terça-feira, 14 de abril de 2020

Arte, ofício ou ciência: Como pensamos sobre liderança militar


Por Therese Heltberg, Modern War Institute, 29 de dezembro de 2016.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de abril de 2020.

Apenas uma fortaleza final está no caminho da vitória romana e da promessa de paz em todo o império.

Essas palavras aparecem na tela na cena de abertura do filme Gladiador. Os soldados estão fazendo fila para a batalha contra as tribos bárbaras na Germânia. O personagem de Russell Crowe, o general romano Maximus Decimus Meridius, caminha ao longo das fileiras do exército. Os soldados se levantam quando ele se aproxima, olhando-o com respeito e admiração. Maximus parece calmo e determinado enquanto ordena: "Ao meu sinal, desencadeie o inferno".

Gladiador (Gladiator, 2000).

Nesse momento crítico, nessa batalha crucial, Maximus segue em frente para liderar a parte perigosa e decisiva da manobra tática atrás das linhas inimigas. Na floresta onde a cavalaria o espera, ele inspira coragem em seus homens, validando o legado duradouro de suas ações naquele dia, ligando passado, presente e futuro. "Irmãos, o que fazemos na vida ecoa na eternidade."

O líder militar, o comandante, é uma figura central em nossas narrativas comuns sobre a guerra. O Gladiador é apenas um de um grande número de filmes e livros populares que se concentram em grandes líderes militares. Mas há uma escassez surpreendente de ênfase acadêmica contemporânea na teoria da liderança militar. Recentemente, examinei os resumos de artigos publicados nos últimos cinco anos em três periódicos científicos internacionais sobre estudos militares (dois dos quais foram classificados nas vinte principais publicações de estudos militares no Google Scholar). Curiosamente, encontrei muito poucos artigos relacionados à teorização sobre liderança militar - ou seja, artigos que tratam de como entender, conceituar ou desenvolver liderança militar a partir de uma perspectiva teórica. Embora uma multiplicidade de livros e artigos científicos se preocupe com liderança e gerenciamento geral, parece a partir dessa seleção de artigos que a atenção acadêmica à liderança militar é bastante mais escassa. Nesta seleção de artigos, a liderança militar costumava ser incorporada a outros temas centrais, como motivação em combate, operações militares, coesão de unidades ou valores e identidades dos soldados. Aparentemente, a literatura sobre liderança militar geralmente assume a forma de relatos pessoais de oficiais militares, por exemplo, ou monografias históricas sobre grandes líderes militares, batalhas e estratégias de guerra.

Marcel Bigeard com oficiais franceses durante a Operação Castor, 1953.

Podemos nos perguntar por que esse é o caso. Por que os estudos militares, como disciplina acadêmica, não estão mais preocupados em teorizar sobre liderança militar? Em parte, isso ocorre porque, no passado, livros e teorias sobre liderança eram simplesmente livros sobre liderança militar. Não havia necessidade de enfatizar a parte militar; isso era subentendido. Porém, no século passado, com a sociedade industrial em ascensão, a expansão do setor público e o surgimento de grandes empresas privadas multinacionais, as teorias sobre liderança se desenvolveram para olhar muito além do campo de batalha.

É característico da liderança militar e da liderança cívica que seu objetivo principal não é o desenvolvimento do conhecimento em si, mas o uso do conhecimento. As teorias sobre liderança militar são principalmente interessantes para a profissão militar, na medida em que são capazes de contribuir, por exemplo, para análises, processos de tomada de decisão, prática de comando, recrutamento ou treinamento. Outros campos profissionais, como trabalho policial ou enfermagem, também são caracterizados por esse entrelaçamento de teoria e prática. No entanto, o desenvolvimento do conhecimento é essencial para a prática da liderança militar, principalmente porque as faces da guerra, conflito, estabilização e paz estão mudando continuamente.


Recentemente, reli o livro Managing pelo professor canadense de estudos de administração Henry Mintzberg. Nele, Mintzberg desenvolve ainda mais pensamentos de um livro anterior, Managers Not MBAs. Ele sugere que a prática e os estilos de gerenciamento possam ser visualizados como um triângulo cujas três pontas representam o gerenciamento como uma arte, como um ofício e como informado pela ciência.

Arte: Visão, idéias criativas. Ciência: Análise, evidência sistemática. Ofício: Experiência, aprendizado prático.

O gerenciamento como arte está relacionado à necessidade dos gerentes serem visionários e criativos. Eles precisam ter idéias e poder sintetizar e integrar diversos interesses e pontos de vista. A gestão como ofício está relacionada à aquisição prática e uso do conhecimento em seu contexto relevante. A contribuição científica para as práticas de gerenciamento é o fornecimento de ordem e significado através da análise sistemática da prática, experiência e conhecimento assumido. O objetivo da representação do triângulo é colocar em perspectiva várias concepções, para que possamos ver mais facilmente o que cada uma delas acentua e o que elas colocam em segundo plano.


Enquanto lia o livro, as três categorias de gerenciamento de Mintzberg me pareciam de alguma forma familiares. Reconheci sua relevância nas discussões que tive com colegas das forças armadas dinamarquesas. Percebi que, às vezes, quando idéias, expectativas ou sugestões colidem, é simplesmente porque pensamos de maneira diferente sobre liderança militar; porque nossas imagens conceituais do que é liderança militar são diferentes. A questão é que a maneira como percebemos a liderança militar - como arte, ofício ou ciência - enquadra nossas percepções de como os líderes devem liderar na prática. Isso influencia nossos julgamentos e prioridades. A percepção da liderança militar como uma arte pode nos levar a enfatizar a preparação de indivíduos talentosos e a incentivar o estabelecimento de estruturas educacionais e organizacionais centradas no desenvolvimento da carreira individual. Essa percepção da liderança militar é popular nas narrativas e imagens cotidianas - filmes, livros e coisas do gênero. Nessas narrativas, o líder militar é um determinante chave do sucesso ou fracasso de uma determinada campanha militar. Embora essa perspectiva possa contribuir para mais criatividade, sensibilidade, intuição e pensamento pronto para uso em organizações militares, também pode favorecer o individualismo e a glorificação dos indivíduos à custa de reconhecer a importância dos esforços coletivos.

A visão da liderança militar como um ofício depende principalmente da experiência prática. Essa perspectiva pode favorecer o desenho da educação militar e das estruturas organizacionais que apóiam o desenvolvimento profissional por meio de experiências tangíveis e compartilhamento de experiências. A visão da liderança militar como um ofício também pode nos tornar mais propensos a enfatizar o desenvolvimento de ferramentas operacionais, como doutrinas militares e procedimentos operacionais padrão. Em seu arquétipo, a idéia de liderança militar como um ofício pode enfatizar a própria experiência (limitada) dos líderes, com a exclusão de idéias e teorias provenientes de fora da profissão militar. Isso foi chamado de efeito "Não inventado aqui".


Da perspectiva centrada na ciência, a idéia de observação e reflexão sobre a prática individual e organizacional é fundamental para a qualidade e o desenvolvimento da liderança militar. A perspectiva científica pode, em maior grau, incentivar o convite de outras disciplinas - sociologia, estudos culturais, teoria geral da liderança etc. - para informar e desenvolver a prática da liderança militar. No lado negativo da perspectiva científica, podemos apontar para a multiplicação de tecnologias de gerenciamento, como Indicadores Principais de Desempenho, Indicadores Equilibrados, sistemas de gerenciamento de riscos, análises de desempenho, modelos de controle de tempo e sistemas de avaliação que permeiam muitas organizações atualmente. Embora cada uma dessas tecnologias possa ser útil em seu objetivo específico, parece que, em sua totalidade, em vez de ajudar os líderes a gerenciar, elas geralmente estão gerenciando os líderes.

A mensagem de Mintzberg não é que as três categorias sejam mutuamente exclusivas. Pelo contrário, ele argumenta que gerenciamento ou liderança útil deve combinar os três sem que nenhum deles seja completamente dominante. Cada categoria acentua alguns aspectos do fenômeno da liderança, enquanto coloca outros aspectos em segundo plano. Em vista dessa reflexão sobre as categorias de Mintzberg, as duas sugestões a seguir podem ser oferecidas:

1. Incentive uma pluralidade de perspectivas sobre liderança militar.


  • O uso das três categorias de liderança de Mintzberg ilustra como a conscientização de diferentes perspectivas enriquecerá nossa compreensão da liderança militar. O campo de estudos militares deve convidar todos os interessados a participar de um diálogo contínuo e de mente aberta, com o objetivo de explorar perspectivas novas e existentes que possam melhorar ainda mais o desenvolvimento da liderança militar. Esse diálogo implica abandonar categorias de “certo” e “errado”. Essa abordagem pode ser particularmente oposta às organizações militares, que são altamente hierárquicas e que frequentemente ensinam seus membros a se esforçarem por precisão e certeza e priorizam inerentemente a capacidade de responder perguntas em vez de fazer perguntas. Um esforço conjunto deve ser feito, no entanto, para superar essa oposição e enriquecer a própria abordagem teórica das forças armadas para a liderança.


2. Incentive os líderes militares a refletirem sobre quais categorias e perspectivas eles aplicam em suas próprias abordagens de liderança.


  • Nossas opiniões muitas vezes permanecem inquestionáveis até serem confrontadas com opiniões diferentes. Estar ciente de nossas próprias perspectivas arraigadas sobre liderança e estar atento às de outras pessoas tornará o enquadramento e a tomada de decisões mais claros e aprimorará a compreensão e a cooperação mútuas. Além disso, esse grau de autoconsciência facilita perceber quando uma questão de discussão pode estar relacionada a perspectivas profundamente arraigadas e suas expectativas e valores concomitantes.


A profissão militar e os estudiosos militares devem se engajar em um novo diálogo exploratório. Em vez de discutir definições normativas e instrumentais de “boa liderança militar”, devemos começar a pensar em termos dessas perspectivas performativas de fundo que, na realidade, moldam nossas próprias definições de liderança militar. Em 1986, Gareth Morgan escreveu seu livro best-seller Images of Organization. Nele, Morgan revela o conceito de organização através do uso de oito metáforas (organizações como máquinas, organismos, sistemas políticos etc.). Ele demonstra como cada uma dessas oito imagens da organização nos leva a entender e administrar as organizações de uma maneira específica e pré-estruturada. Se nosso pensamento sobre as organizações se baseia apenas em uma metáfora, não podemos entender o raciocínio e o discurso baseados em outras. O mesmo pode ser dito sobre as perspectivas de liderança. Para identificar e refinar as melhores práticas de liderança militar, precisamos desdobrar uma pluralidade de imagens. Se nos atermos aos ideais heróicos do filme Gladiador e à perspectiva da arte, na qual as competências de liderança são vistas como inatas, deixamos de apreciar dois elementos principais da liderança: que liderar é relacional - acontece entre as pessoas - e liderar é moldado pelo contexto em que isso acontece. Novos desafios que os líderes militares enfrentarão exigirão técnicas de liderança apropriadas. Somente quando nos envolvermos abertamente nas múltiplas perspectivas que informam a teoria da liderança militar é que essas técnicas surgirão na prática.


Original: https://mwi.usma.edu/art-craft-science-think-military-leadership/

Therese Heltberg é uma cientista social do Instituto de Liderança e Organização do Royal Danish Defense College. É doutora em sociologia pela Universidade de Copenhague.

Leitura recomendada:

A Doutrina estaria afetando a liderança militar?12 de abril de 2020.

Os Centuriões: 10 passagens que farão você refletir sobre guerra e liderança13 de abril de 2020.

As forças armadas desenvolvem líderes narcisistas?13 de abril de 2020.

COM FUZIL E BIBLIOGRAFIA: GENERAL MATTIS SOBRE A LEITURA PROFISSIONAL6 de outubro de 2018.

Escolhendo Líderes: Selecionando Liderança12 de abril de 2020.

Caráter x Competência: A Equação da Confiança25 de fevereiro de 2020.

Ser um líder rebelde: desobediência disciplinada no exército18 de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário