Mostrando postagens com marcador Rússia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Rússia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Operações especiais não são um substituto para a estratégia


Por Stewart Parker e Ari Cicurel, Breaking Defense, 19 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2021.

Usadas demais e sobrecarregadas na "guerra global contra o terror" desde o 11 de setembro, as Forças de Operações Especiais precisam que Biden lhes dê uma pausa para que possam se concentrar na Rússia, China e na "zona cinzenta".

De filmes a livros que contam tudo, a América adora seus operadores especiais. Mas um ritmo esmagador de operações e uma definição cada vez maior do que constitui uma “operação especial” esticou muito as Forças de Operações Especiais (Special Operations Forces, SOF), tornando mais importante do que nunca definir de forma restrita as missões SOF. A Orientação Provisória de Segurança Nacional do Presidente Joe Biden é um passo importante para redirecionar a política militar do contra-terrorismo no Oriente Médio para a competição estratégica contra a China.

Mas a emissão da orientação provisória em si não resolve os problemas das SOF. É possível para Biden criar uma pegada militar mais inteligente e sustentável no exterior, mas o sucesso estratégico requer a adaptação do modelo americano para contra-terrorismo e contra-insurgência enquanto muda a forma como utiliza as SOF.

A estratégia de Biden para o Oriente Médio busca "dimensionar nossa presença militar ao nível necessário para interromper redes terroristas internacionais, deter a agressão iraniana e proteger outros interesses vitais dos EUA" para que a América possa redirecionar recursos militares para ameaças cada vez mais perigosas como a China.

Após o choque histórico dos ataques de 11 de setembro, o contra-terrorismo e a contra-insurgência no Oriente Médio se tornaram os principais desafios para os planejadores de defesa americanos. Diante de terroristas ou insurgentes que rapidamente atacavam civis e depois se escondiam entre eles, os líderes dos Estados Unidos se apaixonaram por raides de operações especiais e ataques de drones.

Operador especial (CCT/USAF) à cavalo na invasão do Afeganistão, outubro de 2001.

Os EUA já tentaram se afastar da "guerra global contra o terrorismo" antes, começando com o "pivô para a Ásia" do presidente Obama, que nunca se materializou. Em seguida, veio a Estratégia de Defesa Nacional de 2018 da administração Trump e o Anexo de Guerra Irregular de 2020 que priorizou o Indo-Pacífico. Agora, a mudança estratégica de Biden indica que a primazia do contra-terrorismo e da contra-insurgência na segurança nacional americana está acabando.

No entanto, a retirada das tropas não encerrará os conflitos regionais nem eliminará a exposição dos Estados Unidos ao terrorismo. As demandas pelos recursos exclusivos fornecidos pelas SOF não vão diminuir, mesmo com a redução de sua presença no Oriente Médio.

No futuro, será um desafio para o Comando de Operações Especiais dos EUA (U.S. Special Operations CommandUSSOCOM) equilibrar as operações de contra-terrorismo e contra-insurgência em curso, enquanto também se prepara para envolver a China e a Rússia na "zona cinzenta" legal e estrategicamente obscura entre guerra e paz.

Durante grande parte das últimas duas décadas, os operadores especiais funcionaram como uma força não-convencional apoiada por forças convencionais, com as SOF frequentemente no papel principal. O combate contra forças semelhantes provavelmente inverteria esse relacionamento, exigindo que as SOF cumprissem missões de apoio à força combinada mais ampla, aliados e parceiros.

Contra-terrorismo e Contra-insurgência Sustentáveis

As Forças Especiais dos EUA (Boinas Verdes) atacam um objetivo em um evento de treinamento.

Mesmo que as forças americans se retirem do Afeganistão ou de todo o Oriente Médio, os terroristas não irão embora. O presidente Biden, portanto, pretende manter algum foco no contra-terrorismo e na contra-insurgência, mesmo enquanto reduz o engajamento militar em conflitos relacionados. A adoção de um modelo menos focado no combate cinético (poder de fogo) e mais focado no que é acessível e sustentável a longo prazo reduzirá o papel dos militares e contribuirá para melhores resultados de segurança. A Estratégia Nacional de Contraterrorismo de 2018, que exige "todos os instrumentos disponíveis do poder dos Estados Unidos para combater o terrorismo", é um ponto de partida para o plano sustentável do novo governo. Os raides das SOF e ataques aéreos podem atrair atenção descomunal, mas também têm um registro imperfeito de transparência. Para melhor abordar as preocupantes descobertas da comissão do 11 de setembro, os EUA devem continuar a desenvolver seu potente portfólio de capacidades não-militares.

A análise do Centro Nacional de Diplomacia e Contra-terrorismo deve moldar os programas de contra-terrorismo e contra-insurgência, com a aplicação da lei civil e agências de inteligência muitas vezes assumindo a liderança. Os formuladores de políticas devem definir claramente suas prioridades, limitando os esforços apenas contra os grupos terroristas que mais ameaçam a América, seus interesses e seus parceiros. Uma estratégia de recursos sustentáveis requer colaboração proativa, atribui funções claras a departamentos e agências para evitar redundância ineficiente e estimula parceiros e aliados a se apropriarem das missões globais de contra-terrorismo. Mais importante ainda, um modelo de contra-terrorismo com recursos sustentáveis libera cada vez mais Forças de Operações Especiais para se reorientarem contra os atores estatais e seus representantes (proxies).

Adaptando as Forças de Operações Especiais

Operadores especiais russos (Spetsnaz), conhecidos como "Homenzinhos Verdes", na Ucrânia em março de 2014.

O combate efetivo à China, Rússia e outros Estados malignos exige que os formuladores de políticas adaptem o papel das SOF. Embora o contra-terrorismo e a contra-insurgência com foco restrito continuem sendo um esforço duradouro, as SOF não se concentraram historicamente nessas missões. Os Rangers de Roger dominaram as táticas de raides de estilo indígena na Guerra Revolucionária - o que os teóricos hoje chamariam de um conflito "híbrido" envolvendo guerrilheiros e forças regulares, incluindo o Exército Continental de Washington e seus aliados franceses. O presidente Kennedy autorizou os Boinas Verdes a responderem às insurgências apoiadas pelos soviéticos, e uma das principais funções das SOF na Guerra Fria era preparar movimentos de resistência em nações aliadas em risco de serem ocupadas por Moscou. Foram os fracassos conjuntos na tentativa de resgate de reféns iranianos em 1980 e o sucesso superficial na invasão de Granada em 1983 que impulsionaram a criação do USSOCOM - não o terrorismo.

Somente depois do 11 de setembro as SOF foram totalmente absorvidas por raides de “ação direta” contra terroristas e insurgentes, à medida que o USSOCOM se tornou o comando apoiado na guerra global contra o terror, em vez de um elemento de apoio em uma campanha basicamente convencional. As Forças Armadas são mais hábeis dentro da caixa de operações convencionais, mas as atividades centrais das SOF serão indispensáveis para campanhas futuras bem-sucedidas em todo o espectro do conflito. No mês passado, os legisladores reconheceram isso criando um novo subcomitê para supervisionar as SOF.

Operadores Delta e Ranger no momento do choque entre o Bluebeard 3 e o Republic 4 durante a fracassada Operação Eagle Claw, em 1980.
(Ilustração de Jim Laurier e Johnny Shumate/Osprey Publishing)

A redução das atividades de CT melhorará a capacidade das SOF de competirem abaixo do nível de conflito armado, responderem a crises, recuperarem americanos sequestrados e criarem prontidão para a guerra em um ambiente operacional altamente contestado e desordenado.

Para se preparar para a competição estratégica, os Estados Unidos precisam adaptar suas missões de contraterrorismo e contra-insurgência. As SOF serão vitais nas operações contra a China e a Rússia, embora permaneçam cruciais contra as ameaças duradouras no Oriente Médio. Sem rodeios, não há guerra que os militares americanos possam vencer sem Forças de Operações Especiais eficazes.

O Tenente-Coronel Stewart “PR” Parker é um participante do Programa de Líderes Militares dos EUA de 2020 do Instituto Judaico para a Segurança Nacional (Jewish Institute for National Security of America, JINSA) e atualmente está designado para o Comando de Operações Especiais da Força Aérea. Ari Cicurel é um analista de política sênior no Gemunder Center for Defense and Strategy da JINSA.

Bibliografia recomendada:

Special Operations Forces in Afghanistan.
Leigh Neville e Ramiro Bujeiro.

Special Operations Forces in Iraq.
Leigh Neville e Richard Hook.

Leitura recomendada:


As lições de Mogadíscio, 7 de outubro de 2018.


FOTO: T-72B3 russo na neve

Raro T72B3 da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados, Moscou, 31 de janeiro de 2021.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de setembro de 2021.

Em 31 de janeiro deste ano, na capital Moscou, infantaria motorizada, unidades blindadas e de artilharia realizaram um exercício de força contra força no campo de treinamento de Sernovodsky na região de Stavropol, empregando tanques T-72B3 e aviação do exército. As manobras envolveram militares da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados do 58º Exército de Armas Combinadas, parte do Distrito Militar do Sul.

Dois grupos táticos de valor companhia realizaram operações de combate um contra o outro no campo de provas, executando ações de armas combinadas e desembarcando uma força de assalto aerotransportada como parte de um exercício tático "força contra força". Helicópteros de aviação do exército Mi-8AMTSh "Terminator" foram empregados para desembarcar forças aerotransportadas e fornecer apoio aproximado.

Os exercícios envolvem cerca de 500 soldados e mais de 50 itens de equipamento militar: tanques T-72B3, veículos de combate de infantaria BMP-3, helicópteros de aviação do exército Mi-8AMTSh, canhões de artilharia autopropulsados e veículos blindados BTR-82A.

Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewicz.

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Higienizando o Grupo Wagner: novo filme pinta o grupo mercenário russo como salvadores

Mercenário Wagner ajuda uma soldado da RCA em cena do filme Turista (2021).

Por Steve Balestrieri, SOFREP, 2 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de setembro de 2021.

“Os americanos dizem que lutam pela democracia... os russos lutam por justiça.” Esse é o tema de Turista (Турист, 19 de maio de 2021), um filme de propaganda financiado, filmado e estrelado por membros do Grupo Wagner de Yevgeny Prigozhin.

Turista conta a história de um grupo de jovens conselheiros militares russos (mercenários Wagner) enviados à República Centro-Africana (RCA) na véspera das eleições presidenciais. Após uma violenta rebelião, eles defendem os moradores contra grupos de rebeldes assassinos.

O filme não menciona nenhuma das violações dos direitos humanos pelo Grupo Wagner

Tropas russas Wagner na República Centro-Africana atuando como destacamento de segurança presidencial.

Conspicuamente ausente no filme, estava a menção de uma infinidade de acusações de crimes de guerra e abusos dos direitos humanos que foram apontados contra mercenários Wagner desde que chegaram à RCA.

De acordo com um relatório de março de um grupo de especialistas independentes da ONU, os mercenários russos Wagner cometeram abusos aos direitos humanos na RCA enquanto lutavam ao lado de forças governamentais.

As supostas violações incluem execuções sumárias em massa, detenções arbitrárias, tortura durante interrogatórios e o deslocamento forçado da população civil, cerca de 240.000 dos quais fugiram de suas casas por causa dos combates nas últimas semanas. A Radio France Internationale (RFI) publicou uma importante investigação baseada nos documentos da ONU sobre as atividades dos mercenários Wagner na RCA. Os jornalistas relataram que “instrutores militares russos” estavam cometendo execuções extrajudiciais, estupros coletivos e saques.

No entanto, ao longo do filme, os mercenários russos são retratados como gentis e generosos. Simultaneamente, o filme frequentemente critica franceses e outros assessores ocidentais, retratando-os como espalhando instabilidade e caos na região.

“Os americanos dizem que lutam pela democracia... Os russos lutam por justiça”, diz um dos protagonistas do filme, enquanto os inspetores russos se preparam para proteger uma vila local.

Trailer


O diretor do filme, Andrey Shcherbinin - que usa o pseudônimo de Andrey Batov - tentou retratar a benevolência dos mercenários Wagner. Embora Shcherbinin tenha passado apenas alguns dias na RCA, ele retratou o ponto de vista russo.

Em uma entrevista à mídia, Shcherbinin disse que está preocupado com o futuro que aguarda as crianças da África Central. “A natureza não suporta o vácuo. Se não estivermos na RCA, outros estarão. Eu os vi lá. São pessoas absolutamente materialistas, que buscam seus próprios interesses. Eles não se preocupam profundamente com a África ou com essas crianças”, disse Shcherbinin. “Quando a população local vê um homem branco e ouve [ele] falando francês, dá para ver a repulsa em seus rostos. Mas assim que ouvem russo, começam a sorrir, vêm e cumprimentam [você]”, acrescentou.

Filme de propaganda de Prigozhin

De acordo com fontes citadas pelo The Moscow Times, Prigozhin é provavelmente o dinheiro por trás do filme Turista.

“Ninguém mais gostaria de financiar um filme desses”, disse uma fonte da indústria cinematográfica ao The Moscow Times.

O filme foi produzido por um estúdio relativamente desconhecido com sede em São Petersburgo, registrado sob a marca “Paritet Film”. Registros públicos russos mostram que a esposa de Prigozhin, Lyubov Prigozhina, é proprietária de outra empresa que foi anteriormente registrada com o nome de "Paritet" em São Petersburgo.

Uma captura de tela de um vídeo de mídia social parece mostrar membros do Grupo Wagner matando um homem na Síria. Eles são acusados de mais violações na RCA.

O filme foi exibido na televisão russa e para quase 10.000 locais na RCA no Estádio Barthélemy Boganda, localizado na capital da RCA, Bangui. Uma reportagem da mídia de Prigozhin afirmou que 70.000 pessoas se aglomeraram para ver o filme no estádio com capacidade para 50.000.

Muitos membros do elenco do filme estiveram recentemente envolvidos em outros filmes financiados por Prigozhin. Os extras são todos mercenários Wagner. O ator que interpreta o chefe dos assessores russos tem uma forte semelhança com Prigozhin. Outros membros do elenco e da equipe, incluindo dois produtores e o roteirista-chefe, trabalharam para um filme financiado por Prigozhin sobre um de seus principais assessores. E o elenco do filme conduziu extensas entrevistas com a Agência Federal de Notícias (FAN) - um meio de comunicação dirigido por Prigozhin.

Vladimir Petrov, um dos principais atores do filme, disse em uma entrevista à FAN que os atores receberam treinamento e ajuda de “profissionais russos em campo”.

A crescente influência da Rússia na nação africana

Cena do filme Turista.

Os créditos de abertura do filme, que foi filmado em março e abril de 2021 na RCA, dizem que foi inspirado pelos 300 instrutores militares russos servindo no país rico em recursos em apoio ao regime do presidente Faustin-Archange Touadéra, que a Rússia apoiou abertamente desde 2018.

Embora o filme diga que apenas 300 mercenários Wagner estão estacionados na RCA, a maioria dos analistas militares acredita que o Grupo Wagner tem mais de 1.000 homens no país. Além disso, a Sewa Security Services, outra companhia militar privada russa, supostamente hospeda mais 1.000 mercenários. E esses números estão aumentando. A RCA notificou o Conselho de Segurança da ONU que o país deve trazer 600 novos instrutores russos.

A influência russa na RCA cresceu a tal ponto que os mercenários russos fazem parte do destacamento de segurança do presidente e um ex-oficial de inteligência russo, Valery Zakharov, é o conselheiro de segurança nacional do presidente.

Prigozhin teria dito ao meio de comunicação russo Meduza que os mercenários russos na RCA “merecem fama e respeito. Eles são russos e temos orgulho deles”. Alegadamente, este filme de ação foi uma tentativa de Prigozhin de aumentar os esforços de recrutamento do Grupo Wagner, que está tendo problemas em conseguir os melhores recrutas.

Prigozhin, o magnata da restauração conhecido como "Chef de Putin", negou sistematicamente ter qualquer vínculo com o Grupo Wagner. Ele está enfrentando sanções por interferir nas eleições presidenciais dos EUA.

Steve Balestrieri atuou como graduado, sargento e Warrant Officer (sem equivalente no Brasil) das forças especiais antes que ferimentos forçassem sua reforma precoce.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Leitura recomendada:







Paris ameaça Bamako com retirada militar por causa do acordo com a companhia militar privada russa Wagner


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 15 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de setembro de 2021.

Fundada por Dmitri Outkine, um veterano do GRU (inteligência militar russa), com o apoio do empresário Evguéni Prigojine, um amigo próximo do Kremlin, a companhia militar privada (CMP) russa Wagner se estabeleceu na República Centro-Africana em 2018, depois que Moscou obteve autorização do Conselho de Segurança das Nações Unidas para entregar armas às Forças Armadas da África Central (FACa).

Em seguida, a proteção do presidente centro-africano, Faustin-Archange Touadéra, foi confiada a mercenários russos enquanto uma campanha de desinformação contra a França era montada. Além disso, Bangui assinou acordos de cooperação com Moscou.

No entanto, a CMP Wagner, que claramente tem interesse nos recursos minerais do país, faz mais do que treinar soldados das FACa... já que está envolvido na luta contra grupos rebeldes da África Central. Em junho, um relatório das Nações Unidas denunciou os abusos cometidos por estes últimos e seus "instrutores" russos, enquanto, ao mesmo tempo, Jean-Yves Le Drian, o ministro francês das Relações Exteriores denunciava uma "tomada de poder" em Bangui por mercenários russos.

Insígnia não-oficial de caveira do Grupo Wagner.

Este cenário se repetirá no Mali? Em todo caso, é o que sugere a informação da Reuters, confirmada por várias fontes. Assim, Bamako pretende assinar um acordo com a CMP Wagner para formar as Forças Armadas do Mali (FAMa) e para garantir "a proteção de personalidades importantes". Mas tais "serviços" não seriam gratuitos: trata-se de uma remuneração de pouco mais de 9 milhões de euros por mês e de um acesso privilegiado a três jazidas minerais (duas de ouro e uma de magnésio).

“O Mali pretende agora diversificar as suas relações a médio prazo para garantir a segurança do país. Não assinamos nada com [o Grupo] Wagner, mas estamos discutindo com todos”, disse o Ministério da Defesa do Mali, à frente do qual está o Coronel Sadio Camara, que havia completado um estágio na Rússia pouco antes do golpe de Estado de agosto de 2020 , do qual ele foi um dos atores. Mas "até agora nada foi assinado", acrescentou ele, respondendo a um pedido da AFP.

Que a Rússia esteja interessada no Mali, onde, a pedido das autoridades malinenses, a França destacou tropas para combater os grupos jihadistas que aí abundam, no âmbito da Operação Barkhane, alargada a todo o Sahel, não é surpresa. Desde a independência em 1961, Bamako estabeleceu laços estreitos com Moscou... Mas essa relação não sobreviveu à implosão da União Soviética trinta anos depois.

De qualquer forma, a perspectiva de ver mercenários russos desembarcando no Mali não agrada a Paris, que em junho anunciou uma reforma em seu aparato militar no Sahel. De fato, foi isso que Le Drian disse durante uma audiência perante o Comitê de Relações Exteriores da Assembleia Nacional em 14 de setembro.

“É absolutamente irreconciliável com a nossa presença. [...] Uma intervenção de um grupo deste tipo no Mali seria incompatível com a ação dos parceiros sahelianos e internacionais do Mali”, lançou Le Drian. “Eles se distinguiram no passado, particularmente na Síria, na República Centro-Africana, muitos com extorsões, predações, violações de todos os tipos [e] não podem corresponder a nenhuma solução”, lembrou então. Ele insistiu: “Na República Centro-Africana, isso causou uma deterioração da situação de segurança”.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

No mesmo dia, perante os deputados da Comissão de Defesa, a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, avaliou que "se as autoridades do Mali celebrassem um contrato com a companhia Wagner, seria extremamente preocupante e contraditório, incoerente com tudo o que empreendemos há anos e tudo o que pretendemos realizar em prol dos países do Sahel”.

Em seu discurso de abertura, a ministra lembrou que não havia dúvida de que a França se retiraria militarmente do Sahel.

“Não vamos sair do Sahel. Continuamos a luta contra o terrorismo. Estamos mantendo um sistema militar para continuar a apoiar nossos parceiros do Sahel, enquanto nos adaptamos à evolução da ameaça. A transformação ordenada pelo Presidente da República não é de forma alguma uma saída do Mali, mas uma reconfiguração das nossas forças para torná-las ainda mais operativas e eficazes. Recordo-vos que a instalação final das tropas francesas no Sahel continuará a contar com o compromisso permanente e consistente dos soldados franceses em conjunto com os nossos parceiros. Posso dizer que isso representará um esforço real, consistente e constante para nossos exércitos”, explicou Parly.

De qualquer forma, segundo uma fonte da AFP, a chegada da CMP Wagner ao Mali (fala-se de pelo menos mil mercenários) colocaria em causa o apoio americano às operações francesas, ou mesmo da União Europeia, com o Grupo de Forças Especiais Takuba. “Os Estados Unidos parariam tudo” e “alguns países europeus também poderiam decidir se desligar”, enfatizou.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Leitura recomendada:









FOTO: Mercenários noruegueses do Grupo Wagner na Síria

Mercenários noruegueses do Grupo Wagner na Síria em 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de setembro de 2021.

Mercenários noruegueses do Grupo Wagner na Síria, a famosa Companhia Militar Privada (Private Military Company, PMC) russa controlada pelo GRU - a inteligência militar russa. Os voluntários noruegueses têm armas russas, como o AK-74M, e o sniper, sentado no canto direito, tem um fuzil M1891/30 Mosin-Nagant com a luneta PU de ampliação de 3,5x; um fuzil veterano do final do século XIX, que lutou em conflitos tão diversos quanto a Guerra Russo-Japonesa (1904-1905), as guerras mundiais, a Guerra Civil Espanhola (1936-39) e as guerras na Indochina (1945-89).

O Grupo Wagner chegou à Síria no final de outubro de 2015 e participou de operações em Palmira, al-Shaer, Deir ez-Zor, Latakia e Damasco. Suas missões incluíam funções técnicas de aconselhamento e controle de apoio aéreo aproximado, além de atuarem como tropas de assalto à frente do Exército Árabe Sírio de Assad.

Mercenários com o fuzil de assalto russo AK-74M com o lança-granadas GP-25 ou GP-30M.

O mercenário tem um fuzil AK-74M com lança-granadas, e a viatura tem uma metralhadora Degtyaryov RP-46.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.
Leitura recomendada:







segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Grupo Wagner: mercenários russos ainda chafurdando na África


Por Steve Balestrieri, SOFREP, 19 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro 2021.

O Grupo Wagner da Rússia está passando por momentos cada vez mais difíceis na África. Cerca de um ano atrás, Moscou estava se gabando de chegar primeiro que o Ocidente e a China na obtenção de contratos militares privados, subestimando as ofertas de vários países ocidentais ao divulgar seu "Modelo Sírio" de sucesso. Como resultado, eles acabaram conseguindo mais de 20 contratos militares privados na África. Mas toda essa euforia está secando.

Entraram no Moçambique cheios de confiança: Em agosto de 2019, o presidente moçambicano Filipe Nyusi encontrou-se com o presidente Putin e chegou a um acordo para que os russos apoiassem os militares moçambicanos. Este acordo deu à Rússia numerosas concessões do rico gás no país.

Insígnia não-oficial de caveira do Grupo Wagner.

O Grupo Wagner foi desdobrado logo depois, em outubro de 2019, com 200 contratados. Aterrou no Aeroporto de Nacala, em Moçambique, para ajudar na luta em curso do governo contra o Estado Islâmico na região norte da região rica em gás natural de Cabo Delgado.

O Grupo Wagner é uma companhia militar privada de propriedade de Yevgeny Prigozhin, um oligarca russo com laços muito próximos ao presidente Vladimir Putin. Ele é conhecido como o "chef de Putin", pois também possui uma vasta empresa de restaurantes. Com o objetivo de Putin de expandir a influência da Rússia na África, as forças proxy (de procuração) do Grupo Wagner estão operando no Sudão, na República Centro-Africana e em Moçambique. Eles também têm uma grande presença na Líbia e na Síria.

O Grupo Wagner é essencialmente um braço da política estatal russa: eles nunca foram empregados em nenhum lugar sem a aprovação do Kremlin. E embora não sejam oficialmente reconhecidos como tal, eles são, na verdade, forças terceirizadas do governo de Putin. “Não faço distinção entre os soldados russos e o Grupo Wagner - a maneira como eles cooperam”, disse Jasmine Opperman, especialista sul-africana em terrorismo, ao Voice of America em uma entrevista.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, chega a Durban, na África do Sul, em uma viagem oficial em 2013.

Como escrevemos no outono passado na SOFREP, embora existam várias empresas de proteção africanas - com uma vasta experiência nesta área do continente - disponíveis para aluguel, o governo moçambicano optou, no entanto, pelo Grupo Wagner, devido à sua óbvia influência política e à seu preço muito mais barato do que o de outras empresas. Enquanto uma empresa da África com 50-60 soldados qualificados com vasta experiência na área custaria ao governo entre US$ 15.000 e US$ 25.000 por mês para cada mercenário, o Grupo Wagner enviou 200 mercenários por entre US$ 1.800 e US$ 4.700 por mês cada.

Mas a velha advertência: “Você recebe o que paga” é uma descrição adequada do que aconteceu até agora na região.

Os superconfiantes contractors russos, apoiados por helicópteros Hind e transportados por helicópteros Mi-17 Hip, avançaram para o interior ao longo da fronteira entre Moçambique e Tanzânia. As forças aéreas e terrestres deveriam operar em estreita cooperação com o exército moçambicano (Forças Armadas de Defesa de Moçambique, FADM). No entanto, o ISIS não hesitou. Conforme relatado pelo Southern Times após a chegada dos russos, o ISIS rapidamente reforçou suas unidades em Moçambique, trazendo “voluntários” de outros países da África Oriental, especialmente da Somália. Isso logo levou a uma série intensificada de ataques da guerrilha.

Opperman chamou a situação de “tempestade perfeita” e disse sobre os esforços do Grupo Wagner na região: “Os russos não entendem a cultura local, não confiam nos soldados e têm que lutar em condições horríveis contra um inimigo que está ganhando mais e mais impulso. Eles estão totalmente fora do seu elemento.” Eles não estão acostumados a operarem em um ambiente de selva e sabem (ou se importam) pouco sobre os costumes e tradições locais.

Assim, os russos estão caindo no mesmo problema que tiveram durante a era soviética: tensões entre eles e as forças das nações anfitriãs. Os mercenários russos acusaram os soldados moçambicanos de não terem disciplina, enquanto as tropas da nação anfitriã sentem que estão sendo intimidadas pelos russos. E não existe um "Robin Sage" [personagem fictício americano] para os russos aprenderem como ganhar a confiança da força de uma nação anfitriã.

E agora, depois de sofrerem uma série de derrotas e mais de uma dúzia de mortes, o Grupo Wagner recuou suas tropas de volta para sua base principal em Nacala, cerca de 250 milhas ao sul.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

Eles enfrentam o mesmo problema na República Centro-Africana (RCA). Existem centenas de mercenários do Grupo Wagner operando na RCA, incorporados a uma infinidade de forças diferentes, mas eles estão perdendo todo o relacionamento com os locais devido ao tratamento brutal que dispensam a eles.

O Norte da África também não é mais gentil com eles.

Os russos têm cerca de 1.000 mercenários Wagner na Líbia. Eles sofreram 35 mortos em setembro, quando os turcos os atingiram com um drone, pois não tinham como se defender de ataques aéreos - a exemplo do que aconteceu com as tropas Wagner na Síria quando atacaram uma base dos EUA. Em janeiro, Putin e o presidente turco Erdogan chegaram a um acordo e, em seguida, surgiram relatórios de que as tropas russas Wagner foram retiradas da linha de frente em Trípoli.

A Líbia está em constante guerra civil desde a remoção do ditador Muammar al-Gadhafi, liderada pelos EUA, em 2011. Os Estados Unidos, a ONU e a maior parte da comunidade internacional reconhecem o Governo de Acordo Nacional (GNA), com sede na capital líbia Trípoli, como o governo legítimo. Mas a metade oriental do país é liderada por Khalifa Hafter, que é apoiado pela Rússia, Egito e Emirados Árabes Unidos (EAU). Hafter e suas tropas estão tentando capturar Trípoli.

As coisas não estão indo bem para os russos ou o Grupo Wagner na África. E quando você está mostrando uma fraqueza percebida, especialmente neste mundo de contratos militares privados, outros tentarão usar isso a seu favor.

Entra Erik Prince.

Prince, o fundador da empresa de segurança privada Blackwater, tem procurado nos últimos meses fornecer serviços militares o Grupo Wagner em pelo menos dois pontos de acesso africanos, de acordo com relatórios do The Intercept.

Prince supostamente se encontrou no início deste ano com um funcionário do Grupo Wagner e se ofereceu para apoiar as operações do Grupo Wagner na Líbia e em Moçambique. O advogado de Prince negou que ele tenha se encontrado com alguém do Grupo Wagner.

Erik Prince, fundador da Blackwater.

De acordo com o mesmo relatório, Prince também procura fornecer uma força para aumentar as operações do Grupo Wagner no Moçambique. Prince enviou uma proposta à empresa russa oferecendo-se para fornecer forças terrestres e vigilância baseada na aviação, algo que lhes falta no momento. No entanto, o Grupo Wagner/Rússia rejeitou sua proposta.

Os russos não querem admitir que precisam de ajuda, nem aceitá-la de um americano com laços tão estreitos com a Casa Branca de Trump - Prince é irmão da secretária de Educação Betsy DeVos.

Diga o que quiser sobre Prince, mas ele nunca se esquivou de fazer propostas não-solicitadas para suas ideias. Foi assim que ele acabou conhecendo o presidente Trump. Enquanto, neste caso, os russos/Wagner rapidamente rejeitaram sua proposta, isso não muda o fato de que outros podem ver que a "parada da vitória" russa, para obter contratos mercenários na África, foi um pouco prematura.

Eles estão tendo uma vida difícil no continente e, embora continuem a jogar dinheiro e mercenários na briga, estão nadando em águas desconhecidas e isso é visível.

Steve Balestrieri atuou como graduado, sargento e Warrant Officer (sem equivalente no Brasil) das forças especiais antes que ferimentos forçassem sua reforma precoce.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Bush Wars:
Africa 1960-2010.

Leitura recomendada:








EXCLUSIVO: Acordo que permite mercenários russos no Mali foi fechado

Malinenses seguram uma fotografia com uma imagem do Coronel Assimi Goita, líder da junta militar do Mali, e a bandeira da Rússia durante uma manifestação pró-Forças Armadas Malinenses (FAMA) em Bamako, no Mali, 28 de maio de 2021.
(REUTERS / Amadou Keita / Arquivo de foto )

Por John Irish e David Lewis, Reuters, 13 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.

Sumário
  • Acordo permitindo mercenários russos no Mali - fontes próximas
  • Paris quer evitar que o acordo seja assinado, dizem fontes
  • Pelo menos 1.000 mercenários podem estar envolvidos - duas fontes

PARIS, 13 de setembro (Reuters) - Está fechado um acordo que permitirá que mercenários russos entrem no Mali, estendendo a influência russa sobre os assuntos de segurança na África Ocidental e provocando a oposição da França, ex-potência colonial, disseram sete fontes diplomáticas e de segurança.

Paris deu início a uma campanha diplomática para impedir que a junta militar do Mali promulgasse o acordo, que permitiria que contratados militares privados russos, o Grupo Wagner, operassem na ex-colônia francesa, disseram as fontes.

Uma fonte europeia que rastreia a África Ocidental e uma fonte de segurança na região disse que pelo menos 1.000 mercenários podem estar envolvidos. Duas outras fontes acreditam que o número é menor, mas não forneceram números.

Quatro fontes disseram que o Grupo Wagner receberá cerca de 6 bilhões de francos CFA (US$ 10,8 milhões; US$ 1 = 0,8455 euros) por mês por seus serviços. Uma fonte de segurança que trabalha na região disse que os mercenários treinariam militares malinenses e forneceriam proteção para altos oficiais.

Insígnia não-oficial de caveira do Grupo Wagner.

A Reuters não pôde confirmar independentemente quantos mercenários poderiam estar envolvidos, quanto seriam compensados ou estabelecer o objetivo exato de qualquer acordo envolvendo mercenários russos para a junta militar do Mali.

A Reuters não conseguiu entrar em contato com o Grupo Wagner para comentar. O empresário russo Yevgeny Prigozhin, cujos meios de comunicação, incluindo a Reuters, estão ligados ao Grupo Wagner, nega qualquer conexão com a empresa. Seu serviço de imprensa também diz em seu site de rede social Vkontakte que Prigozhin não tem nada a ver com nenhuma companhia militar privada, não tem interesses comerciais na África e não está envolvido em nenhuma atividade lá.

Seu serviço de imprensa não respondeu imediatamente a um pedido da Reuters para comentar esta história.

Ameaça potencial ao esforço de contra-terrorismo

Mercenários Wagner na Síria.
Notar a insígnia de caveira no braço do homem de pé.

A ofensiva diplomática da França, disseram as fontes diplomáticas, inclui a ajuda de parceiros, incluindo os Estados Unidos, para persuadir a junta do Mali a não levar adiante o acordo, e o envio de diplomatas de alto escalão a Moscou e Mali para conversações.

A França teme que a chegada de mercenários russos prejudique sua operação contra-terrorista de uma década contra a al-Qaeda e os insurgentes ligados ao Estado Islâmico na região do Sahel, na África Ocidental, em um momento em que busca diminuir sua missão Barkhane de 5.000 homens para reformulá-la com mais parceiros europeus, disseram as fontes diplomáticas.

O Ministério das Relações Exteriores da França também não respondeu, mas uma fonte diplomática francesa criticou as intervenções do Grupo Wagner em outros países.

"Uma intervenção deste ator seria, portanto, incompatível com os esforços realizados pelos parceiros sahelianos e internacionais do Mali envolvidos na Coalizão pelo Sahel para a segurança e o desenvolvimento da região", disse a fonte.

Um porta-voz do líder da junta do Mali, que assumiu o poder por meio de um golpe militar em agosto de 2020, disse não ter informações sobre o acordo. "São rumores. As autoridades não comentam rumores", disse o porta-voz, Baba Cisse, que não quis comentar mais.

Um retrato do mercenário russo Maxim Kolganov, morto em combate na Síria, é retratado em um túmulo em sua cidade natal de Togliatti, Rússia, 29 de setembro de 2016.
(REUTERS / Maria Tsvetkova)

O porta-voz do ministério da defesa do Mali disse: "A opinião pública no Mali é a favor de mais cooperação com a Rússia, dada a situação de segurança em curso. Mas nenhuma decisão (sobre a natureza dessa cooperação) foi tomada."

Os ministérios da defesa e do exterior da Rússia não responderam aos pedidos de comentários, nem o Kremlin ou a presidência francesa.

A presença dos mercenários colocaria em risco o financiamento do Mali pelos parceiros internacionais e missões de treinamento aliadas que ajudaram a reconstruir o exército do Mali, disseram quatro fontes diplomáticas e de segurança.

Rivalidade na África

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

Ter mercenários russos no Mali fortaleceria a pressão da Rússia por prestígio e influência globais e seria parte de uma campanha mais ampla para sacudir a dinâmica de poder de longa data na África, disseram as fontes diplomáticas.

Mais de uma dúzia de pessoas com laços com o Grupo Wagner disseram anteriormente à Reuters que o grupo realizou missões de combate clandestinas em nome do Kremlin na Ucrânia, Líbia e Síria. As autoridades russas negam que os contratados da Wagner cumpram suas ordens.

A junta militar do Mali disse que supervisionará uma transição para a democracia que levará às eleições em fevereiro de 2022.

Como as relações com a França pioraram, a junta militar do Mali aumentou os contatos com a Rússia, incluindo o ministro da Defesa, Sadio Camara, visitando Moscou e supervisionando os exercícios com tanques em 4 de setembro.

Uma fonte importante do Ministério da Defesa do Mali disse que a visita foi no "quadro de cooperação e assistência militar" e não deu mais detalhes. O Ministério da Defesa da Rússia disse que o vice-ministro da Defesa, Alexander Fomin, se encontrou com Camara durante um fórum militar internacional e "discutiu projetos de cooperação de defesa em detalhes, bem como questões de segurança regional relacionadas à África Ocidental". Nenhum detalhe adicional foi divulgado.

O principal diplomata africano do Ministério das Relações Exteriores da França, Christophe Bigot, foi enviado a Moscou para conversações em 8 de setembro com Mikhail Bogdanov, representante de Putin no Oriente Médio e na África. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia confirmou a visita.

Bibliografia recomendada:

Bush Wars:
Africa 1960-2010.

Leitura recomendada: