasão emirática contra o Irã. A intervenção do Iêmen foi indiretamente direcionada ao Irã, um esforço dos Estados do Golfo para impedir que o que eles consideram um movimento houthi apoiado pelo Irã assuma o controle do Iêmen. A base naval e aérea emirática em Assab foi fundamental para bloquear os portos mantidos pelos houthis no Mar Vermelho e impedir o Irã de reabastecer os rebeldes. Nos últimos dois anos, houve um crescente clamor em relação ao potencial do Irã desenvolver capacidades navais de “águas azuis” que podem permitir que Teerã projete poder militar no oeste do Oceano Índico e no Mar Vermelho. De fato, foram os EAU que conseguiram isso primeiro, criando a infraestrutura básica para sustentar as operações de musculosas plataformas de combate de superfície, como as corvetas da classe Baynunah.

Além de contestar a expansão naval iraniana, bases como Assab poderiam contribuir para a profundidade estratégica dos Emirados Árabes Unidos em um eventual confronto com o Irã, ameaçado ou real. Enquanto todo o litoral da pátria emirática está dentro do alcance de mísseis iranianos, Assab fornece profundidade que pode permitir que uma força de reserva de combatentes de superfície, aeronaves e até submarinos emiráticos permaneça ativa e capaz de interditar a costa e o transporte do Irã durante uma guerra prolongada.

O histórico de envolvimento dos Emirados em operações expedicionárias tem sido bastante amorfo no passado, apontando para o desejo da federação de simplesmente "se envolver" em diferentes tipos de operações em muitas partes do mundo islâmico, sem necessariamente servir a qualquer roteiro estratégico mais amplo. Embora tenha evoluído da necessidade militar de apoiar a guerra do Iêmen, o desenvolvimento de Assab pode marcar o início de uma fase mais propositada e considerada da expansão militar emirática.

Alex Mello é analista de segurança líder do Horizon Client Access, um serviço de consultoria que trabalha com as principais empresas de energia do mundo.

Michael Knights é membro da Lafer no Instituto de Washington para a Política do Oriente Próximo. Ele trabalhou nos Estados do Golfo e no Iêmen como consultor das forças de segurança locais e como analista de conflitos regionais, incluindo as guerras do Iêmen contra os houthis, os secessionistas do sul e a AQAP.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

A Esparta no Golfo: a crescente influência regional dos Emirados Árabes Unidos2 de fevereiro de 2020.

Como os Emirados Árabes Unidos exercem poder no Iêmen22 de fevereiro de 2020.

Um tanque durão: por que o Leclerc da França é um dos melhores do planeta21 de fevereiro de 2020.

A Arábia Saudita tem o melhor equipamento militar que o dinheiro pode comprar - mas ainda não é uma ameaça para o Irã11 de abril de 2020.

Revelado: como as forças especiais sauditas capturaram o chefe do Daesh no Iêmen em uma ousada operação de 10 minutos9 de maio de 2020.

LIVRO: Lawrence da Arábia em Guerra9 de maio de 2020.