sábado, 11 de abril de 2020

O exército chinês ainda está treinando com tanques muito antigos

Coluna de tanques chineses Tipo 59 durante o exercício nas Montanhas Tian Shan, 6 de dezembro de 2017. (China Military Online)

Do blog 21st Century Asian Arms Race, 23 de dezembro de 2017.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de abril de 2020.

À medida que a tecnologia letal se estende a munições planadoras e mísseis de cruzeiro hipersônicos, alguns sistemas modernos de armas muito datados ainda estão em serviço com o maior exército do mundo. No início deste mês, o portal de notícias do PLA divulgou fotos de um "exercício de manobra de longa distância" realizado em 6 de dezembro envolvendo o Comando Militar de Xinjiang.

Tropas de uma unidade mecanizada não-especificada levaram seus tanques Tipo 59 e transportes Tipo 63 com meio século de idade para praticar nas encostas nevadas das Montanhas Tian Shan. O exercício é a prova mais recente de que o exército chinês mantém muito do seu hardware obsoleto em condições de funcionamento.

O tanque Tipo 59 é um clone do T-55 soviético, cujo número total de produção é estimado entre 53.000 a 80.000 construído em um período de 40 anos, e foi montado pela primeira vez em Baotou, na Mongólia Interior, a partir de 1958. Não há números exatos de produção para o Tipo 59, embora especule-se que mais de vários milhares foram construídos e depois adotados pelo PLA e por clientes estrangeiros.


Nos 26 anos seguintes, o Tipo 59 foi transformado em um tanque leve reduzido, um tanque anfíbio com um casco especialmente projetado para travessias de água e, em seguida, uma variante atualizada para exportação - o Tipo 69 e o Tipo 69-II. O Tipo 59 está armado com cópias chinesas do canhão raiado de 100mm D-10T2S, a metralhadora pesada de 12,7mm DShK e uma metralhadora coaxial de 7,62mm PKT. Como medida defensiva, o Tipo 59 pode lançar uma cortina de fumaça através do escapamento do motor para ocultar seu movimento.

Os exercícios de 6 de dezembro nas Montanhas Tian Shan mostraram o transporte blindado Tipo 63, também conhecido como YW 531, que costumava ser o principal transporte sobre lagartas do PLA. Seu desenho rudimentar e seu fraco armamento - sendo uma única metralhadora de 12,7mm - o coloca em inferioridade em comparação com os táxis de batalha mais novos e sobre rodas. Para ser justo, o Tipo 63 é um tanto versátil e foi usado como base para um obus autopropulsado. A Coréia do Norte até modificou seus próprios Tipo 63 para transportar lançadores múltiplos de foguetes de curto alcance.

Se o desdobramento desses veículos antigos em Xinjiang prova alguma coisa, é a luta do PLA para concluir sua "modernização". Até o presidente Xi Jinping disse a seus generais que um cronograma generoso que se estende até 2035 continua sendo o caminho mais seguro para tornar as forças armadas uma instituição de classe mundial.


Mas outra razão pela qual os tanques e transportes da era Mao ainda são mantidos operacionais pode ser a sua utilidade em terrenos difíceis. Assim como o PLA quer tanques mais leves, mas fortemente armados, para as províncias do sul, qualquer guarnição encarregada de defender as montanhas e vales de Xinjiang é melhor servida por um tanque médio confiável que não pesa mais de 40 toneladas. O canhão do Tipo 59 é formidável o suficiente contra tanques de primeira e segunda geração, mas não se sairia bem contra os gigantes digitalizados de hoje. Além disso, não há ameaças convencionais do vizinho Quirguistão, Cazaquistão e Rússia, de modo que o PLA pode se dar ao luxo de não atualizar seus blindados na região.

Devido à sua idade e características, o Tipo 59 tem mais do que algumas falhas gritantes. Assim como seu colega soviético, seu registro de combate é misto e geralmente pouco impressionante. Em meados da década de 1960, os tanques Tipo 59 foram entregues ao Paquistão e cruzaram o norte da Índia na guerra de 1971 sobre o Bangladesh. Uma brigada inteira foi quase aniquilada pelos jatos Hunter da Índia, fabricados na Inglaterra, fora da cidade de Longewala.

20 anos depois, centenas de carros Tipo 69 II atualizados iraquianos não conseguiram parar a contra-ofensiva liderada pelos EUA para expulsar o Exército Iraquiano do Kuwait na Operação Tempestade no Deserto. O transporte blindado Tipo 63 no Iraque também não demonstrou seu valor. Tanto o T-55 quanto o Tipo 59 têm o benefício de uma armadura e mobilidade decentes. Suas desvantagens, no entanto, são muitas para ignorar. O interior é apertado e o armazenamento de munição é aleatório. Um sistema obsoleto de controle de incêndios e sistemas ópticos ruins para o comandante e o artilheiro tornam seu desempenho em combate questionável.

Soldados americanos inspecionam um Tipo 69-II abandonado no deserto do Kuwait. (Wikipedia Commons)

Se o PLA finalmente aposentar seus 4.000 (de mais de 7.000 tanques) do Tipo 59, estes poderão ser sucateados ou atribuídos a diferentes funções. Em 2017, a Norinco apresentou um Tipo 59 configurado como um transporte de tropas que tinha uma torre armada com um canhão de 30mm. Outra opção para estender a utilidade do tanque é uma revisão radical.

Métodos modernos de montagem de veículos podem ser usados para reconstruir um Tipo 59 com melhor blindagem, armas maiores e eletrônicos atuais; Irã, Paquistão, Rússia e Ucrânia têm programas para ressuscitar seus tanques antigos. O mesmo acontece com a China e, em 2011, a Norinco entregou o Tipo 59 para a Tanzânia reconstruído com o mesmo padrão que o Tipo 96A. Ao considerar essas opções, o futuro do Tipo 59 parece promissor.

Original: https://21stcenturyasianarmsrace.com/2017/12/23/the-chinese-army-is-still-training-with-very-old-tanks/

Leitura relacionada:

GALERIA: Manobra blindada nas Montanhas Celestiais11 de abril de 2020.

Por que a China tem quase 7.000 tanques?26 de janeiro de 2020.

CHINA NORTHERN INDUSTRIES GROUP CORPORATION TYPE 99. A terceira geração de MBTs chineses16 de maio de 2016.

A China tem um novo tanque: eis o que sabemos sobre o Tipo 1516 de janeiro de 2020.

Rússia restaura tanques T-34 soviéticos recuperados no Laos, 1º de março de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas29 de março de 2020.

A guerra de fronteira com o Vietnã, uma ferida persistente para os soldados esquecidos da China7 de janeiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário