terça-feira, 21 de julho de 2020

China lança lições de patriotismo para jovens rebeldes de Hong Kong


Por Filipe do A. Monteiro, 21 de julho de 2020.

Conforme noticiado pela jornalista Did Tang, do The Times britânico, uma base de "educação em segurança nacional" para garantir que os estudantes de Hong Kong sejam suficientemente patrióticos foi aberta na cidade vizinha de Shenzhen, disse Pequim ontem, apenas três semanas após a imposição de uma lei de segurança nacional draconiana no território.

O centro está encarregado de ajudar os alunos de Hong Kong e Macau a "melhorar sua consciência constitucional e nacional por meio da educação", de acordo com a agência de notícias oficial Xinhua.



Du Ling, um alto funcionário do partido em Shenzhen, disse que a base “plantaria sementes de identidade nacional e espírito patriótico no coração de mais jovens de Hong Kong e Macau”.

Pequim criticou a educação de Hong Kong por falta de patriotismo e culpa a educação liberal no território pelo alto número de manifestantes estudantis no passado.


 Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

O fim da visão de longo prazo da China6 de janeiro de 2020.

Quer entender a história chinesa? Estes 5 eventos são a chave6 de janeiro de 2020.

Os EUA precisam de uma estratégia melhor para competir com a China - caso contrário o conflito militar será inevitável5 de fevereiro de 2020.

EUA rejeitam quase todas as reivindicações chinesas no Mar da China Meridional13 de julho de 2020.

O coronavírus pode ser o fim da China como centro global de fabricação, 10 de março de 2020.

Sim, a China estaria disposta a travar outra Guerra da Coréia caso necessário 21 de junho de 2020.

A guerra no Estreito de Taiwan não é impensável2 de junho de 2020.

O Dragão nos Trópicos: A expansão militar da China no hemisfério ocidental3 de agosto de 2019.

Chineses buscam assistência brasileira com treinamento na selva9 de julho de 2020.

GALERIA: Fuzis anti-material Zastava M93 modificados dos curdos peshmerga


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de julho de 2020.

O Zastava M93 Black Arrow é um fuzil anti-material calibrado em .50 BMG (12,7x99mm OTAN) ou no cartucho russo .50 DSHK (12,7x108mm), fabricado pelo arsenal sérvio Zastava. Ele foi projetado em 1993, logo após o esfacelamento da Iugoslávia, e entrou em produção em 1998. O objetivo principal desse fuzil é o engajamento de longo alcance e, por esse motivo, é fornecido apenas com uma mira óptica, incluída no conjunto do fuzil (ampliação de 8x com a distância ajustável até 1.800m). Sua montagem também aceita miras de outros fabricantes.


Os M93 em uso pelos curdos peshmerga ("aqueles que enfrentam a morte") são mais provavelmente calibrados em 12,7x108mm devido ao amplo suprimento de munição russa na área de operações. Sabe-se que as forças curdas usam o M93 há algum tempo em sua luta contra o Estado Islâmico (EI/ISIS), mas esse desenvolvimento recente mostra um Zastava M93 específico que foi modificado com um trilho picatinny elevado e a coronha Fab Defense SSR25 com um apoio da bochecha elevada para acomodar a montagem de uma luneta mais alta.

Coronha Fab Defense SSR-25.

A luneta não é identificada neste momento (as lunetas antigas são as Zrak-Teslicmas de 8x56), parece ter um ajuste de paralaxe e um retículo iluminado, além de torres muito altas que se adequam aos ajustes de longo alcance do cartucho. É possivelmente russo devido à presença de várias lunetas russas baratas que apareceram em toda a região. A luneta também é completamente diferente de outras lunetas em uso nos M93 não-modificados em uso em outros lugares com os curdos, identificados por uma tampa laranja na torre de ajuste do vento.






À primeira vista, parece que o trilho saiu de um Remington X2010, mas realmente não se encaixa no perfil. Inicialmente, uma outra possibilidade foi considerada do fuzil ser uma cópia modificada do Aspar Arms M93 produzido na Armênia, mas a direção da alça de transporte não corresponde àquela do fuzil da Aspar Arms. A presença dessas modificações parece ser feita profissionalmente. Se as modificações foram ou não feitas pelos curdos ou em outros lugares permanece sem resposta.

Aspar Arms M93.

A utilização de fuzis anti-material não é estranha aos curdos, com os fuzis Zagros (12,7mm) e Shei (14,5mm).


Bibliografia recomendada:

Sniper Rifles: From the 19th to the 21st century.
Martin Pegler.

Out of Nowhere: A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Estado Islâmico: Desvendando o exército do terror.
Michael Weiss e Hassan Hassan.

Leitura recomendada:


domingo, 19 de julho de 2020

Mais do que uma década após a reforma militar, o trote ainda atormenta o exército russo

O trote faz parte da vida dos recrutas do exército russo desde o final do século XVII. (Kirill Kukhmar/ TASS)

Por Alexey Zhabin, The Moscow Times, 18 de fevereiro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de julho de 2020.

Ter a palavra russa para "pinto" esculpida na testa com uma lâmina de barbear como punição por fumar um cigarro ilícito no banheiro do quartel foi a última gota para o soldado Artyom Pakhotin.

Duas semanas depois, em 19 de abril de 2018, ele se matou com um AK-74 durante a sessão de treinamento do seu pelotão na região de Uvers, em Sverdlovsk.

"Mãe, não acredite no que dizem. Eles estão me intimidando aqui, me exaurindo psicologicamente e extorquindo dinheiro... não vejo como posso continuar. Eu já estou muito cansado. Lamento que tudo tenha acabado assim”, disse sua última mensagem de texto para sua mãe, exibida no canal de televisão local da TVK.

O caso de Pakhotin não é único. A Dedovshchina, russo para trote, faz parte da vida de recrutas do exército russo desde o final do século XVII, quando o imperador russo Pedro, o Grande, introduziu o serviço militar obrigatório pela primeira vez.

Em 2008, as autoridades introduziram reformas que incluíam a redução do serviço obrigatório de dois anos para um e a alteração da estrutura de gestão e sistema educacional das forças armadas. O trote extremo persistiu até 2012, quando os efeitos das reformas se tornaram evidentes. Hoje, porém, recrutas chegando ao final de seu período de um ano ainda intimidam os recém-chegados através de estupros, espancamentos e humilhações, às vezes com consequências trágicas.

Em novembro de 2019, um recruta de 20 anos matou oito de seus colegas soldados na cidade de Gorny, no Extremo Oriente, dizendo que agiu em retaliação ao bullying e a uma ameaça de estupro.

"Lamento não ter conseguido me conter e ter recorrido a esse passo extremo, mas não tinha outra saída. Não aguentava mais maus-tratos", escreveu Shamsutdinov em uma carta aberta divulgada por seu advogado nas mídias sociais.


Conscritos servem por um ano.
(Zamir Usmanov/ TASS)

Não há estatísticas oficiais sobre o número de casos de trotes no exército, mas um relatório do site de notícias da RBC disse que em 2018 mais de 1.100 militares foram condenados por abuso de poder e 372 por violência.

O advogado e ex-soldado Alexander Latynin, membro do conselho de supervisão da ONG União das Mães dos Soldados da Rússia, estimou que o número relatado de condenações é apenas a ponta do iceberg.

"Recebemos cerca de 300 telefonemas por dia - 10% deles relatando incidentes de trote - juntamente com 20 e-mails por dia, um ou dois deles sobre trote", disse Latynin ao The Moscow Times, acrescentando que as outras queixas são sobre abusos verbais de oficiais, tratamento médico inadequado e falha das autoridades em suprir uniformes.

Todos os homens russos saudáveis são obrigados a completar um ano de serviço militar obrigatório antes de completarem 27 anos, embora milhares consigam evitá-lo, subornando funcionários e médicos de recrutamento. Segundo as estatísticas oficiais, existem 1,9 milhão de militares no exército russo, dos quais cerca de 80% são conscritos.

Outra ONG militar - Direito da Mãe - estima com base nos pedidos de ajuda que recebeu que apenas 4% das mortes de recrutas militares acontecem no cumprimento do dever, enquanto 44% são suicídios.

"Os recrutas enfrentam extorsão, espancamentos, intimidação, indução ao suicídio e outros crimes", disse a porta-voz Anna Kashirtseva.

Reformas foram introduzidas em 2008.
(Sergei Vedyashkin/ Moskva News Agency)

A RBC estimou que as condenações por abuso de poder no exército russo caíram pela metade nos últimos 10 anos, enquanto o número de condenações por violência caiu cinco vezes desde 2008.

O Ministério da Defesa não respondeu aos pedidos de comentários sobre a escala de trotes nas forças armadas.

Arseny Levinson, advogado do grupo de direitos humanos Cidadão e Exército, disse que o nível dos trotes caiu desde as reformas de 2008.

"As escalas de violência baseadas na hierarquia informal, a qual era baseada no período de serviço, diminuíram à medida que o tempo de serviço foi reduzido", disse Levinson.

Ele acrescentou que a tecnologia também ajudou, já que os smartphones e a Internet tornam mais difícil encobrir o trote.

No entanto, no ano passado, entrou em vigor uma lei que proíbe o uso de telefones e dispositivos com acesso à Internet para militares em serviço.

Timur Ilyasov, um recruta que serviu no noroeste da Rússia de 2018 a 2019, disse que a experiência de qualquer pessoa com trotes e bullying depende de suas características pessoais e que ele acredita que algum nível de atrito é normal em uma equipe militar.

"Se você se deixa intimidar, eles o intimidam e fazem você fazer o que querem... É apenas um ambiente masculino, a interação de 100 homens em um espaço fechado".

Ele disse que houve confrontos frequentes em seu pelotão, embora oficiais superiores monitorem os procedimentos de perto.

"Todas as noites eles examinam seu corpo e, se você tiver hematomas, você e seus supervisores serão penalizados", disse ele, acrescentando que isso faz com que os agressores sejam especialistas em administrar espancamentos com as palmas das mãos, para não deixar marcas.

Extorsão de dinheiro

Os comentaristas disseram que a natureza da dedovshchina também está mudando, com a extorsão de dinheiro desempenhando um papel mais central nos dias de hoje.

Latynin disse que o trote representa uma crise na sociedade russa e apontou que soldados instruídos e bem-disciplinados nunca zombam de outros.

A natureza fechada do sistema militar, a ausência de tempo de lazer normal para recrutas e o treinamento inadequado dos oficiais também contribuem para criar as condições para o trote, disse Levinson.

"Os soldados quase não têm licença, estão presos e isolados de parentes e do controle público", disse ele.

Latynin acredita que até 30% dos conscritos são impróprios para o serviço militar e estimou que eles levam de seis meses a um ano para se adaptarem à vida no exército.

Kashirtseva acredita que a dedovshchina ainda existe porque, na maioria dos casos, ninguém é responsabilizado por isso devido à falta de uma cultura legal no país.

"Os russos pensam que espancamentos, intimidação e extorsão no exército são uma escola da vida para os conscritos, da qual todo garoto precisa se formar para se tornar um homem de verdade", disse ela.

Bibliografia recomendada:

O Exército Soviético por dentro, de Viktor Suvorov.
O primeiro livro a falar sobre a dedovshchina.

Leitura recomendada:

Os condutores da estratégia russa16 de julho de 2020.

COMENTÁRIO: Putin como Líder Supremo da Rússia1º de fevereiro de 2020.

Unidade 29155 Revelada: Esquadrão Indiscreto da Rússia tem um histórico desleixado em toda a Europa11 de junho de 2020.

Recrutamento de Agentes Terroristas Ecológicos no Ocidente17 de fevereiro de 2020.

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?24 de fevereiro de 2020.

Pensando sobre Guerra - As muitas faces da Guerra do Peloponeso de Tucídides


Por Muskan, Medium, 24 de maio de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de julho de 2020.

Ao ler A História da Guerra do Peloponeso, você nem percebe o quão rico e denso é o texto. Eu li principalmente o texto como uma narrativa de guerra e, para os discursos brilhantes, no entanto, encontrei recentemente um curso que tratava da compreensão da estratégia através da leitura de Tucídides. O curso que é chamado de "Mestres da Guerra, os maiores estrategistas históricos da História" lista uma grande variedade de pensadores estratégicos e o que podemos aprender com eles.



Quem é um teórico estratégico?

Uma pessoa que é:

Historicamente consciente &

Usa o estudo da história para acostumar a mente à análise crítica.

Tucídides era um teórico estratégico?

Historicamente consciente

Em seu livro, Tucídides relata os eventos não apenas como uma narrativa, mas também expressa a história na forma de instrução. Nas páginas de abertura, ele menciona que as causas da derrota de Atenas devem ser uma lição para as gerações futuras que poderiam evitar esses erros.

A guerra como propósito político

Tucídides também destaca as origens políticas da guerra. Ele analisa os detalhes dos objetivos políticos de ambos os países envolvidos:

As razões de Esparta
  1. Atenas apoiou a cidade de Córcira contra Corinto, enquanto Corinto fundou Corcira e era aliada de Esparta.
  2. Atenas impôs sanções econômicas a Megara, que também era aliada de Esparta.
  3. Megara é geoestrategicamente importante para Esparta e Atenas a atacou.
Pode-se ver - Esparta, lá embaixo, Córcira (Corfu) no mar Jônico, Atenas sob Eubéia, Megara um pouco a noroeste de Esparta e Corinto, à esquerda de Megara.

A razão de Tucídides

Tucídides argumenta que essas foram mais razões catalisadoras do que as verdadeiras razões para Esparta entrar na guerra. O crescimento do poder de Atenas e impedir ainda mais a ascensão de Atenas foram a razão principal.

Diferença entre Esparta e Atenas

A prosperidade de Esparta veio dos Hilotas, que eram forçados a cultivar terras e gerar um excedente agrícola. Havia insegurança da constante ameaça de revolta. Esparta treinava principalmente para a guerra e era altamente militar. Eles não queriam guerra, exceto para fins honrosos. Para eles, então, essa guerra era principalmente pela liberdade em relação a Atenas e para estabelecer seu status quo.

Por outro lado, Atenas era um império indisciplinado, que se envolvia constantemente em pequenas guerras e a guerra não era grande coisa para eles.

Discursos de Péricles - O Estratego de Atenas

Vender a guerra aos cidadãos, os espartanos não podem sustentar a guerra, dada a natureza de sua economia. Eles foram forçados a atacar devido a seus aliados - Corinto.

Péricles.
A estratégia de Péricles - prudência e autocontrole

Péricles frustra Esparta, a principal estratégia é recusar-se a enfrentar os espartanos em uma batalha terrestre. Ele está adotando uma estratégia final negativa para voltar ao status quo. Em vez disso, ele ataca as costas litorâneas como medidas punitivas. 

Péricles é um líder brilhante que tenta conter o heroísmo marcial dos atenienses. Ele obtém sucesso em ordenar que os atenienses o seguissem. Ele também subordinou sua estratégia à imagem maior do imperialismo ateniense.

Liderança e subordinação da ação militar ao poder político

Péricles conhece Atenas e os espartanos, ele é eloqüente o suficiente para convencer os atenienses a seguirem a sabedoria dessa estratégia dolorosa, e protegeu a sua implementação.


Rei de Esparta - Arquídamo II
Arquídamo II.

Ele afirma que para os espartanos seria uma guerra muito difícil. Atenas é tudo que Esparta não era: uma democracia e uma potência naval. Os seus compatriotas subestimaram a dor que os atenienses podiam suportar. 

Dada que a maior força de Atenas era seu poder naval, para derrotá-la os espartanos precisavam de uma frota.

Tucídides tenta entender a estratégia dos dois lados

Os espartanos marcham direto para Atenas para obrigar os atenienses a enfrentá-los em batalha. Atenas, no entanto, se recusa.

A estratégia espartana durante a primeira guerra, conhecida como Guerra Arquidâmica (431–421 aC), derivado do rei Arquídamo II de Esparta, era invadir a terra ao redor de Atenas. Enquanto essa invasão privou os atenienses da terra produtiva em torno de sua cidade, Atenas em si foi capaz de manter o acesso ao mar e não sofreu muito. Muitos dos cidadãos da Ática abandonaram suas fazendas e se mudaram para dentro das Longas Muralhas, que ligavam Atenas ao porto de Pireu.

Qual é a melhor estratégia então?

Uma vitória decisiva ou atacar suas alianças? Estratégia direta versus indireta?

Tucídides explica o papel do acaso

Ele entende como a decisão em uma guerra é influenciada pelo acaso. O destino tem um grande papel.

O primeiro golpe é do acaso - pessoas foram amontoadas atrás dos muros e pragas devastaram a cidade e a morte de Péricles. Sem Péricles, Atenas foi dividida em três campos - negociar com os espartanos, seguir a estratégia de Péricles, uma guerra mais agressiva do que anteriormente.

O segundo golpe é do destino - de volta a Atenas, Cléon promete vitória rápida e consegue derrotar os espartanos, levando 100 prisioneiros hoplitas, o que causa um grande golpe aos espartanos.

Os espartanos mudam de estratégia: "Liberte os gregos para libertar nossos gregos"


Os atenienses obtêm o seu sucesso

Os atenienses oferecem termos o que foi sua estratégia inicial, excedendo seu sucesso, pois Cléon exige concessões ainda maiores. Ele quer manter os reféns, a fim de manter Esparta em xeque enquanto ele espera passar para a ofensiva contra eles.

Os espartanos contra-atacam

Os espartanos aprovam um plano dos generais de marchar seus mercenários até as terras dos atenienses para criar problemas. Eles conseguem capturar Anfípolis*. Este é um ponto crítico para Atenas, porquanto é a porta de entrada para três das suas principais importações: grãos, prata e madeira. Finalmente há paz.

Tucídides.

*Nota do Tradutor: Tucídides, um general ateniense, é ordenado a reforçar Anfípolis. O general espartano Brásidas, sabendo do reforço ateniense à caminho, ofereceu termos brandos aos citadinos e estes entregaram a cidade no mesmo dia que os reforços atenienses a alcançaram. Tucídides foi chamada de volta a Atenas, julgado pela derrota e exilado. Usando seu status de exilado de Atenas para viajar livremente entre os aliados do Peloponeso, ele foi capaz de ver a guerra da perspectiva de ambos os lados.

Tucídides - por que as nações buscam a paz e quão difícil é alcançar uma paz durável?

Três chances de fazer a paz

Durante a praga, Atenas busca termos, mas os espartanos não. Após a vitória de Cléon, aconteceu o contrário. Após a última guerra, ambos os lados têm vantagem, a circunstância ideal de exaustão e vantagem.

No papel, Atenas sai muito bem. Esparta faz as maiores concessões e ao renunciar à libertação de seus gregos, eles perdem sua credibilidade. No entanto, Anfípolis ainda é mantida como refém, colocando o centro comercial ateniense está em mãos hostis. Atenas vê a Paz de Nícias como uma pausa e não como um acordo.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

O Legionário romano, este atleta desconhecido27 de março de 2020.

Considerações sobre a contra-insurgência romana12 de fevereiro de 2020.

Ser um líder rebelde: desobediência disciplinada no exército18 de fevereiro de 2020.

Os Centuriões: 10 passagens que farão você refletir sobre guerra e liderança13 de abril de 2020.

sexta-feira, 17 de julho de 2020

GALERIA: Comandos Anfíbios Argentinos com o FAMAS

O comando anfíbio ajoelhado no centro porta um FAMAS G2.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de julho de 2020.

Baseados na cidade de Punta Alta e pertencendo à Fuerza de Infantería de Marina de la Flota de Mar (FIMFM), a Agrupación de Comandos Anfibios (APCA) é uma unidade de operações especiais da Infantería de Marina de la Armada de la República Argentina (IMARA) contando 600 operadores.

A APCA traça linhagem da Compañía de Exploración y Reconocimiento Anfibio, criada em 1966 e formada com base na Compañía de Infantería de Marina N.º 7. Sua primeira operação foi o assalto à Casa do Governador britânico em Stanley, nas ilhas Falklands, onde perderam o comandante da equipe de assalto: o Capitão-de-Corveta Pedro Giachino, a primeira baixa da Guerra das Falklands. Os comandos anfíbios argentinos foram fotografados após a rendição do governador usando camuflagem facial preta e toucas de lã. A foto do Primeiro-Cabo Jacinto Batista, armado com uma submetralhadora Sterling, balizando Royal Marines prisioneiros rodou o mundo tudo. Após a invasão inicial, os Comandos Anfíbios atuaram em funções de reconhecimento e vigilância.

O comando da direita tem uma luneta no seu FAMAS.

Comando anfíbio exibindo o raríssimo FAMAS G2 Comando, de cano curto.

Distintivo da APCA.

Comando anfíbio armado com o FAMAS G2 em companhia de comandos do exército (boinas verdes).

FAMAS G2 do observador apoiado no bipé.

Bibliografia recomendada:

Le FAMAS et son histoire.
Jean Huon.

Argentine Forces in the Falklands.
Nicholas van der Bijl.
A ilustração do centro é o Primeiro-Cabo Jacinto Batista. 

Leitura recomendada:

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu, 22 de abril de 2020.

quinta-feira, 16 de julho de 2020

Os condutores da estratégia russa


Por Michael Kofman, Russian Military Analysis, 1º de maio de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de julho de 2019.

A Rússia parece ressurgir na política internacional, entrincheirada em um crescente confronto com os Estados Unidos, ao mesmo tempo em que representa um desafio cada vez mais global para um estado que apenas recentemente foi considerado pelo ex-presidente dos EUA como uma potência regional em declínio. A política costuma ser uma questão de percepção. Na concepção ocidental, a Rússia normalmente existe em um dos dois estados analíticos, declínio ou ressurgimento. Tais representações são frequentemente combinadas com outra dicotomia, uma Rússia que é tática e oportunista, ou uma dirigida por uma estratégia coerente de organização central. Essas concepções não são especialmente úteis. O oportunismo deve ser avaliado dentro da estrutura de uma liderança russa com uma visão e um consenso relativo sobre o papel desejado do país nos assuntos internacionais, isto é, decisões táticas tomadas na busca de um estado final desejado. Declínio e ressurgimento são termos relativos, baseados mais na percepção, do que métricas úteis do poder econômico e militar.

Soldado russo na Chechênia queimando dinheiro soviético, completamente sem valor, em 1995.

Moscou foi amarrada a ciclos históricos de ressurgimento, após períodos de declínio, com estagnação após a mobilização. Mas, afastando-se desse padrão, pode-se ver facilmente que, ao longo dos séculos, a Rússia tem sido e continua sendo hoje uma grande potência duradoura. A Rússia é mais bem caracterizada como uma grande potência relativamente fraca, habitualmente atrasada em tecnologia e desenvolvimento socioeconômico em comparação com os contemporâneos. Portanto, a visão estratégica de Moscou sempre foi moldada tanto pelas percepções de vulnerabilidade, ameaças externas e domésticas, quanto pela ambição e uma busca por reconhecimento.

A União Soviética foi de longe a mais fraca das duas superpotências, apesar de ter se mostrado um adversário capaz dos Estados Unidos na segunda metade do século XX. Da mesma forma, o império russo, apesar dos momentos de força geopolítica, se viu enfrentando adversários mais capazes e tecnologicamente superiores em seu próprio tempo, e forças centrífugas de dentro. A tomada de decisão, a estratégia e o pensamento militar da Rússia permanecem profundamente influenciados pela história do país, uma visão compartilhada entre a elite dominante do lugar de direito da Rússia no sistema internacional e uma forte crença na eficácia das forças armadas como instrumento do poder nacional.

Exército russo avançando em Tskhinvali durante a invasão da Geórgia, 2008.

Além disso, não é necessariamente um prólogo, mas a história tem uma influência profunda na estratégia russa, a teoria do estado de como obter segurança para si e expandir a influência na política internacional. Embora não possua o dinamismo econômico dos concorrentes atuais, o Estado russo tem demonstrado propensão a assumir poderes mais fortes, que competem efetivamente na política internacional bem acima de seu poder relativo, ou, para simplificar, acima de seu peso. Ao mesmo tempo, a Rússia sofreu períodos de estagnação, instabilidade interna e ocasional colapso estatal, muitas vezes se engajando em ciclos de reconstrução ao invés de construção.

A estratégia russa para a competição de grandes potências começa com uma decisão de estabelecer dissuasão convencional e nuclear credível, moldando positivamente o equilíbrio militar, que paradoxalmente concede a Moscou confiança para se engajar em concorrência indireta contra os Estados Unidos. Essa é uma estratégia de imposição de custos e erosão, uma abordagem indireta que pode ser considerada uma forma de incursão. Enquanto a dissuasão convencional e nuclear se mantiver, ela torna várias formas de competição abaixo do limiar da guerra não apenas viáveis, mas altamente atraentes. Moscou espera se tornar um grande espinho estratégico pressionando os Estados Unidos, envolvendo-se em arbitragem geopolítica, estabelecendo-se como um intermediário de poder barato e enfraquecendo efetivamente as instituições que fortalecem a ação coletiva ocidental. Por fim, a Rússia busca um acordo, não baseado no equilíbrio de poder real no sistema internacional, mas vinculado ao seu desempenho na competição. Esse acordo pode ser melhor comparado a uma forma de afastamento, reconhecimento de status e privilégios ou entendimentos decorrentes, que têm profundas ramificações geopolíticas para a política na Europa.

O desafio russo

Príncipe Bagration na Batalha de Borodino, 1812.
(Quadro de Alexander Yurievich Averyanov)

A Rússia se mede primeiro e principalmente contra os Estados Unidos e, quando busca reconhecimento, atenção ou busca de um acordo, é o desejo de Moscou de negociar com Washington mais do que qualquer outro poder. Moscou vê a OTAN como o Pacto de Varsóvia dos EUA, não uma aliança de defesa coletiva em que as políticas ou pontos de vista de cada estado são importantes. O desafio russo e, conseqüentemente, os insumos da estratégia russa podem ser definidos estritamente como um concurso nascido de visões conflitantes para a arquitetura de segurança da Europa, o esforço da Rússia em restaurar uma esfera privilegiada de influência na antiga União Soviética e uma diferença fundamental na perspectivas normativas sobre a condução das relações internacionais, é assim que os estados devem se comportar na política internacional e, portanto, qual deve ser o caráter da ordem internacional.

Os líderes russos buscam uma revisão do acordo pós-Guerra Fria na Europa, tendo concluído que não têm interesse na atual arquitetura de segurança da Europa. Moscou vê o período pós-Guerra Fria como algo semelhante ao tratado de Versalhes, uma ordem imposta em um momento de fraqueza russa. As fronteiras russas hoje refletem mais de perto o Tratado de Brest-Litovsk de 1918, assinado pelos bolcheviques com as potências centrais da Primeira Guerra Mundial, e, embora a Rússia não seja principalmente expansionista, sempre buscou profundidade geográfica contra as potências mais fortes da Europa. Não tendo nenhuma participação no atual quadro de segurança europeu, a liderança da Rússia seguiu uma estratégia tradicional para obter segurança através do estabelecimento de estados-tampão contra bloqueios político-econômicos ou militares. Essa é uma estratégia de defesa estendida, carregada de vulnerabilidade, e um consenso que surgiu após a Operação Barbarossa em 1941 nos círculos estratégicos russos de que a Rússia nunca mais deve ser colocada na posição de combater um conflito de escala industrial em seu próprio território.

Exército alemão avançando União Soviética adentro durante a Operação Barbarossa, 1941.

Os estados-tampão não são neutros por design, mas representam um cálculo de soma zero, pois são os amortecedores da Rússia contra a OTAN ou, inversamente, os amortecedores da OTAN contra a Rússia. Moscou acredita que deve impor soberania limitada a seus vizinhos, a fim de controlar sua orientação estratégica. Os líderes russos passaram a ver os vizinhos como passivos, que muitas vezes apoiarão as grandes potências opostas. Esse processo levou a uma profecia auto-realizável: ao usar a força para impor sua vontade, Moscou inspira a apreensão e o comportamento de cercamento entre seus vizinhos, o que os leva a equilibrar e conter a Rússia em primeiro lugar. Embora Moscou sempre busque corrigir essas tendências por meio de instrumentos não-forçosos para manter sua influência, diante de perdas ou derrotas geopolíticas, invariavelmente recorre ao uso da força, colocando-se como a ameaça revisionista aos seus vizinhos.

Além de perseguir a segurança, a Rússia procura restaurar uma esfera privilegiada de influência, acreditando ser o legítimo hegemon em sua própria região, e reintegrar o antigo espaço soviético na medida do possível em torno de sua própria liderança. No entanto, Moscou carece dos meios econômicos, ou de um modelo atraente de desenvolvimento para outros estados, ainda testemunhando uma fragmentação constante da influência sobre seus países "próximos ao exterior". Há outras forças em jogo. Há um século, a Rússia se encontrava entre duas potências dinâmicas em ascensão, a Alemanha e o Japão. Hoje, está entre duas potências econômicas expansionistas, a China e a União Européia, ambas mais atraentes para os estados vizinhos.

O pensamento russo de longo prazo é conduzida por uma visão de Moscou no centro de sua própria esfera de influência, mas, na prática, a política russa é definida pela aversão à perda, tentando controlar o lento desenrolar da influência russa no que antes constituíra o antigo império soviético. Não muito diferente de outras potências, a estratégia russa é deliberada, mas também o produto de reações a crises, e em parte emergente na prática. Moscou vê os Estados Unidos como instrumentais por trás dessa entropia geopolítica e, embora as elites russas não vejam seu país em declínio, elas ainda são incomodadas com a atração gravitacional de estados mais dinâmicos, versus sua própria estagnação econômica sem brilho.

Fuzileiros navais russo e sírio durante um exercício conjunto na cidade portuária síria de Tartus, em 17 de maio de 2017.

Além da defesa estendida e de se restaurar como hegemonia regional dominante dentro da sua própria região, a cultura estratégica russa não se livrou da percepção de que o país é uma grande potência providencial. Moscou vê esse status como de fato hereditário. A Rússia tem um papel especial no mundo porque é a Rússia, e Moscou acredita que tem uma missão. Nascida de sua herança soviética, hoje a Rússia se considera responsável pela segurança internacional, em grande parte por causa do seu arsenal nuclear estratégico e poder militar substancial, e igualmente porque pode desempenhar o papel de um contrapeso conservador ao revisionismo ideológico americano. Seja na Síria ou na Venezuela, a Rússia se considera uma defensora do status quo internacional e do sistema nacional de estado, enquanto vê os Estados Unidos como uma força radical que revisa os assuntos internacionais.

A perspectiva russa dificilmente é diferente de outras grandes potências clássicas, a maioria das quais praticava uma forma de excepcionalismo e hipocrisia de grande potência. No entanto, a visão de Moscou empresta coerência intelectual às ações mais básicas de sua política externa, além da mera busca de segurança à custa da soberania de outros, ou simplesmente mais poder. A Rússia é uma potência cínica, mas as elites russas têm uma visão e uma história que contam a si mesmas sobre o "porquê" da política externa russa. A atual concepção russa de seu papel nos assuntos internacionais está intrinsecamente ligada aos Estados Unidos, e é por isso que Moscou está em uma eterna busca por reconhecimento e em um acordo com Washington.

Um choque de visões

Churchill, Roosevelt e Stalin na Conferência de Yalta, 1945.

Menos reconhecido é o embate fundamental nas perspectivas da política internacional e a conduta dos assuntos entre os estados. Moscou quer fazer parte de todas as instituições que governam a atual ordem internacional e participar de grupos de contato ou fóruns de discussão para várias questões internacionais, ou seja, promover seus interesses e ser visto como um sistema que determina o poder nos assuntos internacionais. Isso não é incomum, nem é a fonte do conflito com Washington. O problema é que a Rússia mantém uma visão do sistema internacional que vê apenas grandes potências como tendo verdadeira soberania e a capacidade de conduzir uma política externa independente. Pequenos estados inerentemente têm soberania limitada a partir dessa perspectiva. Mais importante, o objetivo da política internacional é garantir a estabilidade ou a "previsibilidade" das relações entre as grandes potências, evitando uma guerra de grande potência. Portanto, na concepção russa, não apenas as potências nucleares são as primeiras entre iguais, mas os interesses de outros estados estão subordinados a essa busca. Moscou pensa que um mundo estabilizado por esferas de influência (Yalta, 1945) e arbitragem entre um concerto de poderes (Concerto da Europa em 1815) é o sistema mais estável e com maior chance de perseguir seus próprios interesses.

Notavelmente, essa visão coloca primazia na força e status militares como potência nuclear, sobre o desempenho econômico. Os líderes russos também chegaram a acreditar que, como o Ocidente enfatiza a soberania individual e os direitos humanos acima do poder do Estado, ele inerentemente não vê regimes autoritários como legítimos ou com interesses legítimos. Assim, emerge uma perspectiva mutuamente exclusiva da política internacional, onde a Rússia sente que está de um lado do argumento com a China, promovendo uma ordem internacional conservadora com preferência aos interesses das grandes potências e, por outro, uma visão ideológica que promove a independência de estados menores e a liberdade dos indivíduos em seus respectivos sistemas políticos.

Soldados soviéticos e britânicos durante a ocupação conjunta do Irã, em 1941.

Os EUA podem ver a agenda de Moscou como fundamentalmente retrógrada, mas o núcleo ideológico visível no centro do consenso de política externa de Washington convenceu a liderança da Rússia de que os Estados Unidos sempre buscarão mudanças de regime na Rússia e nunca reconhecerão o regime autoritário de Vladimir Putin como tendo interesses legítimos. A interpretação de Moscou da intenção dos EUA tende ao paranóico, entregando-se a narrativas infundadas da subversão política organizada dos EUA na periferia da Rússia. No entanto, ao mesmo tempo, a visão de Washington para a integração da Rússia com o Ocidente sempre teve um componente de mudança de regime não-declarado, presumindo que isso encorajaria Moscou a fazer uma transição democrática. Moscou percebe corretamente um impulso missionário no centro da política externa dos EUA.

Os caminhos da estratégia russa

General Shoigu, ministro da Defesa, estudando geografia.

A Rússia sempre foi melhor em alavancar instrumentos militares e diplomáticos do poder nacional em oposição à sua economia. Moscou investiu pesadamente na restauração do poder militar convencional, construindo um exército equilibrado que inclui uma força de propósito geral para conflitos locais, um dissuasor convencional não-nuclear e um arsenal nuclear capaz para a guerra nuclear no teatro de operações. Isso permite que Moscou imponha sua vontade aos vizinhos por meio de operações convencionais limitadas, mas, e de forma mais importante, se envolva em negociações coercitivas e manipulação de riscos contra os Estados Unidos e a OTAN. Inerente à estratégia russa está a presunção de que os interesses em jogo favorecem Moscou nessas competições, permitindo à Rússia ameaçar ataques convencionais de longo prazo em crises nas quais os adversários podem recuar. Escalada nuclear escalável está sempre sobre a mesa - algo para se pensar. Como conseqüência, o desafio para o Ocidente não é simplesmente uma lacuna de capacidade, mas uma lacuna cognitiva na compreensão do que importa no caráter moderno da guerra entre grandes potências.

A estratégia militar russa é fortemente influenciada pelas perspectivas sobre o caráter atual e emergente da guerra, considerando-a baseada na blitzkrieg com armas guiadas de precisão de longo alcance e em uma disputa pela superioridade da informação. O Estado-Maior da Rússia vê a guerra como de natureza sistêmica ou 'nodal', em que um sistema militar possui nós críticos que podem destruir sua capacidade de lutar e, da mesma forma, um sistema político possui elementos essenciais à sua vontade ou resolução política em uma crise. Os conceitos operacionais russos são voltados para moldar o ambiente durante um período ameaçado de guerra e alcançar o sucesso em uma competição de sistemas durante o período inicial da guerra. Há pouca noção no pensamento militar russo de uma guerra apenas convencional com a OTAN ou que, além de um período inicial decisivo de guerra, provavelmente haverá outras fases prolongadas, ou seja, um lado será comprovadamente bem-sucedido nas primeiras semanas da disputa. Desde o início, Moscou está decidida a empregar armas nucleares não-estratégicas, caso se encontre no lado perdedor da guerra.

Sistema de míssil inter-continental RS-24 Yars (SS-27 Mod 2) na Sibéria, 2017.

Nas competições, a Rússia usou o poder militar com base em suficiência razoável, não buscando a superação tanto quanto o poder coercitivo para alcançar os objetivos políticos desejados. As guerras recentes demonstraram alguma eficácia no emparelhamento da guerra indireta com o poder militar convencional, mas, em última análise, é o poder militar duro que alcançou os resultados desejados em disputas locais. O Estado-Maior Geral da Rússia valoriza a utilidade da guerra política e acredita que um conflito começará com subversão política organizada, guerra de informação e coisas do gênero. No entanto, eles vêem esse desafio sub-convencional como a vanguarda de uma ponta-de-lança, onde o verdadeiro poder coercitivo vem do poder militar tecnológico ocidental e do impressionante arsenal de armas guiadas com precisão. Moscou vê a guerra sem contato e a blitzkrieg aeroespacial, como os elementos definidores do modo de guerra ocidental. Eles são combinados com a subversão política para criar revoluções coloridas dentro da esfera de influência auto-atribuída da Rússia. Os elementos convencionais são, portanto, o golpe final de uma guerra não-declarada que começa com meios não-militares.

Apoiada por um crescente dissuasor convencional e nuclear, Moscou está mais confiante em perseguir a competição indireta por meio de hackers, guerra política e outras formas de coerção contra os Estados Unidos, na esperança de impor custos ao longo do tempo. Essa é uma forma de retaliação pelas sanções ocidentais e uma abordagem mais 'medieval' às disputas de grande potência, alavancando a capacidade de alcançar e afetar diretamente a coesão política entre os estados ocidentais. É mais eficaz quando se considera os esforços ocidentais para reduzir o papel do Estado-nação e estabelecer economias interdependentes baseadas na liberdade de circulação de bens e mão-de-obra. A Rússia combina a imposição de custos sobre os Estados Unidos com uma série de apostas no cenário global para estabelecer um papel de arbitragem ou tornar-se um intermediário de poder em competições, conflitos ou questões de interesse do Ocidente. O objetivo final é criar custos de transação para a política externa dos EUA, forçar o Ocidente a lidar com Moscou, com o eventual desejo de forçar uma negociação sobre os principais interesses russos descritos acima.


Um terceiro esforço está centrado nas principais potências da Europa, criando dependências assimétricas por meio de gasodutos, comércio ou outros acordos com suas respectivas elites. A Rússia é mais poderosa que qualquer Estado europeu, mas muito mais fraca que a União Européia. O problema de Moscou no relativo equilíbrio de poder é auto-evidente, portanto, a Rússia procura enfraquecer a capacidade européia de ação coletiva e o papel das instituições que limitam sua liberdade de manobra na política externa. A Rússia está menos interessada na coesão da OTAN e mais preocupada com a atratividade e o expansionismo econômico da UE. A OTAN, na concepção russa, é simplesmente uma cabeça-de-ponte para a projeção do poder militar americano.

A UE não é simplesmente um projeto europeu, mas também uma conseqüência da grande estratégia dos EUA. Ou seja, a Europa não goza de autonomia estratégica de Washington. A Rússia se recusa a aceitar um teatro europeu de operações militares, onde os EUA gozam de domínio militar, enquanto seu aliado, a UE, tem primazia econômica e política. Portanto, na medida do possível, a Rússia trabalhará ativamente para incentivar forças centrífugas no continente, esperando restaurar a primazia política do Estado-nação e o ressurgimento de um sistema de poderes semelhante a um concerto sobre aquele de blocos políticos ou militares . A influência política russa, operações de informação e esforços semelhantes estão vinculados por essa visão geral, não para o revisionismo geográfico, mas para a restauração do poder relativo da Rússia nos assuntos europeus.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada: