Mostrando postagens com marcador Tecnologia Militar. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tecnologia Militar. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 6 de agosto de 2021

O Exército Americano testa mini-tanque autônomo pela primeira vez

O mini-tanque autônomo Ripsaw M5, retratado durante sua fase de teste na base do Fort Dix, em New Jersey, 29 de junho de 2021.
(Kevin C Mcdevitt / Exército dos EUA)

Por Vadim Rubinstein, Business Insider France, 5 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de agosto de 2021.

Desenvolvido para o Exército dos EUA pela Textron e uma de suas subsidiárias, o mini-tanque não-tripulado Ripsaw M5 foi testado pela primeira vez pelo Exército dos EUA. Os testes ocorreram no final de junho na base de Fort Dix, localizada em New Jersey.

A Textron é uma das duas empresas que venceram, no início de 2020, o concurso lançado pelo Exército Americano para o desenvolvimento de quatro veículos robóticos de combate médio (RCV-M). O Ripsaw, equipado com um canhão de 30mm, foi usado notadamente durante os exercícios de tiro. "Até o momento, não houve testes além dos realizados em laboratório", disse Mike Mera, engenheiro do Exército, em nota divulgada quarta-feira (4 de agosto). "Estamos trabalhando na integração de uma torre, que foi fornecida pelo governo como parte do esforço, na plataforma."

Os militares americanos, que receberam a última cópia da plataforma robótica em junho, puderam pilotar o Ripsaw e disparar saudações de um posto de controle remoto - o que sugere uma colaboração mais ampla entre veículos tripulados e plataformas não-tripuladas dentro das forças americanas.

"Estamos colocando os humanos fora de perigo"

Se o Ripsaw é controlado remotamente por enquanto, o desejo de aumentar suas capacidades autônomas ao longo do tempo é claramente assumido. "Estamos colocando os humanos fora de perigo", disse o Coronel Jeffrey Jurand, chefe de projeto para sistemas de combate de manobra, em comunicado. "Embora isso seja algo que gostaríamos de evitar, se o veículo fosse perdido não perderíamos soldados. Podemos construir novos veículos." O mini-tanque já usa inteligência artificial para detectar e identificar objetos ao redor.

Segundo seu projetista, a plataforma robótica pode atingir velocidades entre 65 e 72km/h dependendo do modelo. Pode ser utilizado nas mais diversas missões, incluindo vigilância e reconhecimento, graças a dois equipamentos: um drone aéreo e um pequeno robô terrestre, que pode ser desdobrado de acordo com a especificidade da operação.

Uma versão 100% elétrica do Ripsaw M5 - projetada para manobras silenciosas - foi entregue ao Exército dos EUA em 4 de agosto. Este último também planeja empregar uma versão "pesada", com peso de 20 a 30 toneladas, que "pode ​​trazer uma letalidade decisiva para a unidade a ela designada".

Os testes de veículos não-tripulados continuarão em preparação para um exercício maior programado para o verão de 2022 na base do Fort Hood, no Texas.

Bibliografia recomendada:

Conquêtes:
(1) Islandia.
J.L. Istin, Radivojevic e Evangelista.

Crisis in Zefra:
Directorate of Land Strategic Concepts.

Starship Troopers.
Robert A. Heinlein.

Future War and the Defence of Europe.
John R. Allen, Frederick Hodges e Julian Lindley-French.

Leitura recomendada:




FOTO: Robô exterminador, 28 de fevereiro de 2021.




segunda-feira, 2 de agosto de 2021

O Conceito de Combate Conjunto falhou, até que se concentrou no Espaço e na Guerra Cibernética

Por Theresa Hitchens, Breaking Defense, 26 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de agosto de 2021.

O novo Conceito de Combate Conjunto para orientar as operações militares pelos próximos 30 anos é "aspiracional" e agora deve ser concretizado da melhor forma que o Pentágono puder com os recursos disponíveis, diz o General John Hyten, vice-presidente do JCS.

WASHINGTON: A diferença central entre o novo Conceito de Combate Conjunto (Joint Warfighting Concept, JWC) do Pentágono e a abordagem anterior dos militares é o reconhecimento de que o espaço e o ciberespaço devem ser protegidos e utilizados - ou então os dados cruciais para vencer no solo, no ar e no o mar não poderá ser obtido, diz o general John Hyten, vice-presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior (Joint Chiefs of Staff, JCS).

“Você tem que ser capaz de entender o espaço e a cibernética” para realizaras Operações de Domínio Total, disse ele hoje a uma audiência na Associação Industrial de Defesa Nacional (National Defense Industrial Association, NDIA), durante a implantação do novo Instituto de Tecnologias Emergentes do NDIA.

Gal. John Hyten na conferência de dissuasão STRATCOM 2018. (DoD)

Hyten explicou que o JWC é um documento “aspiracional”, projetado para guiar o modo de guerra americano pelos próximos 30 anos. (Foi assinado em 31 de março pelo presidente do JCS, General Mark Milley, e logo depois pelo secretário de Defesa Lloyd Austin - embora esse fato só tenha sido revelado em meados de junho). No entanto, ele enfatizou, agora deve ser desenvolvido com doutrina e capacidades, bem como aprimorado para acomodar o que realmente é alcançável com os recursos disponíveis.

A primeira iteração do JWC, ele continuou, baseava-se simplesmente no aprimoramento da estratégia americana de longa data de reunir e usar informações “onipresentes” para coordenar forças e estruturar batalhas. Mas quando colocado à prova em um jogo de guerra em outubro passado, o JWC “falhou” em produzir uma vitória contra um “time vermelho agressivo” emulando seus concorrentes China e Rússia.

“Ele falhou de muitas maneiras diferentes. Basicamente, tentamos uma estrutura de 'domínio da informação', onde a informação era onipresente para nossas forças, assim como foi na primeira Guerra do Golfo, e assim como tem sido nos últimos 20 anos”, disse ele. “Bem, o que acontece se desde o início essa informação não estiver disponível? E esse é o grande problema que enfrentamos.”

Hyten disse que o esforço “teve que dar um passo para trás” para reorientar, com uma nova ênfase no espaço e nos domínios cibernéticos.

“O conceito que criamos é conhecido agora como 'manobra expandida'”, disse ele. “E é uma manobra expandida no espaço e no tempo. Em cada área que um adversário pode mover, você tem que descobrir como preencher esse espaço no tempo, antes que eles possam se mover.”

A essência da manobra expandida é descobrir "como agregar minhas capacidades para fornecer um efeito significativo e, em seguida, como faço para desagregar para sobreviver a qualquer tipo de ameaça?" Hyten explicou. “Na verdade, não fazemos isso há muito tempo, talvez nunca.”

Mas os campos de batalha de amanhã exigirão que as forças e o poder de fogo dos EUA se “agreguem” para atacar e se dispersem rapidamente para sobreviver a “disparos de longo alcance” do adversário em ritmo acelerado vindo de todos os domínios, continuou ele. “Se você está agregado e todos sabem onde você está, você está vulnerável, mas você tem que se agregar para emassar os fogos.”

A Importância do JADC2

É aqui que o grande foco do JWC em ferramentas como informações artificiais e aprendizado de máquina, bem como os ambientes de batalha virtual habilitados pela computação em nuvem sob o Comando e Controle Conjuntos de Domínio Total (Joint All Domain Command and Control, JADC2), entram em jogo.

“Pode ser uma agregação virtual de múltiplos domínios e agindo ao mesmo tempo sob uma única estrutura de comando que permite que os fogos venham de qualquer pessoa, e permite que você desagregue para sobreviver a isso”, disse Hyten. “Isso é uma coisa simples, simples de dizer. Isso é aspiracional. Isso é incrivelmente difícil de fazer.”

Um Lancer B-1B da Força Aérea dos EUA da Base da Força Aérea de Ellsworth, S.D., decola da Base da Força Aérea de Andersen, em Guam, para uma missão da força-tarefa de bombardeiros em 6 de janeiro de 2021. (Senior Airman Tristan Day / U.S. Air Force)

No JWC, explicou, “o objetivo é estar totalmente conectado a uma nuvem de combate que tenha todas as informações, que você pode acessar a qualquer hora e em qualquer lugar. Você pode reunir tudo e, com comando e controle de domínio total, descobrir os melhores dados e ser capaz de agir rapidamente com base nisso”.

O JADC2 é um dos quatro “conceitos de suporte” do JWC que agora são conhecidos como “batalhas funcionais”, explicou Hyten. Os outros três são fogos conjuntos, logística contestada e vantagem de informação. E todas as quatro dessas funções de batalha são desafiadoras e permanecem "aspiracionais", enfatizou.

Por exemplo, disse ele, a logística contestada é “realmente difícil”, observando que a última vez que os EUA tiveram que lutar em circunstâncias em que as instalações americanas no exterior e em casa estavam sob ataque foi na Segunda Guerra Mundial. “Portanto, a logística contestada tem sido uma área de estudos ricos e conversas ricas e estamos mudando toda a nossa abordagem de logística.”

Da mesma forma, a ideia de fogos conjuntos é um grande desafio e um tanto controverso. Observando que ele foi "criticado por dizer isso", Hyten explicou que "no Conceito de Combate Conjunto, os fogos  vêm de todos os domínios e todos os serviços, sem restrições.

"Por que? Porque quando os fogos vêm de todos os domínios e todos os serviços sem restrições, o adversário não consegue descobrir de onde estão vindo e não tem como se defender deles. Agora, isso é um requisito puramente aspiracional, mas espero que todos possam ver que se você pudesse fazer isso, você mudaria a equação em qualquer campo de batalha futuro.”

Gal. John Hyten, USAF.

Finalmente, o domínio da informação, explicou ele, "é a soma desses três elementos, realmente, todos em um... E é aí que entram alguns requisitos muito significativos", disse ele.

As quatro novas “diretrizes estratégicas” emitidas pelo Conselho de Supervisão de Requisitos Conjuntos (Joint Requirements Oversight Council, JROC) neste mês, disse Hyten, estão, portanto, preparando o cenário para como as forças armadas tornam possíveis essas batalhas funcionais conjuntas. Hyten aprovou essas diretrizes estratégicas no final de junho.

O papel mais ativo para o JROC, promovido por Hyten como presidente, resultou em algum retrocesso por parte das forças, admitiu Hyten.

“Para ser honesto... as forças nos primeiros seis meses estiveram meio que lutando contra esse processo”, disse ele. "Eu sei que vocês estão muito chocados ao ouvirem isso", acrescentou ele para risos do público.

Agora, no entanto, as Forças perceberam que a criação de diretrizes estratégicas “alimenta as operações, alimenta o orçamento e alimenta os processos de aquisição” para permitir que as Forças acelerem significativamente o desenvolvimento e adoção de armas.

Bibliografia recomendada:

Crisis in Zefra:
Directorate of Land Strategic Concepts.

Leitura recomendada:





sábado, 31 de julho de 2021

O Exército Francês empregou o Sistema de Informação de Combate Scorpion em operação pela primeira vez


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 30 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de julho de 2021.

Na semana passada, o Centro de Transportes e Trânsito de Superfície (Centre des transports et transits de surface, CCTS) do Ministério das Forças Armadas anunciou, via redes sociais, que 32 veículos blindados multifuncionais (VBMR) Griffon acabaram de ser embarcados a bordo de um rouler pelo 519º Regimento de Suprimentos (519e Régiment du Train, 519e RT) para então ser desdobrado no Sahel, onde serão empregados pelo Grupo Tático do Deserto (GTD) Korrigan, armado principalmente pelo 3º Regimento de Infantaria de Fuzileiros Navais (3e Régiment d’Infanterie de Marine, 3e RIMa).

Enviar estes Griffons para o Sahel é uma primeira vez... Mas se este veículo, como o VBMR ligeiro Serval e o Veículo Blindado de Reconhecimento e de Combate (Engin blindé de reconnaissance et de combatEBRC) Jaguar, é um “tijolo” do programa SCORPION (Synergie du contact renforcée par la polyvalence et l’infovalorisation / Sinergia do Contato Reforçado pela Versatilidade e Infovalização), o Sistema da Informação do Combate Scorpion (Système d’information du combat Scorpion, SCIS) é o cimento.




Porém, de acordo com o último relatório do Estado-Maior das Forças Armadas (État-major des armées, EMA), e sem esperar a chegada dos Griffons, o SICS foi desdobrado pela primeira vez no Sahel, justamente durante uma missão de controle de zona realizada nas regiões de Bourem e Almoustarat, ao norte de Gao.

“Esta missão foi a oportunidade de desdobrar, pela primeira vez em um teatro de operações externo, o sistema de informação de combate Scorpion (SCIS) entre os diferentes níveis de comando: posto de comando do GTD, comandante de unidade e chefe de seção”, indica a EMA.

O SICS "tem um mapa compartilhado no qual os obstáculos detectados por veículos GTD e ordens aparecem quase que instantaneamente. O compartilhamento gráfico de informações facilitou o estabelecimento de um sistema de controle de área móvel e responsivo, impedindo qualquer ação de grupos armados terroristas (groupes armés terroristes, GAT) na região. O sistema mostrou assim de imediato todas as suas vantagens: fluidez nas trocas, adaptabilidade na condução e clareza dos relatórios”, explica a EMA.

O Exército Francês, portanto, não demorará muito em colocar o SICS em operação. Este sistema, desenvolvido pela Atos, foi de fato aprovado pela Direção-Geral de Armamentos (Direction général de l’armement, DGA) no mês de maio passado. “Seu desdobramento generalizada está planejado antes do verão, após o sucesso das avaliações operacionais do Exército”, ela anunciou na época.

Scorpion: o reforço do grupamento tático interarmas.

“O objetivo deste sistema é garantir a consistência dos sistemas em serviço. É uma ferramenta de apoio à decisão dentro do programa Scorpion. Graças a esse sistema, [é possível] fornecer automaticamente uma situação tática exata continuamente, desde o líder do grupo desembarcado até o comandante do regimento”, explica o Exército.

No entanto, “terminais digitais SICS-Débarqué Lite” [Lite significa “leve”, nota do editor] - ou seja, 80 tablets e 20 smartphones robustos - já foram disponibilizados para a Barkhane para experimentação em novembro de 2019. "As unidades farão experiências no coração da sua missão operacional este conceito inovador de meio digital portátil e participarão ativamente na melhoria das ferramentas”, explicou o EMA na ocasião.

Bibliografia recomendada:

Future War and the Defence of Europe.
John R. Allen, Frederick Hodges e Julian Lindley-French.

Leitura recomendada:



domingo, 25 de julho de 2021

VÍDEO: A Rússia acaba de lançar a primeira filmagem do S-500 SAM em ação


As imagens foram publicadas pelo Ministério da Defesa russo hoje, depois de 10 anos de especulação midiática russa, e publicadas pelo canal Binkov's Battlegrounds (o mesmo da invasão da Guiana Francesa), um canal de análises militares.

No vídeo é mostrada a primeira filmagem do sistema S-500 SAM em ação, acompanhada dos comentários do personagem Camarada Binkov, além de uma breve análise e comparação com outros mísseis terra-ar (SAM) russos.

O Camarada Binkov.

Leitura recomendada:




domingo, 18 de julho de 2021

Tanque T-14 Armata não-tripulado testado com sucesso na Rússia

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex 360, 12 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de julho de 2021.

Revelado em 9 de maio, por ocasião do grande desfile militar anual realizado em Moscou para comemorar o fim da Grande Guerra Patriótica contra a Alemanha nazista, o tanque T-14 Armata tem sido objeto de anúncios conflitantes nos últimos anos; tal foi o caso, por exemplo, do ano da sua entrada em serviço com as forças russas, que, de pronto, ainda não se materializou... E por um bom motivo: a sua produção em massa ainda não começou e os seus testes operacionais estão ainda em andamento.

No entanto, no início de julho, o ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov, garantiu à agência TASS que os testes do T-14 Armata seriam concluídos em 2022 e que a fase de produção em massa começaria a passos largos. A priori, teriam sido encomendados 500 exemplares, devendo a sua entrega ser distribuída até 2027.

Recorde-se que, desenvolvido pela Uralvagonzavod, o T-14 Armata é um tanque de cerca de cinquenta toneladas, equipado com um motor diesel CTZ A85-3A de dezesseis cilindros dispostos em "X", desenvolvendo uma potência de 1.500cv. Sua torre operada remotamente acomoda um canhão de 125mm e pode ser armada com mísseis antitanque Sokol, um canhão de 30mm e uma metralhadora de 12,7mm. Equipado com sensores de alta resolução, radares e câmeras, é equipado com o sistema de proteção ativa Afganit. Finalmente, ele tem uma cápsula blindada de várias camadas que pode acomodar uma tripulação de três soldados.

No entanto, uma versão não-tripulada deste tanque foi recentemente testada com sucesso, de acordo com Vladimir Artyakov, um oficial sênior da Rostec, a "empresa-mãe" do Uralvagonzavod.

“O T-14 Armata foi originalmente projetado como um veículo tripulado. Mas o nível de tecnologia moderna agora torna possível torná-lo um veículo não-tripulado. Fizemos os testes apropriados e foram conclusivos”, afirmou o Sr. Artyakov, próximo ao jornal Krasnaya Zvezda (Estrela Vermelha), publicado pelo Ministério da Defesa russo. Não se sabe se esse tipo de tanque não-tripulado é pilotado remotamente ou se tem um sistema de pilotagem autônomo.


Restar saber as intenções de Moscou... O CEO da Rostec, Sergei Chemezov, havia explicado anteriormente que não havia a menor dúvida de lançar a produção em massa dessa variante não-tripulada do T-14 Armata.

“Estamos testando tecnologias não-tripuladas nesta máquina. Ele será usado principalmente como um veículo com tripulação. Mas tudo será o mais automatizado possível. Por exemplo, a tripulação não precisará mirar com precisão. Será suficiente para ela apontar o cano aproximadamente para um alvo. A inteligência artificial fará o resto", disse Chemezov, de acordo com a agência Interfax.

T-14 Armata desfilando pela primeira vez na Praça Vermelha no Dia da Vitória, 9 de maio de 2015.

Em 2016, o general Alexander Shevchenko, então diretor da Diretoria de Veículos Blindados do Ministério da Defesa da Rússia, levantou a possibilidade de desenvolver uma versão não-tripulada do T-14 Armata. “Está em curso o desenvolvimento dos dispositivos necessários”, disse, acrescentando que o trabalho consistiu no “desenvolvimento de um sistema digital que pudesse tomar decisões autonomamente dependendo da situação”.

Outras forças armadas também estão trabalhando em um conceito semelhante. Como o Exército de Libertação do Povo (PLA), cujos velhos tanques T-59 (versão chinesa do T-54/55 soviético) podiam ser convertidos em veículos não-tripulados com a ajuda de inteligência artificial. Experimentos foram realizados neste sentido.

Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution,
Richard Ogorkiewicz.

Leitura recomendada:


O T-14 Armata para a Índia?, 13 de setembro de 2020.





sábado, 26 de junho de 2021

GALERIA: Panzergrenadiers modernos

Dupla sniper com traje ghillie.
O sniper de frente tem um fuzil ferrolhado Accuracy International AWM britânico; designação alemã G22A2.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de junho de 2021.

Membros do 371º Batalhão de Infantaria Blindada do Bundeswehr alemão (Panzergredanadierbataillon 371) exibindo seu equipamento durante um evento de mídia na base do batalhão em Marienberg, na Alemanha, em 10 de março de 2015.

Sniper com o HK G3.
A dupla sniper misturar fuzil de repetição (ferrolhado) e fuzil semi-automático é uma tendência moderna, dando mais flexibilidade à equipe.

Míssil anti-carro franco-alemão MILAN ("pipa" em francês).

Fuzil HK G36 alemão.




Material distribuído "em cerimonial".
A metralhadora geral MG3, modernização da venerável MG42, pode ser vista no lado esquerdo da foto.

Bibliografia recomendada:

A Responsabilidade de Defender: Repensando a cultura estratégia da Alemanha.

Leitura recomendada:


FOTO: Brigada Franco-Alemã, 22 de janeiro de 2020.




quarta-feira, 23 de junho de 2021

O Exército Francês está testando arneses para lançar seus cães soldados de paraquedas

O exército adquire cerca de 300 cães por ano que acompanham as forças francesas, bem como os ministérios e administrações.

Para Simon Chodorge, L'Usine Nouvelle, 8 de janeiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de junho de 2021.

O cachorro, o melhor amigo do homem na terra e no céu. O Exército Francês revelou imagens impressionantes de cães soldados saltados de paraquedas com seus donos.


Você deve estar familiarizado com o trabalho em andamento no sucessor do Rafale ou no tanque do futuro. Outros projetos menos conhecidos unem a França e a Alemanha no setor de defesa. Inclusive em áreas de nicho como a criação de cães (cynotechnie)... Em dezembro de 2020, o Exército Francês apresentou dois projetos que devem permitir facilitar o salto de paraquedas de seus cães-soldados.

“Até hoje, o único arnês para cães paraquedistas datava da década de 1990 e não era mais adequado para o uso operacional moderno”, disse o Ministério das Forças Armadas em um comunicado. Um capitão do 132º Regimento de Infantaria Cinotécnica (132e Régiment d’infanterie cynotechnique132e RIC) trabalha desde 2015 com a empresa alemã Paratec para desenvolver um arnês mais ergonômico para o cão soldado e seu tratador.


Cães usados ​​para neutralização


Instalado em Suippes (Marne), o 132e RIC adquire cerca de 300 animais por ano, que apoiam as forças francesas, bem como os ministérios e administrações. Os cães soldados não procuram apenas explosivos ou munições. Eles também operam em teatros de operações sensíveis no exterior para detectar e neutralizar adversários.

O dispositivo pode assustar os amantes de cães. No entanto, o exército insiste na sua importância na absorção de choques durante a queda e ao abrir a vela. As patas do cão, por exemplo, permanecem protegidas no arnês para evitar uma fratura na aterrisagem. Com peso vazio de cinco quilos, o equipamento permite que o cão seja liberado em menos de 10 segundos para realizar, por exemplo, uma ação de neutralização.

“Uma mochila, um paraquedas, uma arma, um cão. Uma vez no solo, o soldado está pronto para um combate de alta intensidade”, explica o Exército Francês. Um vídeo de outubro de 2019 mostra um teste de vôo.


Uma máscara de respiração para cães

O projeto Arcane foi testado pela primeira vez em um manequim representando um cachorro. (Força Aérea e Espacial Francesa)

O arnês sozinho não era suficiente. Ao mesmo tempo, o exército teve que desenvolver um sistema para lançar cães de paraquedas de altitudes muito elevadas, onde o oxigênio é escasso. Uma unidade das forças especiais da Força Aérea trabalhou por dois anos no Projeto Arcane (Adaptador de respiração canina em evolução).

Os militares explicaram que tiveram que passar por estudos sobre a respiração canina em grandes altitudes, em colaboração com um hospital veterinário especializado. “A pesquisa existente sobre esse tipo de salto se limitou ao estudo da hipóxia em cães colocados em condições extremas em altas montanhas. Portanto, não tínhamos conhecimento de como manter as aptidões olfativas, atléticas ou acústicas do cão para esse tipo de salto”, explica o tenente por trás do projeto no site da Força Aérea e Espacial Francesa.



Adaptado à morfologia do cão, foi feito um protótipo em impressão 3D. Os primeiros testes de salto foram realizados com um manequim canino. Então, em novembro de 2020, o cão soldado Laos foi lançado com seu treinador de um C160 Transall. “Depois de cada salto, o Laos fazia exercícios de mordidas ou busca de explosivos, tudo sob controle veterinário”, explicou o tenente.

De acordo com o Exército Aéreo e Espacial Francês, essas inovações tornam a França o único exército do mundo a saltar sob oxigênio com uma equipe canina. “Ao saltar a uma altitude de 7.500 metros, eles podem ser lançados a mais de 20 quilômetros de seu alvo. Por ser tão furtivo, o inimigo não consegue detectar a presença dos comandos”, sublinha o Exército Francês.

Um tenente do Comando Paraquedista Aéreo Nº 10, ou CPA 10, iniciou o Projeto Arcano. (Força Aérea e Espacial Francesa)

Post-script: D Dog paraquedista

D Dog lançado de paraquedas.

D Dog, o famoso cão soldado dos Diamond Dogs.

Bibliografia recomendada:

AIRBORNE: A Guided Tour of an Airborne Task Force,
Tom Clancy.

Leitura recomendada:


terça-feira, 22 de junho de 2021

A adoção do tanque T-72A "Dolly Parton" do Exército Soviético


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 22 de junho de 2021.

No dia de hoje, em 22 de junho de 1979, por ordem nº 9103 do Ministro da Defesa da URSS, o tanque T-72A foi adotado pelo Exército Soviético. O tanque T-72A era um tanque T-72 com uma arma melhorada, motor e um telêmetro a laser, além de blindagem composta no chassis e na parte superior da torre apelidada pelos americanos de Dolly Parton.

Um total de 5.264 tanques T-72A foram entregues ao Exército Vermelho Soviético.


Vista superior do T-72A. Este modelo ostenta uma blindagem composta "Dolly Parton" espessa na frente da torre.

O T-72A apresentava uma nova torre com blindagem frontal mais espessa, quase vertical. Devido à sua aparência, a blindagem foi apelidada não-oficialmente de "Dolly Parton" pelo Exército dos EUA. Essa blindagem usou o novo enchimento de torre de haste de cerâmica, incorporou blindagem laminada aprimorada no glacis e montou novas saias laterais anti-carga oca. O apelido deriva da cantora country Dolly Party ser famosa pelos seios grandes.

Dolly Parton vestida de coelhinha da Playboy na capa de outubro de 1978.

O T-72 é uma família de tanques de batalha soviéticos/russos que entrou em produção pela primeira vez em 1971. Cerca de 20.000 tanques T-72 foram construídos, e reformas permitiram que muitos permanecessem em serviço por décadas. A versão T-72A introduzida em 1979 é considerada um tanque de guerra principal de segunda geração. Foi amplamente exportado e prestado serviço em 40 países e em vários conflitos. A versão T-72B3 introduzida em 2010 é considerada um tanque de batalha principal de terceira geração.

O desenvolvimento do T-72 foi um resultado direto da introdução do tanque T-64. O T-64 (Objeto 432) era um projeto muito ambicioso para construir um tanque bem blindado competitivo com um peso não superior a 36 toneladas.

A Federação Russa tem mais de 5.000 tanques T-72 em uso, incluindo cerca de 2.000 em serviço ativo e 3.000 em reserva. O T-72 foi usado pelo Exército Russo em combate durante a Primeira e Segunda Guerras da Chechênia, e pelos dois lados na Guerra Russo-Georgiana de 2008. Na recente guerra entra a Armênia e o Azerbaijão, ambos os lados também usaram o T-72, que ficaram infames por serem destruídos por ataques de drones.

A Suécia comprou alguns T-72 que foram do National Volksarmee (NVA) da Alemanha então recentemente unificada. O T-72 também é o tanque padrão no Biatlo de Tanques dos Jogos do Exército da Rússia, e atualmente a Rússia está padronizando seus aliados com os padrões T-72B. Entre os novos operadores do T-72 estão o Laos e a Sérvia. As forças pró-russas na Ucrânia também operam o T-72, apesar das sanções, e o Exército Indiano usou carros T-72 no seu stand-off com os chineses no ano passado.

A equipe do Exército da Nicarágua com um T-72 nos Jogos Internacionais do Exército Russo de 2015, na base de Alabino, nas cercanias de Moscou.

Na América Latina, o T-72 foi suprido para a Nicarágua de Ortega e a Venezuela de Chavez e agora Maduro, bases estratégicas da Rússia no continente.

A Venezuela recebeu 92 T-72B1 da Rússia entre 2009-2012. Houve uma proposta em 2012 de mais uma centena, mas não foi pra frente. Esses T-72 (ou T-72V de Venezuela) costumam participar de desfiles públicos que recebem pesada cobertura midiática, de forma a demonstrar o poder do regime socialista bolivariano.

Tanques T-72B1V do Exército da Venezuela durante desfile em homenagem à morte do ex-presidente Hugo Chávez, março de 2014.

Bibliografia recomendada:

T-72 Main Battle Tank 1974-93,
Steven J. Zaloga.

TANKS:
100 Years of Evolution,
Richard Ogorkiewicz.

Leitura recomendada:

PERFIL: Veterana da USAF estampa a capa da Playboy em três países, 28 de setembro de 2020.

GALERIA: O T-72 polonês em direção à Lituânia, 8 de novembro de 2020.

Carros de combate principais T-72B1MS no Laos, 22 de setembro de 2020.

Equipe nº 1 vietnamita no segundo lugar do Grupo 2 no Biatlo de Tanques na Rússia28 de novembro de 2020.

Águia Branca: Novas entregas do T-72B1MS "Águia Branca" na Sérvia, 28 de maio de 2021.


FOTO: T-72 venezuelano, 10 de fevereiro de 2020.

FOTO: T-72 georgiano decapitado, 23 de setembro de 2020.


FOTO: T-72 armênio destruído, 18 de dezembro de 2020.